A sensibilidade da córnea muda com a idade?

Um estudo de coorte transversal publicado em outubro deste ano teve como objetivo testar se a sensação da córnea diminui com a idade.

A sensibilidade da córnea é um indicador da saúde da córnea e a sua avaliação tem um papel determinante no exame clínico neuroftalmológico. Os nervos da córnea e as células epiteliais da córnea apoiam-se troficamente através da secreção de algumas substâncias. A hipoestesia tem um efeito adverso na córnea e pode resultar em condições neurotróficas, redução da taxa de piscar, atividades mitóticas e de cicatrização de feridas prejudicadas do epitélio, defeito epitelial, edema da córnea e ceratite. Pode ocorrer em algumas condições fisiológicas e patológicas.  

As condições fisiológicas consistem em ciclo menstrual, gravidez e fechamento defeituoso da pálpebra. As condições patológicas consistem em diabetes, miastenia gravis, hanseníase, inflamação crônica, infecção, distrofias da córnea, persistência de olho seco, ceratocone e tracoma. O envelhecimento tem sido cotado como um fator que pode contribuir para a piora da sensibilidade. 

 Saiba mais: A hiperglicemia no diabetes leva a alterações da superfície ocular?

A sensibilidade da córnea muda com a idade?

A sensibilidade da córnea muda com a idade?

Métodos 

Um estudo de coorte transversal prospectivo publicado na revista Cornea em outubro deste ano teve como objetivo testar clinicamente se a sensação da córnea diminui com a idade, com base no feedback do sujeito (método psicofísico), e se ela se correlaciona com a percepção geral da dor. 

Os indivíduos foram recrutados em duas faixas etárias: grupo A (18 a 30 anos) e grupo B (50 a 70 anos; n = 45 por grupo). Os critérios de inclusão foram olhos saudáveis, Índice de Doença da Superfície Ocular 13 e sem uso de lentes de contato. As medidas do limiar de sensibilidade corneana (CST) foram realizadas duas vezes durante cada uma das duas visitas, com o auxílio de estesiômetro para sensibilidade corneana (SLACS) e estesiômetro Cochet-Bonnet (CB). Uma pontuação geral de sensibilidade à dor foi obtida de todos os participantes. 

Resultados 

Noventa indivíduos completaram o estudo (n = 45 por faixa etária, idade média no grupo A: 24,2 ± 2,94 anos, grupo B: 58,5 ± 5,71 anos). CSTs estatisticamente mais elevados para a faixa etária B foram observados apenas para SLACS (diferença média: 1,58 dB, P < 0,001). Nenhuma correlação foi observada entre o escore de dor e os TSC obtidos com qualquer método de estesiometria (r = 0,11, P = 0,25 para jato líquido e r = 0,076, P = 0,61 CB). 

 Leia também: Revisão avalia casos de ceratite microbiana em São Paulo ao longo de dez anos

Conclusão e mensagem prática 

O artigo conclui que uma diminuição estatisticamente significativa na sensibilidade da córnea foi observada para a faixa etária mais avançada com SLACS, mas, com CB, apenas foi observada uma tendência na mesma direção. A percepção geral da dor não se correlacionou com a sensação da superfície ocular, e esses resultados podem ser levados em consideração para a prática clínica. 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo