Página Principal > Nefrologia > A importância do exame de urina no diagnóstico de glomerulonefrite
glomerulonefrite

A importância do exame de urina no diagnóstico de glomerulonefrite

Tempo de leitura: 2 minutos.

Dismorfismo eritrocitário é uma alteração relativamente comum na prática clínica e comumente associada à glomerulonefrite. Novo estudo publicado na Nephrology Dialysis Transplantation avalia a prevalência desta alteração e o uso desse achado na diferenciação de doenças renais na prática clínica.

Pacientes adultos com biópsia de rim realizada entre 2012 e 2015 e urinálise (EAS ou urina tipo 1) concomitante foram analisados retrospectivamente em busca de associação entre a presença de glomerulopatia na biópsia e ≥ 25% de hemácias dismórficas no exame de urina.

Dos 482 pacientes elegíveis para o estudo, 173 (35,9%) apresentavam < 25% de hemácias dismórficas e 76 (15,8%) apresentavam ≥ 25% de hemácias dismórficas. A biópsia renal revelou presença de doença glomerular em 372 casos (77,2%), sendo diagnosticado glomerulonefrite em 46% destes.

Leia mais: Uso de antibióticos orais é um fator de risco para nefrolitíase?

Relacionando as informações, constatou-se que a presença de ≥ 25% de hemácias dismórficas apresenta uma sensibilidade de 20,4% e especificidade de 96,3%, com valor preditivo positivo de 94,6%. A presença de hemácias na urina (sem análise do dismorfismo) também se correlacionou bem com a presença de glomerulonefrite, assim como a presença de proteinuria associada.

As glomerulopatias que foram associadas à presença de dismorfismo foram: glomerulonefrite pauci-imune, nefropatia por IgA, nefropatia membranas e nefrite lúdica.

O estudo permitiu concluir que a presença de ≥ 25% de hemácias dismórficas é uma alteração específica porém pouco sensível para glomerulonefrite, cuja presença, portanto, é forte preditora de glomerulonefrite.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Eduardo Cardoso de Moura

Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Residência em Clínica Médica pela UFRJ ⦁ Diretor de Conteúdo e Co-fundador da PEBMED

Referências:

  • Abdurrahman M. Hamadah; Kamel Gharaibeh; Kristin C. Mara; Katherine A. Thompson; John C. Lieske; Samar Said; Samih H. Nasr; Nelson Leung. Urinalysis for the Diagnosis of Glomerulonephritis: Role of Dysmorphic Red Blood Cells. Nephrol Dial Transplant. 2018;33(8):1397-1403.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.