40% dos pacientes fazem autodiagnóstico e automedicação pela Internet

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Segundo dados da mais recente pesquisa do Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ), 40% dos pacientes fazem autodiagnóstico pela Internet e, consequentemente, também se automedicam. Essa tendência foi observada principalmente nos jovens de 16 a 34 anos, indivíduos com ensino superior e nas classes A e B.

Esse grupo prefere buscar os sintomas de doenças no Google e evitar a visita à emergência ou ao consultório médico. Entre os motivos levantados pelos autores da pesquisa está o estilo de vida mais digital, com falta de tempo e imediatismo.

Os dados de 2018 confirmam os resultados das últimas duas pesquisas, realizadas em 2016 e 2017, que já apontavam mais de 40% de brasileiros que usam a Internet para se autodiagnosticar. A novidade é a segmentação entre idade e poder econômico, mostrando que idosos e pessoas de baixa renda ainda preferem buscar ajuda profissional.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Como o médico pode fazer a diferença

Um estudo de 2016 mostrou que as informações sobre saúde na Internet não são confiáveis. A comunicação com o paciente é fundamental para tentar reduzir esse quadro, que pode acarretar em desfechos graves para o doente. Veja três atitudes que você pode tomar para ajudar seu paciente:

  • Pergunte ao seu paciente sobre suas preocupações e expectativas, para que você possa orientá-lo corretamente;
  • Compartilhe com ele os perigos de informações não confiáveis na Internet;
  • Mostre-se disponível para ajudá-lo em caso de dúvidas (deixe um telefone de contato ou e-mail).

LEIA MAIS: Veja quais interações medicamentosas são perigosas ou benéficas

Veja abaixo os dados completos da pesquisa:

Autodiagnóstico médico na internet de acordo com a faixa etária

  • 16 a 24 anos: 52,77%
  • 25 a 34 anos: 54,97%
  • 35 a 44 anos: 43,41%
  • 45 a 59 anos: 33,23%
  • 60 anos ou mais: 19,72%

Autodiagnóstico médico na internet de acordo com a escolaridade

  • Ensino fundamental: 20%
  • Ensino médio: 48%
  • Ensino superior: 63%

Autodiagnóstico médico na internet de acordo com a classificação socioeconômica

  • Classes A e B: 55%
  • Classe C: 42%
  • Classes D e E: 26%

Autodiagnóstico médico na internet de acordo com a região geográfica

  • Sudeste: 44%
  • Norte e Centro-Oeste: 42%
  • Sul: 40%
  • Nordeste: 35%

A pesquisa da ICTQ foi realizada com homens e mulheres, com idade a partir dos 16 anos. As entrevistas foram feitas de forma pessoal e individual, entre 9 e 18 de maio de 2018, com 2.090 pessoas de todas as regiões do País, em 120 municípios.

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

12 conteúdos novos com imagens no Whitebook

O Whitebook têm recebido várias figuras. Na atualização desta semana, acrescentamos 12 conteúdos novos com…

14 horas atrás

Vacinação contra Covid-19: Papel da enfermagem na conscientização da segunda dose da vacina

A equipe de enfermagem possui um papel fundamental na conscientização da vacinação contra Covid-19 para…

15 horas atrás

Cerclagem em gestações gemelares: indicação pelo exame físico

Um trial estudou a eficácia da cerclagem na prevenção de trabalho de parto com nascimento…

16 horas atrás

Quais colírios usar no atendimento ou prescrever para tratamento de gestantes?

Sou oftalmologista e vou atender uma gestante. Quais colírios posso usar no atendimento ou prescrever…

17 horas atrás

Teste do Pezinho é ampliado e passa a detectar até 50 novas doenças pelo SUS

A ampliação do Teste do Pezinho, que eleva de seis para 50 o número de…

18 horas atrás

Avaliação da fase pré-analítica do exame de urina de rotina

O exame de urina de rotina é um dos exames mais solicitados e importantes de…

19 horas atrás