Página Principal > Cirurgia > A dor do pós-operatório também depende de nós
médica analisando paciente para alta

A dor do pós-operatório também depende de nós

Tempo de leitura: 2 minutos.

O nosso paciente é um reflexo do nosso trabalho. Podemos tentar modular sua personalidade, através da confiança e profissionalismo de cada um, a fim de obter o melhor para ele. Isso é uma relação médico-paciente saudável. O ápice desse tipo de relação é quando ele entrega seu corpo, anestesiado, inconsciente, para uma cirurgia.

Recentemente, durante o Anesthesiology 2017 (congresso da Sociedade Americana de Anestesiologia), foi apresentado um abstract que demonstra que os pacientes superestimam a dor que irão sentir no pós-operatório. O autor do trabalho, instrutor de anestesiologia, Amir C. Dayan, entregou a alguns pacientes um formulário antes da cirurgia e outro depois, a fim de avaliar o quanto cada um deles achava que iria sentir de dor e o quanto realmente sentiu de dor no pós-operatório imediato. O resultado? A maioria dos pacientes acreditava que sentiria uma dor maior do que realmente sente.

Vejo na minha especialidade o quanto isso é verdadeiro. Os pacientes vêm muitas vezes já com indicação cirúrgica para uma hemorroidectomia, por exemplo, mas procuram segundas, terceiras ou quartas opiniões porque o “primo da cunhada da vizinha” também foi operado e no pós-operatório teve muita dor.

Como mudar esse paradigma?

Da mesma forma que a Medicina evoluiu, os materiais cirúrgicos também evoluíram. As cirurgias, inclusive as para hemorroidectomia, são realizadas de forma melhor, mais rápidas e com menos cortes. Isso promove um pós-operatório melhor, com menos dor e retorno o quanto antes às atividades diárias. As medicações utilizadas pelos anestesistas também evoluíram.

Cabe ao cirurgião e ao anestesista um bom entrosamento, com discussão do que será melhor para cada paciente. Bons profissionais evitam as famosas “receitas de bolo”, seja no peroperatório ou no pós-operatório.

O nosso paciente é um reflexo do nosso trabalho. Cabe ao cirurgião tranquilizar o paciente, evitando trazer sofrimento psíquico desnecessário a ele. Apenas isso já pode melhorar o resultado de pós-operatório! Um bom resultado, ou seja, um pós-operatório com menos dor, já é uma propaganda positiva, um marketing positivo que aumenta o volume de pacientes no consultório, além de representar melhor qualidade de vida para o doente, significando que alcançamos nosso objetivo com sucesso!

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui para se inscrever!

Autora:

Referências:

  • Anesthesiology 2017: Abstract A1164. October 21, 2017.
  • Patients Overestimate Postoperative Pain, Study Finds – Medscape – Oct 23, 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.