Pediatria

AAP 2021: estratégias não farmacológicas para ansiedade em adolescentes durante a pandemia

Tempo de leitura: 8 min.

Em apresentação na AAP Experience 2021, congresso da American Academy of Pediatrics, Carol Cohen Weitzman, médica codiretora do Autism Spectrum Center no Boston Children’s Hospital abordou o tratamento não farmacológico da ansiedade em adolescentes durante a pandemia de Covid-19, com foco em determinantes sociais de saúde, racismo, bem-estar do cuidador e aprendizagem remota.

Ansiedade em adolescentes na pandemia

Prevalência dos problemas de desenvolvimento e de comportamento em pediatria

Aproximadamente 13 a 20% das crianças e adolescentes apresentam alterações comportamentais e de desenvolvimento em um determinado momento de sua vida, sendo que 37 a 39% das crianças terão transtorno comportamental ou emocional diagnosticado aos 16 anos de idade.

Além disso, uma em cada seis crianças com idades entre 2 e 8 anos (17,4%) apresenta um transtorno mental, comportamental ou de desenvolvimento diagnosticado nos Estados Unidos.

Ansiedade

A ansiedade é muito comum em crianças e adolescentes, sendo a condição de saúde mental mais prevalente ao longo da vida (ao longo da vida, a prevalência de ansiedade gira em torno de 25 a 32%). Atualmente, a ansiedade ocorre numa frequência aproximada de 7,1% das crianças de 3 a 17 anos e isso vem aumentando ao longo dos anos: de 5,4% em 2003 a 8,4% em 2011 – 2012.

A ansiedade em pediatria é um quadro crônico e persistente. No entanto, o tratamento precoce melhora a condição em longo prazo. Infelizmente, somente 59% dos pacientes com esse diagnóstico recebem tratamento direcionado (uma quantidade menor que os pacientes com depressão).

A ansiedade é definida como uma desordem antecipatória e com uma forte associação com os pensamentos, comportamento, sintomas físicos e emoções. O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais quinta edição (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders fifth edition – DSM-5) divide os transtornos de ansiedade em cinco tipos (esses transtornos geralmente ocorrem em conjunto e podem variar de acordo com o tempo):

  • Ansiedade de separação (7,6%);
  • Ansiedade social (9%);
  • Fobia específica (7 – 9%);
  • Mutismo seletivo (1%);
  • Transtorno de pânico (2 – 3%);
  • Agorafobia;
  • Ansiedade generalizada (1 – 2%);
  • Transtorno obsessivo-compulsivo – TOC (1 – 4%);
  • Relacionada a trauma e estresse.

Em crianças pequenas, predominam a ansiedade de separação e fobias específicas. Na idade escolar, são mais comuns a ansiedade de desempenho e a ansiedade social. Já na adolescência, os mais prevalentes são: pânico, TOC e depressão.

Comorbidades associadas incluem: outros transtornos de ansiedade, transtornos do humor/depressão (30 – 70%), transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) (15 – 25%), problemas de aprendizagem, risco de depressão e uso de substâncias ao longo do tempo. Por fim, o diagnóstico diferencial engloba condições médicas subjacentes, dor, uso excessivo de cafeína, uso de medicamentos/drogas e síndrome de abstinência.

Ferramentas de triagem para ansiedade em pediatria

Há dois tipos de ferramentas que merecem destaque: o tipo broad-band screening tool (que avalia uma ampla gama de sintomas emocionais/comportamentais) e o disorder-specific screening tool (que auxilia no esclarecimento de diagnóstico e também pode ser usado para monitorar sintomas).

Ferramentas para avaliação de ansiedade em crianças e adolescentes

Ferramenta Idade (anos) Número de itens Tempo de aplicação Outros Custo
Multidimensional Anxiety Scale for Children 2nd Ed 8 – 19 50 15 min Formulário para pais e jovens Paga
SCARED (Screen for Child Anxiety Related Disorders) 8 – 18 41 10 min Formulário para pais e jovens Gratuita
Spence Children’s Anxiety 8 – 15 38 Formulário para pais e jovens Gratuita
Spence Preschool Children’s Anxiety 3 – 6 28 + 6 sobre trauma Pais Gratuita
Cross-Cutting Symptom Measures 6 – 17 25 Pais e jovens

Desenvolvida pela APA

Gratuita

Legenda: APA – American Psychiatry Association; Ed – Edition

Abordagem geral

Para avaliar a extensão do problema, Carol Weitzman enfatiza a abordagem dos seguintes pontos, principalmente, de uma forma inicial, pelo pediatra:

  1. Como os pais falam sobre os medos da criança, habilidades de enfrentamento e competências?
  2. Quais são as estratégias familiares para lidar com esses comportamentos?
  3. Quanto tempo isso leva?
  4. O quanto a ansiedade da criança restringe:
  • o dia a dia da criança?
  • o dia a dia dos pais?
  1. Os pais acham que há um problema?

O profissional de saúde deve se atentar não somente para a ansiedade em si, mas também para outros problemas de desenvolvimento e de comportamento em pediatria. Um plano de ação, incluindo a identificação de fatores predisponentes (de vulnerabilidade, como história prévia ou familiar e fatores biológicos e/ou sociais), precipitantes (gatilhos, como eventos com associação temporal com a sintomatologia) ,de perpetuação (aspectos do paciente, da família e da comunidade) e protetivos.

Abordagem dos pais

Carol Weitzman abordou o fato de como os pais podem influenciar de forma positiva ou negativa no comportamento infantil. É importante que os pais deem apoio à criança, reconhecendo seus sentimentos e medos e tendo fé na capacidade da criança de superar desafios.

Proteção excessiva dos pais Apoio dos pais
O mundo da criança torna-se limitado O mundo da criança se expande
A criança continua a ver o mundo como perigoso; O mundo pode ser explorado
A criança não desenvolve estratégias de enfrentamento; Estratégias de desenvolvimento de enfrentamento saudáveis 
Os pais não veem a criança como capaz; Os pais veem a criança como capaz e corajosa
A família se organiza em torno de medos. Família não tem mais ansiedade em seu centro

Para a Dra. Weitzman, é importante que os pais mudem suas ações em resposta ao comportamento da criança, evitando a proteção excessiva, dando apoio para seu filho, encorajando comportamentos corajosos. Uma parte muito interessante da palestra foi: cinco coisas que não podemos dizer a uma criança ansiosa:

  1. Vai ficar tudo bem … Confie em mim;
  2. Não há nada para temer;
  3. Deixe-me contar todos os motivos pelos quais você não precisa se preocupar;
  4. Pare de se preocupar tanto!;
  5. Simplesmente não entendemos por que você está tão preocupado.

Abordagem da criança

Algumas estratégias não farmacológicas têm sido sugeridas para o manejo da ansiedade em pediatria:

  • Abordagem do pensamento, como solução de problemas e pensamento realístico;
  • Abordagem do comportamento, como exposição;
  • Abordagem de sintomas físicos e emoções, como relaxamento e visualização.

De acordo com os guidelines da American Academy of Child and Adolescent Psychiatry (AACAP) para avaliação e tratamento dos transtornos de ansiedade em pediatria:

  • A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) devem ser oferecidos a pacientes de seis a 18 anos;
  • O tratamento combinado pode ser oferecido preferencialmente ao invés de um único tratamento;
  • Inibidores de recaptação de serotonina e norepinefrina podem ser oferecidos a pacientes de seis a 18 anos.

Existem fortes evidências que apoiam o uso da TCC no manejo ansiedade infantil (e depressão) em vários estudos controlados randomizados (AACAP 2007), sendo que a incorporação dos pais adiciona benefícios (Bernstein 2005). No entanto, há necessidade de exposição e dessensibilização para fobias específicas e treinamento de habilidades sociais para fobia social.

Carol Weitzman comentou também sobre a curva de Worry Hill (“montanha de preocupação”), desenvolvida por Aureen Wagner para tornar a TCC mais amigável para as crianças, começando a treiná-las para receber o tratamento, ajudando-as a entender como a exposição ao fator que leva à ansiedade leva à habituação. A palestrante mostrou um gráfico de uma curva em formato de sino que ilustra como a ansiedade aumenta com a exposição até atingir o pico e, então, se o paciente persistir em resistir ao impulso de empregar as táticas usuais de evitar a ansiedade, automaticamente essa curva começa a declinar.

Um ponto de muita relevância da palestra foi quando a Dra Weitzman comentou sobre como os pensamentos negativos automáticos podem bloquear nossa capacidade de ver as coisas com clareza e levar a uma baixa autoestima e a relacionamentos desafiadores. Para isso, ela usou o exemplo de formigas em um piquenique:

  1. Formigas culpadas: “Eu deveria…”;
  2. Formigas sentimentais: “Eu só sinto que isso nunca vai melhorar”;
  3. Formigas negativas: “Eu sei que tenho um papel na peça, mas não é uma liderança”;
  4. Formigas “sempre/nunca”: “Eu sempre serei terrível em…”;
  5. Formigas que “leem a mente”: “Eu sei que eles estão bravos comigo”;
  6. Formigas que culpam: “É sua culpa”.

O terapeuta deve orientar a criança a pensar da seguinte forma (“detetive de formigas”):

  1. Esses pensamentos são verdadeiros?
  2. Estou 100% certo de que esse pensamento é verdadeiro? Qual é a prova?;
  3. Há outra possibilidade?;
  4. Aprender a reconhecer as formigas e pisar nelas;
  5. Se o pior realmente acontecer, como posso lidar com isso e quem pode me ajudar?;
  6. Se o meu amigo pensar dessa forma, como eu falaria com ele?

Leia também: Depressão e ansiedade x adolescência

Ferramentas de autoconsciência

Ferramentas que o pediatra pode aplicar em seu local de trabalho (consultório, hospital) para a avaliação de como a criança está se sentindo.

  • Escala de faces;
  • Termômetro de sentimentos;
  • Roda de sentimentos;
  • Diário de sintomas;
  • Tabela de frequência escolar.

Ferramentas calmantes que promovem a respiração consciente

  • Aplicativos, como Headspace e Calm.

Estratégias de enfrentamento

  • Pedir a criança para escrever sobre o que a faz se sentir bem, sobre coisas boas que ela pode dizer sobre si mesma e coisas que ela pode tocar, ouvir e ver, por exemplo.

“Prêmios de bravura”

  • Dar uma medalha ou selo quando a criança consegue superar um desafio.

ISRS

São considerados terapia farmacológica de primeira linha para TOC, ansiedade social, mutismo seletivo, transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e transtorno de ansiedade de separação. O uso desses medicamentos é, em geral, off-label. Fluoxetina, sertralina e fluvoxamina possuem aprovação do Food and Drug Administration (FDA) para o TOC em crianças. Nenhum ISRS é aprovado pelo FDA para ansiedade em crianças. A duloxetina (SNRI) é aprovada pelo FDA para TAG em crianças.

Na maioria dos casos, certifique-se de que as crianças estejam em tratamento comportamental adequado. Comece com uma dose baixa, monitorando altura, peso e pressão arterial. Os efeitos colaterais incluem alterações gastrointestinais, sedação, insônia, sonhos vívidos, cefaleia e nervosismo, ativação. Cuidados: ideação suicida, síndrome serotoninérgica, e alerta cardíaco para doses de citalopram > 40 mg/dia. Tente diminuir se houver um ano de estabilização.

Ansiedade e a pandemia de Covid-19

A palestrante comentou que a ansiedade, durante a pandemia de Covid-19, tem atuado como um gatilho para episódios depressivos ou outras doenças mentais e como fator de piora para uma ansiedade prévia. Um estudo da China (n = 320) demostrou que os pais relataram:

  • Filhos solicitando mais a presença deles (37%);
  • Distúrbios do sono (22%);
  • Falta de apetite (18%);
  • Fadiga (17%);
  • Pesadelos (14%);
  • Desconforto / agitação (13%);
  • Desatenção (33%);
  • Medo da morte de um parente (22%);
  • Preocupação (28%);
  • Pedidos obsessivos de atualizações (27%);
  • Irritabilidade (32%).

Já um estudo americano indicou que 40,1% dos pais relataram observar sinais de angústia em seus filhos.

Condutas que podem ser feitas pelo pediatra

  • Avaliar as crianças que apresentam ansiedade para determinar a gravidade do problema;
  • Desenvolver estratégias para compartilhar com crianças ansiosas/estressadas e seus pais;
  • Identificar provedores de saúde comportamental em sua comunidade para crianças que precisam de tratamento mais intensivo;
  • Perguntar ativamente sobre os sintomas durante a Covid-19 e suas consequências.

Comentário

De fato, temos observado, durante a pandemia, tanto na prática clínica quanto nos estudos que vêm sendo publicados, que a ansiedade tem sido uma realidade em muitos pacientes pediátricos. O papel do pediatra nesse reconhecimento é de extrema importância para uma melhor qualidade de vida de crianças e adolescentes, com encaminhamento (o mais rápido possível) para tratamento especializado com psicólogo e/ou psiquiatra.

Em várias esferas da medicina, as estratégias não farmacológicas vêm ganhando espaço e com maior facilidade de disseminação por meio de abordagens online. No entanto, acredito que uma forma um pouco difícil de se manejar na atualidade, mas que pode contribuir para o aumento da ansiedade, diante de vários fatores, é o aumento expressivo do tempo de tela em crianças e adolescentes, facilitando o sedentarismo, doenças como obesidade, piora da autoestima e diminuição do convívio social.

Estamos acompanhando o congresso da AAP 2021. Fique ligado no Portal PEBMED!

Mais do AAP Experience 2021:

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Weitzman, Carol. Session Code L2203 – Nonpharmacologic Strategies for Adolescents With Anxiety During COVID-19. American Academy of Pediatrics. AAP Experience Virtual 2021 National Conference and Exhibition.
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

5 horas atrás

Síndrome de anticorpo antifosfolipideo: o que precisamos saber?

A síndrome de anticorpo antifosfolípideo é definida cumprindo pelo menos um clínico e um critério…

11 horas atrás

Hospital em Brasília busca voluntários para testar tratamento para câncer de pênis

Voluntários estão sendo selecionados em cinco estados e no Distrito Federal para participar de um…

1 dia atrás

Whitebook: anemia ferropriva

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a abordagem…

1 dia atrás

Blog do Nurse: Bloco de Enfermagem Cirúrgica ganha atualização!

Nursebook recebeu atualizações no Bloco de Enfermagem Cirúrgica entre outras. Confira a lista completa!

2 dias atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 2

Segunda parte do artigo sobre anemia megaloblástica, a segunda principal causa de anemia durante a…

2 dias atrás