Página Principal > Terapia Intensiva > Uso de IBPs aumenta o risco de infecção da corrente sanguínea na terapia intensiva?
celulas do sangue

Uso de IBPs aumenta o risco de infecção da corrente sanguínea na terapia intensiva?

A úlcera de estresse define as lesões erosivas ou ulceradas da mucosa gástrica, associadas a estresse fisiológico extremo (sepse, politraumatismo ou queimadura grave). Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), estima-se uma incidência de 1,5% de sangramento digestivo clinicamente importante secundário a úlcera de estresse.

Os inibidores da bomba de prótons (IBPs) são frequentemente utilizados em pacientes na unidade de terapia intensiva (UTI) para prevenir úlceras de estresse. Entretanto, têm sido associados a um aumento de risco de infecção, provavelmente devido a alterações na permeabilidade intestinal e ao microbioma gastrointestinal.

Um estudo retrospectivo com pacientes adultos (≥18 anos) foi realizado para avaliar a relação entre o uso de IBPs e a ocorrência de infecção da corrente sanguínea (ICS).

A exposição primária foi a utilização de IBPs na profilaxia de úlcera de estresse na UTI. O desfecho primário avaliado foi a ocorrência de ICS, confirmada por exame, decorrente de 48 horas ou mais de internação na UTI. Os pacientes foram acompanhados por 30 dias após a admissão na UTI ou até a morte, alta hospitalar ou ICS.

As melhores condutas médica você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Foram avaliados 24.774 pacientes, incluindo 756 pacientes (3,1%) que desenvolveram ICS durante internação na UTI. A incidência cumulativa de ICS foi de 3,7% em pacientes com exposição a IBPs, em comparação com 2,2% em pacientes sem exposição a IBPs (teste log-rank p<0,01). Após ajuste para potenciais fatores de confundimento, a exposição aos IBPs não foi associada com risco aumentado de ICS durante a UTI (hazard ratio ajustado: 1,08; intervalo de confiança 95%: 0,91–1,29).

O estudo concluiu que a administração de IBPs para a prevenção do sangramento não foi associada com risco aumentado de ICS. Esses resultados indicam que a preocupação com a ICS não deve afetar as decisões sobre o uso de IBPs na UTI.

Veja também: ‘Infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (IPCS)’

Autor:

Referências:

  • Prakash C, Zuckerman GR. Stress Ulcer Syndrome, em: Irwin RS, Rippe JM – In Intensive Care Medicine. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2003;1093-1098.
  • Cohen ME, Hathway JM, Salmasian H, Liu J, Terry M, Abrams JA, et al. Prophylaxis for Stress Ulcers With Proton Pump Inhibitors is not Associated With Increased Risk of Bloodstream Infections in the Intensive Care Unit. Clin Gastroenterol Hepatol [Internet]. Elsevier Inc.; 2017; Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.cgh.2016.12.035

Deixe uma resposta