Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Guideline: avaliação e manejo de massas anexiais

Guideline: avaliação e manejo de massas anexiais

Cada vez mais médicos e mulheres enfrentam o diagnóstico de massas anexiais, muito em parte graças a melhora na qualidade dos exames de imagem. Reconhecendo esse aumento, a American College of Obstetricians and Gynecologists publicou diretrizes atualizadas para avaliar e gerenciar estas massas.

A maior parte das massas anexiais encontrada em exames de imagens é benigna e assintomática. O objetivo das novas recomendações é evitar uma reação exagerada aos achados e, ao mesmo tempo, orientar os profissionais nos casos em que a intervenção é necessária. As principais orientações são:

Imagem por ultrassom

  • Na maioria dos casos, a ultrassonografia transvaginal é apropriada para a avaliação de primeira linha das massas anexiais.
  • Ultrassonografia abdominal deve ser utilizado quando a abordagem vaginal não é adequada (por exemplo, em doentes com atrofia genital grave) e para massas que se estendem para além da pelve.
  • A avaliação com Doppler do fluxo vascular é um importante complemento ao ultrassom.
  • Massas > 10 cm, presença de projeções papilares ou sólidas dentro de um cisto, irregularidade, fluxo robusto em Doppler e ascite devem levantar suspeita de malignidade.

Marcados tumorais no ajuste de massas anexiais

  • Em mulheres na pré-menopausa, a avaliação do CA 125 tem uma taxa de falsos positivos elevada.
  • Em pacientes na pós-menopausa, CA 125 elevado deve levantar suspeita de malignidade e desencadear encaminhamento para um médico especializado.
  • Em mulheres na pré e pós-menopausa, o teste OVA1 e o algoritmo ROMA identificam neoplasias malignas com maior sensibilidade e especificidade do que o CA 125. Uma pontuação elevada em qualquer um dos painéis deve induzir o encaminhamento para um médico especializado.

Massas anexiais benignas

  • Cistos simples, cistos dermoides, hidrossalpinges e endometriomas podem ser diagnosticados definitivamente com ultrassom, são comuns em mulheres na pré-menopausa e, quando assintomáticos, podem ser gerenciados com acompanhamento ultrassonográfico em série.
  • Cistos simples (> 3 cm em mulheres na pré-menopausa; > 1 cm em mulheres na pós-menopausa) têm paredes finas e lisas e não têm septações, componentes sólidos ou fluxo vascular notável em Doppler; Eles, muitas vezes, regredem sem intervenção.
  • Em mulheres com cistos dermoides ou endometriomas, cirurgia deve ser considerada se as massas forem grandes, crescendo em seguimento ultrassonográfico ou sintomático.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • http://www.jwatch.org/na42770/2016/11/17/assessing-and-managing-adnexal-masses

Deixe uma resposta