Neurologia

A seleção de medicamentos anticonvulsivantes para o tratamento da epilepsia

Tempo de leitura: 4 min.

O número de drogas antiepilépticas (DAE) disponíveis no mercado aumentou rapidamente nos últimos 30 anos, dando mais opções para iniciar o tratamento da epilepsia e tornando a seleção de medicamentos um processo muito mais complexo.

As principais diretrizes baseadas em evidências foram desenvolvidas durante este tempo, auxiliando os médicos e pacientes a fazerem escolhas de tratamento apropriadas na epilepsia recém-diagnosticada. Estas incluem diretrizes publicadas pela International League Against Epilepsy, American Academy of Neurology/American Epilepsy Society entre outros. Essas diretrizes baseiam-se nas melhores evidências disponíveis. No entanto, as diretrizes são limitadas pela falta de estudos comparativos de eficácia controlados para a maioria das DAEs.

Leia também: Pacientes com epilepsia terão Levetiracetam disponível pelo SUS

A figura abaixo mostra um resumo dessas diretrizes e opções de tratamento comuns, incluindo DAEs mais recentes.

A especificidade das escolhas das DEAs para o paciente pode estar relacionada:

  • Ao perfil de efeitos colaterais;
  • Ao potencial efeito benéfico ou adverso nas condições de comorbidade do paciente;
  • Ao potencial para interações medicamentosas ou a falta delas;
  • À facilidade de uso, como titulação e administração uma vez ao dia;
  • A populações específicas de pacientes, como idosos, aqueles que planejam gravidez e pacientes com doença renal ou hepática.

Embora a maioria destas drogas tenham o potencial de causar efeitos colaterais do sistema nervoso central (SNC), como sonolência, fadiga e tontura, muitos têm potencial para efeitos colaterais específicos, que devem ser evitados em pacientes potencialmente vulneráveis.

Por exemplo:

  1. Valproato pode causar ganho de peso, hiperandrogenemia, síndrome metabólica, exacerbação do diabetes, síndrome do ovário policístico, hepatite e pancreatite e, portanto, deve ser evitado em pacientes com essas condições ou predisposição para elas. Outros medicamentos que podem causar ganho de peso incluem gabapentina, pregabalina, vigabatrina e benzodiazepínicos. Um mecanismo comum dessas drogas que poderia explicar o ganho de peso é a potencialização da inibição GABAérgica por efeitos pré-sinápticos ou pós-sinápticos.
  2. Fenitoína, fenobarbital, carbamazepina, oxcarbazepina e lamotrigina têm potencial para reações alérgicas graves e devem ser evitados em pacientes que já tiveram.
  3. Fenitoína, fenobarbital, carbamazepina, valproato e zonisamida podem causar doença hepática. O valproato deve ser evitado em pacientes com comprometimento hepático e deve-se ter cuidado ao usar outros medicamentos nesses pacientes.
  4. O topiramato e a zonisamida podem causar cálculos renais e, portanto, não são uma boa escolha em pacientes com histórico de cálculos renais.
  5. Levetiracetam pode causar ou exacerbar depressão e ansiedade, e tanto ele quanto o perampanel podem causar irritabilidade, hostilidade e raiva e provavelmente devem ser evitados ou usados ​​com cautela em pacientes com doença psiquiátrica significativa.
  6. A carbamazepina e seus derivados, oxcarbazepina e eslicarbazepina, podem causar hiponatremia, que é mais comum em idosos tratados com anti-hipertensivos, como diuréticos ou inibidores da enzima de conversão da angiotensina.
  7. Os antigos medicamentos indutores de enzimas hepáticas — fenitoína, fenobarbital e carbamazepina — e também o tratamento de longo prazo com valproato podem contribuir para a osteoporose, particularmente em mulheres pós-menopausa ou pacientes restritos ao leito com epilepsia e encefalopatia grave, assim, devem ser evitados nesses pacientes.
  8. Fenitoína, fenobarbital e carbamazepina também têm o potencial de causar hipoandrogenismo e hipossexualidade (em homens e mulheres).
  9. O valproato e a lamotrigina podem causar ou exacerbar o tremor e, portanto, não são os medicamentos de escolha para pacientes com tremor essencial.
  10. Valproato, fenobarbital e topiramato aumentam o risco de malformações congênitas maiores em bebês nascidos de pessoas com epilepsia e, portanto, devem ser evitados em pessoas que planejam engravidar ou que estão grávidas. Além disso, o valproato impacta negativamente o desenvolvimento neurocognitivo fetal, reduzindo o quociente de inteligência da criança e aumentando o risco de autismo. Por outro lado, lamotrigina e levetiracetam demonstraram não aumentar o risco de malformações congênitas importantes e são as DAEs de escolha para pessoas que planejam engravidar.

Saiba mais: Mudanças na frequência de convulsões e drogas para epilepsia durante a gravidez

O potencial para efeitos secundários também pode ser usado com vantagem onde esses efeitos podem ser benéficos.

Por exemplo:

  1. Valproato e topiramato são tratamentos eficazes contra a enxaqueca e são usados ​​com dupla finalidade em pacientes com epilepsia e enxaqueca.
  2. O valproato e a lamotrigina são eficazes na estabilização do humor e no tratamento do transtorno afetivo bipolar e da depressão, ambas morbidades comuns na epilepsia; carbamazepina e oxcarbazepina também são algumas vezes usadas off-label para estabilização do humor.
  3. Pregabalina e clonazepam têm efeitos ansiolíticos e podem ser usados ​​para ansiedade comórbida.
  4. Topiramato, zonisamida e felbamato podem causar perda de peso; o topiramato e a zonisamida podem ser usados ​​com benefícios em pacientes com epilepsia e obesidade.
  5. Fenobarbital, gabapentina, pregabalina e perampanel têm efeitos sedativos, que podem ajudar na insônia, outra comorbidade comum da epilepsia.
  6. Gabapentina, pregabalina, carbamazepina e oxcarbazepina podem ser eficazes na dor neuropatica. A carbamazepina e a oxcarbazepina são usadas para o tratamento da neuralgia do trigêmeo, a pregabalina é indicada para o tratamento da fibromialgia.
  7. Carbamazepina, a gabapentina e a pregabalina são usadas para o tratamento da síndrome das pernas inquietas.
  8. A primidona e o topiramato são tratamentos para o tremor essencial.

Para pacientes com doença renal, os medicamentos excretados por via renal devem ser usados ​​com cautela ou evitados. Estes incluem, entre outros, levetiracetam, lacosamida, gabapentina e pregabalina.

Em pacientes com doença hepática, é melhor evitar medicamentos metabolizados pelo fígado, como fenitoína, fenobarbital, carbamazepina, valproato, clobazam e canabidiol.

E finalmente, as interações medicamentosas e a farmacocinética também são importantes na escolha da DAE. Isso pode ser uma escolha complicada, mas várias das novas drogas têm pouca ou nenhuma interação medicamento-medicamento e farmacocinética direta. Estes incluem levetiracetam, brivaracetam, lacosamida, gabapentina e pregabalina.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Löscher W, Klein P. The Pharmacology and Clinical Efcacy of Antiseizure Medications: From Bromide Salts to Cenobamate and Beyond. Review article. CNS Drugs. 2021;35:935–963. doi: 10.1007/s40263-021-00827-8
Compartilhar
Publicado por
Felipe Resende Nobrega
Tags: Epilepsia

Posts recentes

Transtorno do pânico: qual a diferença do ataque de pânico?

Neste episódio, a Dra. Paula Hartmann vai falar sobre transtorno do pânico. Entenda os fatores…

11 horas atrás

Xantelasma: Diagnóstico e tratamento

O xantelasma é uma placa de gordura, amarelada que ocorre mais comumente no canto interno da pálpebra.…

11 horas atrás

Síndrome do piriforme: o que é e qual o seu tratamento?

A síndrome do piriforme é uma condição decorrente da compressão do nervo ciático pelo músculo…

12 horas atrás

Urina de 24 horas: como orientar a coleta?

Embora a coleta/conservação de urina seja simples, ela costuma gerar muitas dúvidas nos pacientes e até…

13 horas atrás

Enfermeiros dos EUA são mais propensos a ter pensamentos suicidas do que outros trabalhadores da área de saúde

Os pesquisadores descobriram que o Burnout estava fortemente associado à pensamentos suicidas entre os enfermeiros.…

15 horas atrás

Assistência manual intermitente da respiração versus pressão suporte durante o processo de extubação

Não só a intubação orotraqueal mas o processo da extubação é um dos maiores desafios…

16 horas atrás