Página Principal > Colunistas > Acabou a residência médica, e agora?
medico segurando um tablet

Acabou a residência médica, e agora?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Acabou a residência médica? Em primeiro lugar, parabéns! Você concluiu uma jornada longa e desafiadora com sucesso. Como fazer, a partir de agora? Onde colocar as energias? Como conciliar a vida pessoal com a profissional? Onde quero estar em alguns anos? Você deve estar buscando as respostas para questões como essas e espero que este texto ajude na estruturação de sua estratégia.

Para fins de organização, vou dividir o cenário entre médicos que não vão atender pacientes em consultório e médicos que vão atender pacientes em consultório. Neste texto, o foco será em quem atende em consultório. As principais opções que temos no mercado são:

1. Montar o consultório próprio;
2. Dividir o consultório em sociedade com amigos;
3. Trabalhar para alguém que já tenha o consultório estabelecido;
4. Alugar períodos dentro de clínicas que disponibilizam espaço;
5. Montar o consultório próprio dentro de plataformas pay-per-use.

A principal coisa que você deve lembrar é que o seu verdadeiro ativo é a sua carteira de pacientes. Seu trabalho é fazer com que ela aumente como reflexo de sua competência profissional. Quando avaliar uma oportunidade de negócio, pergunte a si mesmo: os pacientes serão meus? Se a resposta for negativa, certifique-se de que realmente não há outra alternativa antes de seguir nessa direção. Entre as opções citadas, a 1, 2 e 5 permitem que você construa sua carteira de pacientes. Já a opção 4, somente em alguns casos.

Quem irá pagar pelo meu serviço? Essa é a segunda pergunta que você deve responder. A fonte pagadora que todos temos à disposição é o próprio paciente. Empresas de saúde suplementar (seguradoras, convênios médicos, entre outros) são fontes para um número cada vez menor de médicos que montam seus consultórios, devido a um movimento de verticalização que essas empresas estão fazendo em busca de maior eficiência. Finalmente, o SUS é opção para alguns poucos colegas que montam seus consultórios. Sabendo quem pagará por seu serviço, você poderá eliminar opções de negócio onde não haverá retorno sobre o seu investimento. Entre as opções citadas, a 3, 4 e 5 demandam menor investimento inicial, favorecendo o retorno financeiro.

Quanto tempo eu posso/quero dedicar para atividades de gestão? Quando pensar nessa questão, leve em conta o crescimento da carga de trabalho administrativo conforme sua carteira de pacientes aumenta, assim como a necessidade cada vez mais frequente de atualização científica e fatores relacionados à sua especialidade e vida pessoal. Por exemplo, as especialidades cirúrgicas terão um aumento do tempo em cirurgias, conforme a carteira de clientes cresce. Todos nós podemos um dia preferir nos dedicar às nossas famílias nos momentos que seriam necessários ser dedicados à gestão. Lembrando que o tempo essencial para gestão de um consultório próprio aumenta com o passar dos anos. Se você não considerar esse aspecto na sua estratégia profissional e pessoal, poderá perder muito do que construir. Dentre as opções citadas, a 3, 4 e 5 demandam menor dedicação de tempo para gestão.

Mobilidade é um aspecto cada vez mais importante para todos, médicos e pacientes. Isso vai além de estar presente em mais de um endereço, significa também estar disponível em dias e horários diferentes. Quanto mais ampla sua disponibilidade geográfica e de tempo, mais rapidamente você construirá sua carteira de pacientes. Entre as opções citadas, a 1 atende melhor à disponibilidade de horário, mas exige investimento próprio em novas unidades para aumentar a atuação geográfica, e a 5 atende aos dois pontos.

Seja qual for a estratégia escolhida por você, ela não deve ser imutável. Fique atento às novidades do mercado e mantenha-se capaz de testar novos modelos que poderão ser a diferença entre falhar e vencer. Todos os mercados mudam constantemente e o segmento de saúde está evoluindo rapidamente, com avanços clínicos e tecnologias que influenciam o comportamento dos pacientes ou alteram a relação que temos com nossos consultórios.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Fábio Medaglia Soccol é formado em Medicina na Faculdade de Medicina do ABC, especialista em oftalmologia pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia e possui MBA em Gestão de Serviços de Saúde pela UNIFESP. Com mais de 15 anos de experiência em Medicina e Health-Tech, patenteou dispositivos médicos na área de Oftalmologia, foi Medical Consultant da Intersystems Corporation e é Co-fundador da Livance Consultórios Inteligentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.