Enfermagem

A atuação do enfermeiro em atendimento de urgência

Tempo de leitura: 3 min.

O atendimento de enfermagem se dá em duas vertentes, gerenciamento da unidade, onde o enfermeiro é responsável pela previsão e a provisão de materiais, equipamentos e recursos humanos, e o gerenciamento do cuidado, que abrange desde o acolhimento com classificação de risco até a prescrição de cuidados de enfermagem no desenvolvimento da sistematização da assistência de enfermagem.  

O atendimento de urgência

No entanto, o atendimento de urgência e emergência em enfermagem também pode ser dividido em atendimento pré-hospitalar, prestado principalmente pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), e intra-hospitalar.  No atendimento pré- hospitalar o enfermeiro é membro da equipe da Unidade de Suporte Avançado (USA) que atua baseado nos protocolos de suporte básico de vida (SBV), suporte avançado de vida (SAV), responsável pelo atendimento e transporte de pacientes com maior nível de gravidade. Nesse âmbito o enfermeiro atua de forma direta, realizando procedimentos como punção venosa, administração de medicamentos, obtenção de via aérea definitiva através de dispositivos supra-glóticos conforme previsto na legislação, além do auxílio em procedimentos médicos, como exemplo a intubação orotraqueal.

Saiba mais: Delirium na Emergência: um assunto que precisa ser debatido

No ambiente intra hospitalar, o primeiro contato entre enfermeiro e paciente se dá através da classificação de risco, seja ela feita na sala de triagem ou na sala de estabilização, onde o enfermeiro investiga a queixa principal do paciente e através do protocolo adotado é capaz de determinar o tempo mínimo para que este receba atendimento médico.

O enfermeiro se faz presente em todo o decorrer do atendimento prestando cuidados diretos ao paciente, em procedimentos como a punção arterial para coleta de gasometria, coleta de swabs, culturas, aspiração de vias aéreas além da cateterização vesical e gástrica entre muitos outros procedimentos.

Quanto mais grave se encontra o paciente, mais importantes e complexas se tornam as atribuições do enfermeiro. Na maior parte das vezes é ele o responsável pela checagem de materiais e equipamentos como a verificação do bom funcionamento de desfibriladores e cardioversores, laringoscópio e suas lâminas, ventiladores mecânicos, além da conferência do carrinho de emergência. Todas as atividades respaldadas por resoluções do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN).

No entanto, o atendimento de enfermagem não se faz apenas por enfermeiros, para tal é necessário que haja profissionais técnicos de enfermagem em quantidade suficiente e qualificados para prestar assistência nas mais variadas emergências clínicas e cirúrgicas que fazem parte da rotina do pronto socorro.

Considerações

Pacientes graves se apresentam na maioria das vezes com potencial de deterioração rápida, o que exige do enfermeiro raciocínio clínico e habilidades para intervir prontamente a fim de corrigir ou minimizar os danos à saúde do paciente.

Leia também: Abstinência alcoólica na emergência: diazepam ou lorazepam?

O atendimento de urgência pode ser desafiador, exigindo do profissional o reconhecimento de situações de urgência e emergência além da liderança da equipe em situações adversas que são vivenciadas diariamente por esses profissionais. O enfermeiro que atua em urgência apresenta êxito em sua atuação quando domina não só a teoria e a prática mas principalmente quando o realiza de forma individualizada e humanizada, assumindo que cada indivíduo apresenta uma resposta humana a uma determinada condição de saúde.

Autora:

Referências bibliográficas:

 

 

 

 

Compartilhar
Publicado por
Djenyfe Oliveira

Posts recentes

Blog do Nurse: Bloco de Enfermagem Cirúrgica ganha atualização!

Nursebook recebeu atualizações no Bloco de Enfermagem Cirúrgica entre outras. Confira a lista completa!

5 horas atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 2

Segunda parte do artigo sobre anemia megaloblástica, a segunda principal causa de anemia durante a…

8 horas atrás

10 mitos relacionados ao diagnóstico e tratamento das infecções do trato urinário – Parte I

Confira 10 mitos relacionados ao diagnóstico e tratamento das infecções do trato urinário e os…

10 horas atrás

Glicocorticoide em pacientes com angiopatia amiloide cerebral

Embora a terapia com glicocorticoides seja mais frequentemente usada nesse cenário, tratamentos imunossupressores também têm…

11 horas atrás

Vírus respiratórios: quais são eles?

É extremamente importante estar atento a outras possibilidades de vírus respiratórios que não o SARS-CoV-2,…

11 horas atrás

Microbioma pulmonar: a importância da flora bacteriana nos pulmões

Estudos recentes mostram que o microbioma pulmonar pode ser mais semelhante ao microbioma gástrico quando…

12 horas atrás