Colunistas

A importância da continuidade do cuidado médico

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A prática médica tem sofrido diversas mudanças nas últimas décadas, principalmente no aspecto do avanço tecnológico e no desenvolvimento das diversas especialidades e subespecialidades. Há quem diga que nós médicos estamos prestes a sermos substituídos por “robôs/computadores” que têm acesso às informações mais atuais na literatura médica para melhor definir as condutas. O aspecto humano da relação médico-paciente talvez não receba atualmente a devida importância. Mas para aqueles que precisam “ver as evidências para crer”, o BMJ publicou recentemente uma revisão sistemática que incluiu estudos observacionais sobre a continuidade do atendimento médico e sua possível importância em desfechos mensuráveis.

A pergunta que guiou a revisão foi: seria a continuidade do cuidado médico, em diversos cenários, em diferentes grupos populacionais, associada a impactos na mortalidade?

A revisão incluiu os estudos de diferentes metodologias entre 1996 e 2017 que envolveram o tema em questão (graus de continuidade X mortalidade), totalizando 22 estudos (estudos de coorte retrospectivos em sua maioria).

Resultados

– Cerca de 18 estudos (81,8%) sugeriram que maior continuidade do cuidado estava relacionado a menores taxas de mortalidade, sendo que 16 desses 22 avaliaram mortalidade por qualquer causa.

– Cerca de dois estudos não encontraram relação ente continuidade e mortalidade durante ou após uma internação hospitalar.

– Apenas um estudo sugeriu maior mortalidade com maior continuidade baseado em dados de seguros de saúde, mas a relação foi inversa quando se analisou a continuidade relatada pelos pacientes.

Discussão

O tema é muito difícil de ser estudado com a metodologia ideal. A maioria dos estudos incluídos nessa revisão são observacionais e há sempre os riscos de causalidade reversa e alguns vieses. Além disso, continuidade não deve ser medida apenas por quantidade de consultas entre um mesmo médico e o mesmo paciente, uma vez que é preciso se avaliar a qualidade da relação. A opinião do colunista é que não é preciso que haja a evidência mais forte e incontestável em termos de benefícios em mortalidade para que esse aspecto seja mais valorizado. De toda forma, os dados dessa revisão sugerem que, entre outros benefícios já avaliados em outros estudos, a continuidade do cuidado médico pode sim influenciar as taxas de mortalidade.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Pereira Gray DJ, et al. Continuity of care with doctors — a matter of life and death? A systematic review of continuity of care and mortality; BMJ Open 2018;8:e021161. DOI: 10.1136/bmjopen-2017-021161
Compartilhar
Publicado por
Cristiano Carvalho de Oliveira

Posts recentes

Nova classificação para complicações relacionadas a cirurgias de retina

O descolamento de retina regmatogênico (DRR) é a emergência relacionada à retina mais comum e…

2 horas atrás

Superinfecção bacteriana em pacientes com pneumonia grave por Covid-19

A real incidência e impacto das complicações por infecção badcteriana nos pacientes intubados por formas…

3 horas atrás

Aumento de casos de puberdade precoce tem relação com a pandemia?

O crescimento incomum da puberdade precoce foi identificado por pesquisadores ao compararem os números de…

5 horas atrás

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

19 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

20 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

21 horas atrás