Página Principal > Cardiologia > Insuficiência cardíaca grave favorece uma flora intestinal patogênica

Insuficiência cardíaca grave favorece uma flora intestinal patogênica

Estudo italiano revela que pacientes portadores de insuficiência cardíaca apresentam hiperproliferação de microbiota intestinal patogênica e aumento da permeabilidade, com relação direta a gravidade da doença.

É bem conhecido que a insuficiência cardíaca causa edema de parede intestinal e consequente aumento da permeabilidade por perda da barreira intestinal contra patógenos, estando este mecanismo relacionado ao aumento na pressão intra-abdominal, déficit de perfusão e estase venosa esplâncnica.

No estudo, 60 pacientes bem nutridos e estáveis, porém portadores de insuficiência cardíaca e separados em dois grupos de acordo com a gravidade: IC leve (n = 30) e IC moderada-grave (n=30); foram comparados a 20 pacientes saudáveis do grupo controle. O estudo observou o crescimento de bactérias e fungos nas fezes de todos os pacientes, assim como avaliou a permeabilidade intestinal, a pressão atrial direita e a presença de inflamação sistêmica (pela dosagem da proteína C-reativa).

Os resultados demonstraram que 100% dos pacientes com insuficiência cardíaca apresentavam permeabilidade aumentada e 78,3% apresentavam alteração de flora intestinal, favorecendo um crescimento de bactérias e fungos patogênicos, como: Campylobacter, Shigella, Salmonella, Yersinia enterocolitica e Candida sp. Pacientes com insuficiência cardíaca também apresentaram maior pressão atrial direita e aumento de proteína C-reativa, ambos que não chegam a ser nenhuma surpresa dada a fisiopatogenia da doença. Todos os resultados demonstraram relação com a gravidade da doença sendo mais frequentes e intensos em pacientes com IC moderada-grave.

A principal conclusão do estudo é por ratificar a ligação entre insuficiência cardíaca e edema de parede intestinal, levando a uma perda da barreira intestinal e agregando morbidade à doença (embora a morbidade não tenha sido de fato estudada). Por se tratar de um estudo transversal, qualquer relação de causalidade é duvidosa, porém, pela própria plausibilidade biológica, acredita-se que a disbiose intestinal é consequência e não causa ou fator descompensante da insuficiência cardíaca.

Novos estudos devem ser realizados para avaliar a morbidade e o impacto na sobrevida diante de uma possível estratégia de reverter esta “disbiose” intestinal. Até o momento, não apresentamos evidência de nenhum modificador do perfil da flora intestinal que não o próprio tratamento da insuficiência cardíaca para estes pacientes, e probióticos não são aconselháveis.

 

Referência Bibliográfica:

  • Pasini E, Aquilani R, Testa C, et al. Pathogenic gut flora in patients with chronic heart failure. JACC: Heart Fail. 2015; DOI:10.1016/j.jchf.2015.10.009.

Comentários

Texto