Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / A história das gêmeas siamesas brasileiras
Congresso Brasileiro de Cirurgia

A história das gêmeas siamesas brasileiras

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Dr. Eduardo Chapot-Prévost (1864-1907) iniciou seus estudos no Rio de Janeiro, se formando na Bahia em 1885. Exerceu a profissão no Rio de Janeiro e, logo, se tornou também professor na Faculdade Nacional de Medicina. 

Era cirurgião e nunca se acomodou na profissão, sempre buscando realizar o inédito. E o fez. É reconhecido internacionalmente por realizar a primeira separação de gêmeos siameses no mundo. 

As irmãs Maria e Rosalina eram conectadas pelo tórax e pelo abdome, porém não apenas por músculos da parede. Desta forma que a primeira tentativa de separação não obteve sucesso. A inexistência de exames de imagem na ocasião dificultavam a abordagem cirúrgica, já que não se podia saber ao certo quais órgãos as crianças ”compartilhavam”. 

A família de Maria e Rosalina procurou o dr. Chapot-Prévost na tentativa de finalmente resolver a questão. Através da observação dos efeitos colaterais de cada medicamento administrado, o médico buscava descobrir o órgão que dividiam, no caso, o fígado. 

Treinava insistentemente a cirurgia a partir de modelos de gesso que esculpiu. Instituiu técnicas de assepsia, como banhos de lisol até para seus auxiliares e máscara cirúrgica de gaze. 

Em 30 de maio de 1900 e com uma equipe de 13 médicos, conseguiu realizar o grande feito. Infelizmente, por complicações infecciosas no pós-operatório, Maria faleceu cinco dias após a  cirurgia. Rosalina não. Ela casou, teve 6 filhos e viveu por mais de 80 anos. 

Após a publicação do seu trabalho em 1901 “ Chirurgie dês Thoracopages”, o mundo conheceu o que um brasileiro tinha feito. Como é bom ter heróis em quem se inspirar. Não se acomode, independente da área que escolheu, um dia você será o exemplo de alguém.

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.