Cirurgia

ACSCC 2020: Controvérsias atuais sobre diagnóstico e tratamento da apendicite

Tempo de leitura: 3 min.

Um dos temas abordados no American College of Surgeons Clinical Congress (ACSCC 2020), no início dessa semana, trouxe ao debate um assunto que aflora o questionamento no tratamento padrão para apendicite: seria a apendicite realmente uma doença cirúrgica? Tratamentos apenas a base de antibióticos podem trazer uma solução confiável? Há a obrigatoriedade de exposição à radiação para diagnóstico? Em um painel extremamente interessante, os moderadores e palestrantes trouxeram os prós e contras a essas intervenções alternativas.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Antibióticos ou intervenção cirúrgica em casos não complicados?

Em sua apresentação, a Dra. Sonlee West, após fazer uma revisão histórica da doença, ilustrou diferentes estudos randomizados comparativos entre grupos de tratamento com intervenção cirúrgica e grupos de tratamento apenas com antibióticos para apendicite aguda não complicada.

Os dados demonstraram que apesar de vantagens, como ser menos invasivo e facilitar o retorno do paciente ao seu cotidiano de maneira mais rápida, o tratamento apenas com antibióticos apresentou índices de recorrência ligeiramente elevados, variando de 12,5% a 37% nos primeiros 12 meses. Quando cumulativos em cinco anos, essa taxa pode chegar a 40%.

Apesar de a maioria dos pacientes com apendicite não complicada terem apresentado quadro de melhora somente com antibióticos, esses testes foram feitos apenas em grupos de controle e, como a própria professora salienta, o tratamento padrão ainda continua sendo a apendicectomia.

E no caso de ruptura da apendicite, o que fazer após a drenagem do abscesso?

Na sequência, o Dr. Mario A. Cerame discutiu sobre a utilização de apendicectomia de intervalo no caso de presença de abscessos no apêndice e sobre a necessidade de medicina baseada em evidências para prever casos de recorrência após tratamento bem-sucedidos ou através de imagem para aqueles casos que ainda se encontram em estágio inicial.

Outro ponto que fez parte da discussão foi o fato de que a malignidade deve ser descartada ao decidir por conduta conservadora. Para isso, a idade foi fator fundamental. Em pacientes acima de 45 anos, deve ser aventada a hipótese de câncer em uma apendicite. Portanto, a clínica, anamnese e exames devem ser individualizados na hora da decisão.

Ultrassom como alternativa para diagnóstico é viável?

O debate relativo a superexposição a radiação por exames como a tomografia computadorizada ou ressonância magnética, principalmente em crianças, como ferramentas de diagnóstico primário para apendicite foi o principal ponto levantado pela Dra. Norma T. Walks.

Em sua apresentação, a professora ponderou que o manuseio do ultrassom é relativamente fácil e, com o devido treinamento, pode ser direcionado para o diagnóstico de apendicite sem muita dificuldade. Outro ponto foi em relação a facilidade de acesso à ferramenta, uma vez que, mesmo em hospitais em regiões rurais ou com pouco recurso, o equipamento pode ser encontrado. Por último, a utilização do ultrassom abre espaço para que o próprio cirurgião possa realizar o exame a beira leito, o que reduziria custos e agilizaria o diagnóstico.

Conclusão

O debate em cima de alternativas à intervenção cirúrgica trouxe pontos interessantes, mostrando que, nos casos não complicados, a possibilidade de tratamento apenas com antibióticos pode ser factível. Entretanto, o cirurgião deverá informar ao paciente que a possibilidade de complicação futura pode chegar a 40% em até cinco anos.

A utilização de ressonância também se mostra como mais uma alternativa, porém, em casos mais complicados, torna-se secundário.

Veja mais do congresso:

Autora:

Referência bibliográfica:

Compartilhar
Publicado por
Giovanna Areco

Posts recentes

PEBMED e HA: medicina personalizada na prática: biobanco e oncologia translacional [podcast]

No episódio de hoje, Marcelo Gobbo comenta sobre o estudo que envolve a medicina personalizada:…

14 horas atrás

Práticas que melhoram desfecho neurológico perioperatório

Veremos as 5 complicações neurológicas mais comuns no perioperatório, fatores de risco associados e as…

15 horas atrás

Nervo vago: terapia de estimulação como aliado contra crises epilépticas

A CONITEC recomendou em relatório a incorporação no SUS do gerador de pulso para nervo…

16 horas atrás

Leronlimabe: Anvisa autoriza novo estudo com anticorpo monoclonal para Covid-19

A Anvisa aprovou o início de mais um ensaio clínico avaliando tratamento para Covid-19. Desta…

17 horas atrás

Café está ou não associado ao aumento do risco de arritmias?

Um novo estudo publicado no JAMA, avaliou a associação da ingestão de café com o…

18 horas atrás

Comparação entre IECA e BRA no tratamento da hipertensão

Um estudo de base de dados decidiu comparar a segurança e os efeitos adversos das…

20 horas atrás