Acidentes domésticos nas férias escolares: intoxicação exógena acidental

Você sabe como identificar e abordar a intoxicação exógena acidental em crianças? Confira as principais informações sobre o assunto.

Nas férias escolares, há um aumento no número de acidentes domiciliares e o médico pediatra precisa estar preparado para o manejo de cenários como queimaduras, afogamento e traumatismos em geral. Situações comuns e que, muitas vezes, geram dúvidas são as formas de intoxicação exógena aguda acidental.

Em algumas circunstâncias, a ocorrência e a origem da intoxicação são evidentes, pois a substância responsável é encontrada próxima à criança, mas, em outros momentos, a intoxicação pode ser oculta, o que torna especialmente importante lembrar desse diagnóstico diferencial e conhecer as síndromes de intoxicação mais frequentes.

Veja também: Aplicação clínica de probióticos, prebióticos e posbióticos em pediatria

mão de bebê internado com intoxicação exógena

Quando considerar a possibilidade de intoxicação exógena?

Nos casos de alteração do nível de consciência (sonolência excessiva, irritabilidade/agitação intensa), crise convulsiva, acidose metabólica inexplicável, disfunção de múltiplos órgãos ou sinais e sintomas relacionados ao aparelho cardiopulmonar (ex.: arritmias, hipotensão, hipoxemia), sem que haja doença de base, especialmente em crianças em faixa etária de risco, entre um e quatro anos de idade.

Tratamento inicial da intoxicação exógena

Independente da causa específica da intoxicação, o tratamento inicial envolve estabilização do paciente, conforme as diretrizes do PALS (Pediatric Advanced Life Support), assegurando a perviedade das vias aéreas e avaliando a respiração e sistema circulatório através de monitorização cardiopulmonar, avaliação de pulso, pressão arterial, cor e temperatura da pele, além do tempo de enchimento capilar. Considerar garantir um acesso venoso periférico e realizar eletrocardiograma, já que arritmias são comuns nesses casos.

Quando há rebaixamento importante do nível de consciência, considerar intubação orotraqueal para preservar vias aéreas e evitar broncoaspiração e demais complicações. Ressuscitação volêmica, antiarrítmicos e vasopressores podem ser necessários a depender do quadro clínico.

Diagnóstico do agente causal e tratamento específico

Questionar sobre medicamentos de uso contínuo utilizados pela criança e por familiares, incluindo benzodiazepínicos, opioides, vitaminas, xaropes e analgésicos/anti-inflamatórios, além de uso de cosméticos e produtos de limpeza aos quais a criança teria acesso podem sugerir a origem da intoxicação e indicar o tratamento adequado. A descrição das circunstâncias nas quais a criança foi encontrada (local, contexto) também pode fornecer pistas. A determinação do agente causal é importante porque pode indicar uma terapia específica (Tabela 1).

Alguns exames complementares também podem auxiliar na identificação da etiologia, por isso sugere-se a coleta dos seguintes: função renal, função hepática, eletrólitos, gasometria, glicose e EAS. A osmolaridade sérica deve ser calculada com os valores de sódio, glicose e ureia coletados simultaneamente.

As duas causas mais frequentes de alteração do nível de consciência no contexto de intoxicação exógena são hipoxemia e hipoglicemia, por isso, oximetria e pulso e glicemia capilar devem ser avaliadas o mais breve possível.

  • Hipoxemia: ofertar oxigênio e avaliar necessidade de intubação. O oxímetro de pulso pode não ter uma leitura acurada nos casos de intoxicação por monóxido de carbono (falsamente normal) e nos pacientes com metahemoglobinemia (falsamente baixo).
    • Metahemoglobinemia: suspeitar na presença de cianose central associada a baixa SatO2 no oxímetro de pulso, mas com PaO2 alta e SatO2 normal em gasometria arterial. Nesses casos, o sangue coletado pode apresentar uma coloração marrom semelhante a chocolate que não se altera para vermelho.
  • Hipoglicemia: administrar dose de soro glicosado 10% (2,5 mL/kg) por acesso venoso ou intraósseo (o extravasamento de soluções mais concentradas de glicose pode levar a dano tissular).

Assim que o paciente for estabilizado, o objetivo é tentar reduzir a absorção da substância causadora da intoxicação. Nesse contexto, está contraindicado que se provoque êmese. A lavagem gástrica, por sua vez, não faz parte dos protocolos mais recentes pela ausência de evidências demonstrando seu benefício. Em crianças, a técnica de escolha na maioria das vezes é administração oral de carvão ativado, embora essa abordagem não esteja indicada rotineiramente. O benefício se dá, especialmente, na primeira hora após a ingestão, já que seu efeito ocorre majoritariamente no estômago. Dose: 0,5-1g/kg (máximo: 50 g).

Quando não é possível determinar o agente causador da intoxicação, a identificação da síndrome toxicológica relacionada pode direcionar para a terapêutica mais apropriada.

Tabela 1: Tratamentos específicos para intoxicações comuns.

Intoxicação Antídoto/Antagonista Dose
Paracetamol N-acetilcisteína Ataque: 140 mg/kg (VO) + 70 mg/kg de 4/4h (17 doses – dose total: 1330 mg/kg)
Organofosforado/Carbamato Atropina 0,02 mg/kg (IV) em bolus (dose mínima de 0,01 mg e máxima de 0,5 mg para crianças).

Repetir até se obter o efeito desejado.

Ferro Deferoxamina 5-15 mg/kg/h (IV).

Repetir até se obter o efeito desejado.

Metahemoglobinemia Azul de metileno 1% 1-2 mg/kg (IV) lento.

Repetir até se obter o efeito desejado.

Salicilatos e tricíclicos Bicarbonato de sódio 150 mEq + 40 mEq de KCl em 1 litro de SG5% em infusão contínua para manter débito urinário de 1-2 mL/kg/h e pH urinário de 7,5
Opioides Naloxone 0,4-2 mg (IV).

Repetir até se obter o efeito desejado

Benzodiazepínicos Flumazenil* 0,01 mg/kg (IV) lento (máximo: 0,2 mg). A seguir, administrar doses de 0,005-0,01 mg/kg (máximo de 4 vezes com intervalos de, pelo menos, 1 minuto, até se obter o efeito desejado.

Nota: *Indicado nos casos de intoxicação confirmada por benzodiazepínicos nos quais há alteração do nível de consciência ou ataxia, desde que o paciente não faça uso da medicação anticonvulsiva (pode reduzir o limiar convulsivo). | Fonte: Smilkstein et al. (1988)

Saiba mais: Dermatite atópica tem relação com uso de emolientes no primeiro ano de vida?

Síndromes excitatórias

  • Simpaticomiméticos (descongestionantes, como a pseudoefedrina);
  • Anticolinérgicos (alguns anti-histamínicos, como a hidroxizina, além de escopolamina, atropina e antiespasmódicos).

Aqui, a apresentação clínica típica é composta por midríase e taquicardia. Agitação e hipertensão ocorrem com simpaticomiméticos enquanto a intoxicação por anticolinérgicos cursa geralmente com rebaixamento do nível de consciência e hipotensão (Tabela 2).

Tabela 2, parte 1: Manifestações clínicas relacionadas às intoxicações agudas mais comuns.

Sinais e Sintomas

Olhos

Pressão arterial e pulso

Miose Midríase Hipotensão e

bradicardia

Hipertensão e taquicardia

Substâncias

Opioides Atropina Opioides Hormônio tireoideano
Benzodiazepínicos Pseudoefedrina Benzodiazepínicos Pseudoefedrina
Clonidina Escopolamina Clonidina Anti-histamínicos
Antipsicóticos Anti-histamínicos Bloqueadores do canal de cálcio Antiparkinsonianos
Fisostigmina Antiparkinsonianos Beta-bloqueadores Clozapina
Fenitoína Relaxantes musculares Metildopa Metilfenidato
Organodosforados Atropina Digoxina Organodosforados
Oximetazolina Metilfenidato Antiarrítmicos Carbamatos

Tabela 2, parte 2:

Sinais e Sintomas

Respiração

Nível de consciência

Taquipneia Bradipneia Agitação Sonolência

Substâncias

Antiespasmódicos Antidepressivos Atropina Opioides
Paracetamol Benzodiazepínicos Tricíclicos* Benzodiazepínicos
Escopolamina Anticonvulsivantes Escopolamina Anticonvulsivantes
Ferro Antipsicóticos Anti-histamínicos Anti-histamínicos
Antiparkinsonianos Fisostigmina Antiparkinsonianos Betabloqueadores
Salicilatos Relaxantes musculares Salicilatos Salicilatos
Atropina Organodosforados Atropina Organodosforados
Etilenoglicol Carbamatos Fenilpropanolamina ISRS**

* Antidepressivos tricíclicos.
** ISRS: Inibidor seletivo da recaptação de serotonina

Leia ainda: Atualização sobre infecção congênita por citomegalovírus 

Síndromes depressoras

  • Opioides (codeína, tramadol, morfina);
  • Sedativos-hipnóticos (benzodiazepínicos, como o clonazepam, alprazolam e loraze-pam);
  • Colinérgicos (inseticidas – organofosforados e carbamatos).

Nesses casos, o paciente comumente apresenta miose e rebaixamento do nível de consciência, além de bradicardia e hipotensão, com exceção dos agentes colinérgicos, que podem cursar com hipertensão e taquicardia. Uma manifestação neurológica relacionada à intoxicação por benzodiazepínicos é a ataxia (Tabela 2).

No Brasil, existem diversos centros de intoxicação com especialistas da área que disponibilizam uma linha telefônica para auxiliar no manejo de intoxicações exógenas e que, muitas vezes, fazem o acompanhamento desses pacientes:

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Gummim DD, et al. 2019 Annual Report of the American Association of Poison Control Centers' National Poison Data System (NPDS): 37th Annual Report (2019). Clin Toxicol (Phila). 2020 Dec;58(12):1360-1541. doi: 10.1080/15563650.2020.1834219.
  • Finkelstein Y, et al. Toxico-Surveillance of Infant and Toddler Poisonings in the United States. J Med Toxicol. 2012 Sep; 8(3): 263–266. Published online 2012 Apr 20. doi: 10.1007/s13181-012-0227-1
  • Dart RC, et al. Combined evidence-based literature analysis and consensus guidelines for stocking of emergency antido-tes in the United States. Ann Emerg Med. 2000 Aug;36(2):126-132. doi: 10.1067/mem.2000.108182.
  • Bryant S, Singer J. Management of toxic exposure in children. Emerg Med Clin North Am. 2003 Feb;21(1):101-19. doi: 10.1016/s0733-8627(02)00083-4.