Página Principal > Colunistas > Abordagem prática ao choque hemorrágico: o que precisamos saber
animação do sistema circulatório e sanguineo humano

Abordagem prática ao choque hemorrágico: o que precisamos saber

Tempo de leitura: 3 minutos.

Recentemente a New England Journal of Medicine publicou um artigo de revisão sobre choque hemorrágico. Como todo o material deles, o texto é de ótima leitura. Nós então nos inspiramos e montamos uma forma prática, beira de leito, sobre o assunto.

A hemorragia pode ser externa (visível) ou interna. As causas mais comuns de hemorragia são:

  • Trauma
  • Obstetrícia / parto
  • Gastrointestinal
  • Per-operatório
  • Ruptura de aneurisma de aorta

A abordagem consiste em dois pilares:

  1. Localizar sítio do sangramento para promover hemostasia.
  2. Repôr as perdas, minimizando a má perfusão tecidual e a conseguinte disfunção orgânica.

É importante frisar que ambas as etapas ocorrem SIMULTANEAMENTE, pois quanto mais rápido você conter o sangramento e fizer a ressuscitação, melhor o prognóstico do paciente.

O ABCDE do choque hemorrágico consiste em:

A: controle via aérea (e proteção cervical se houver trauma)
B: respiração
C: circulação
D: oxygen delivery – oferta de O2 nos tecidos
E: endpoint of resuscitation – metas da ressuscitação volêmica / perfusional

Controle do sangramento

Esta etapa começa com a identificação do sítio de sangramento para controle hemostático local. Isto é, para conter o sangramento. Estas medidas devem começar o mais cedo possível, de preferência ainda no pré-hospitalar.

choque hemorragico tabela
*O REBOA é um dispositivo ainda experimental que é colocado de modo endovascular na aorta e interrompe o fluxo acima do ponto de ruptura ou sangramento, mantendo perfusão sistêmica e reduzindo perdas, até que se proceda com a cirurgia reparadora.

Ressuscitação

A hemorragia leva à hipovolemia e vasoconstrição, com má perfusão sistêmica. Há liberação de mediadores inflamatórios e de lactato, além de dano endotelial. A cascata da coagulação é ativada, e pode haver disfunção, tanto para mais (hipercoagulabilidade) como para menos (coagulopatia). Além disso, a hipotermia pode agravar a hipotensão, a acidose e a coagulopatia. A ressuscitação é um conjunto de medidas que visa restaurar a perfusão através da reposição volêmica e medidas adjuvantes para reverter acidose lática e coagulopatia, bem como a manutenção da temperatura corporal. Obtenha rapidamente dois acessos venosos periféricos calibrosos (14 ou 16G).

O passo seguinte é estimar a perda volêmica, o que é classicamente feito pela tabela adaptada do American College of Surgeons Committee on Trauma.

choque hemorragico 2

Em geral, pacientes I e II não necessitam de reposição de hemoderivados, ao contrário das classes III e IV.

A avaliação laboratorial consiste em:

  • Hemograma: a hemoglobina pode estar falsamente normal na admissão
  • Plaquetas, INR e PTT: são as medidas de uso comum. Podem ser associadas ao fibrinogênio e devem ser corrigidas. Mas o ideal é o uso da tromboelastografia se disponível.
  • Bioquímica, com função renal e eletrólitos (sódio, potássio e cálcio).
  • Gasometria arterial com lactato, como adjuvante na avaliação perfusional.

choque hemorragico

Observações:

  • O uso de bicarbonato é controverso. Há autores que recomendam com pH < 7,15 e outros com pH < 7,00.
  • O fator VIIa ativado e o complex protrombínico só estão recomendados no sangramento em pacientes que usam varfarina.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

 

 

 

 

Referências:

  • Hemorrhagic Shock. January 25, 2018. N Engl J Med 2018; 378:370-379. DOI: 10.1056/NEJMra1705649

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.