Ginecologia e Obstetrícia

Acidente vascular cerebral e gestação

Tempo de leitura: 2 min.

A chance de uma gestante ter um acidente vascular cerebral (AVC) é três vezes maior do que uma paciente que não está grávida. O período de maior risco de elas sofrerem essa patologia é no terceiro trimestre de gestação e nas seis primeiras semanas do puerpério. Durante essa fase devemos ficar ainda mais atentos, para não subestimarmos sinais clínicos de AVC e não demorarmos em iniciar a terapêutica adequada.  A assistência multidisciplinar dessas pacientes diminui a morbimortalidade materna, por isso é essencial conhecermos sobre essa patologia e sabermos como agir frente a ela em uma gestante.

Leia também: Hemorragia puerperal: prevenir com ácido tranexâmico na cesárea diminui a mortalidade?

Análise recentes

O departamento de neurologia de Harvard publicou na Obstetrics and Gynecology Clinics of North America, em março de 2021, uma revisão sistemática sobre a abordagem multidisciplinar das gestantes e puérperas com AVC. Nos últimos anos as mulheres passaram a engravidar mais tarde, de modo que aumentam as chances de gestar com alguma patologia, como hipertensão, diabetes, dislipidemia e obesidade, consequentemente isso aumenta o risco de complicações durante a gestação. O artigo reforça a importância desse tema, além de mostrar o beneficio de iniciar a terapêutica precocemente e com uma equipe multidisciplinar. 

O AVC hemorrágico é o mais comum no período gestacional e do puerpério, sendo que as principais causas são eclâmpsia, síndrome vasoconstrição cerebral reversível, ruptura de má-formação arteriovenosa e aneurisma cerebral. Os principais fatores de risco para acidente vascular cerebral hemorrágico durante a gestação e puerpério incluem: idade avançada, descendência africana, cardiopatia congênita ou adquirida, pré-eclâmpsia, eclâmpsia e cesariana.

Saiba mais: Ligação entre Covid-19 em gestantes e hipertensão e pré-eclâmpsia

O AVC isquêmico está associado à cardiomiopatia periparto, encefalopatia posterior reversível, síndrome vasoconstrição cerebral reversível, trombose do seio venoso cerebral, embolia paradoxal devido forame oval patente e dissecção arterial cervical. A terapia com anticoagulação durante a gestação é segura e devem ser feitas no momento oportuno para segurança da gestante e do feto. 

Mensagem final

Nem sempre temos uma equipe multidisciplinar ou leito em unidade de terapia intensiva nas maternidades brasileiras, por isso cada vez mais é importante sabermos fazer um diagnóstico precoce e saber iniciar a terapêutica adequada. E se possível encaminhar para um centro terciário para tratamento especializado, diminuindo a morbimortalidade materna e fetal. 

Referências bibliográficas:

  • Camargo EC, Singhal AB. Stroke in Pregnancy: A Multidisciplinary Approach, Obstetrics and Gynecology Clinics of North America. 2021 Mar;48(1):75-96.  doi: 10.1016/j.ogc.2020.11.004.
Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Cetoacidose Diabética: panorama clínico [podcast]

No episódio do podcast desta segunda-feira, o especialista em Endocrinologia Bernardo Campos vai tratar da…

4 horas atrás

Check-up Semanal: Mortalidade por SDRA, fibrilação atrial e complicações em cirurgias não cardíacas e mais!

No episódio de hoje do Check-up Semanal, nosso editor-chefe médico do Portal PEBMED, Ronaldo Gismondi,…

6 horas atrás

Near Miss: conheça os critérios da OMS para avaliar riscos de mortalidade materna

Você conhece o termo near miss? É um conceito que se refere a quase morte…

7 horas atrás

Rizartrose: Quais os resultados de hemitrapezectomia artroscópica e suspensoplastia com Mini TightRope?

A maioria dos casos de rizartrose é assintomática, mas qual tratamento é adequado para quando…

8 horas atrás

Epidemiologia do trauma na prática do surf

Apesar da popularidade do esporte, a literatura médica abordando as lesões traumáticas associadas à prática…

10 horas atrás

Dia do Hospital

A data comemorativa do Dia do Hospital é uma homenagem à inauguração, em 1945, do…

11 horas atrás