ACSCC 2020: Como abordar dificuldades técnicas durante colecistectomias videolaparoscópicas? - PEBMED

ACSCC 2020: Como abordar dificuldades técnicas durante colecistectomias videolaparoscópicas?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

O assunto de como abordar dificuldades técnicas durante colecistectomias videolaparoscópicas, continua a ser um tema relevante no American College of Surgeons Clinical Congress (ACSCC 2020). A mesa “PS413-How To Do a Difficult Gallbladder” realizou uma abordagem bastante interessante sobre o assunto.

A nova tecnologia de verde de indocianina parece ajudar no melhor entendimento da anatomia e melhor julgamento, visto que 97% das lesões das vias biliares são por erro de interpretação da anatomia pelo cirurgião, Prof Raul J. Rosenthal abordou este assunto.

cirurgiã preparada para colecistectomias videolaparoscópicas

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Colecistectomias videolaparoscópicas

Sobre a colecistectomia aberta,  Bruce D. Schirmer deu dicas de como abordar uma provável conversão cirúrgica, visto que a grande maioria dos pacientes são inicialmente tratados por vídeo. A mais importante dica da aula: uma vez com dificuldade técnica de acesso a vesícula biliar, a dissecção deve começar superiormente e de lateral para medial afim de evitar lesão de colón ou duodeno. Além disto, em caso de lesões de vias biliares a mesma não deve ser reparada naquele momento.

Abordado parcialmente por Dr. Schimer, porém detalhado pela Profa. Kimberly S. Kirkwood, a colecistectomia parcial é uma opção viável e deve ser realizada em casos de grande dificuldade técnica, uma vez que o maior objetivo da cirurgia é a retirada dos cálculos. Uma vez feito isto, o processo inflamatório irá resolver.

O fechamento do coto infundibular não é mandatório, porém a drenagem deve ser ampla. A Dra Kirkwood apresenta a sua forma de drenagem onde coloca um dreno dentro do infundíbulo de vesícula e outro sentinela. Caso haja drenagem de conteúdo bilioso seus pacientes são encaminhados para CPER e realização de papilotomia.

Para levar para casa

Além da necessidade do “Critical View of Surgery” tão proclamado ultimamente, é fundamental saber que nem sempre teremos este tipo de visualização afim de completar a cirurgia, e uma colecistectomia parcial pode ser a melhor alternativa.

Como falado na aula do Prof. Rosenthal, as novas tecnologias, como o verde de indocianina, são uma evolução, sem necessariamente causar uma revolução do aparato cirúrgico.

Acompanhe o congresso com a gente! Veja também:

Autor:

Referência bibliográfica:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar