Leia mais:
Leia mais:
O que causou minha apendicite, doutor?
Como tratar apendicite em crianças com neutropenia febril?
Apendicite: aguda, crônica e recorrente
Hiponatremia: um preditor para apendicite perfurada em pediatria
Colecistite: Quando devo realizar colecistectomia após drenagem da vesícula biliar?

ACSCC 2021: Controvérsias no tratamento do abdômen agudo

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Todo o cirurgião geral deve estar familiarizado  com as urgências abdominais, visto que isto faz parte do dia a dia do cirurgião, mesmo que não seja plantonista. Apesar de diversas condutas aceitas, sempre há alguma discussão de qual a melhor abordagem para uma determinada situação. 

Na aula sobre a cirurgia de controle de dano no American College of Surgeons Clinical Congress 2021 (ACSCC 2021), o professor Carlos Brown, prefere nomear este tipo de cirurgia com o laparotomia em estágios, especialmente nos casos não traumáticos. O fato de deixar o abdome aberto também está relacionado a complicações do métodos, e portanto sempre fechar o abdome nos casos que são possíveis. Nos casos que ficam abertos por mais de sete dias possivelmente serão necessárias diversas visitas ao centro cirurgico para a aproximação da parede, com a preferencia pelo método de Wittmann Patch ® (Nota: sistema de fechamento de parede com auxilio de velcron).

ACSCC

Discussões

A colecistite aguda, continua sendo uma controversa, especialmente no argumento de esfriar o processo. Caso o paciente esteja apto a receber uma anestesia geral a colecistectomia é a primeira opção, visto que não apresenta maior taxa de lesão de via biliar quando comparada com a cirurgia adiada. Porém se o paciente não estiver apto para o procedimento cirúrgico a drenagem percutânea é a opção. Nos caso que não sejam possíveis o implante de drenos, um número significativo de pacientes irão se beneficiar, do antibiótico isolado. Nos casos em que a cirurgia está desafiadora tecnicamente, a fenestração da vesícula pode ser uma opção viável. 

A discussão da hérnia diafragmática estrangulada que chegou à emergência às 2h da madrugada, também levantou pontos importantes visto que são casos de difícil manejo. Alguns trabalhos já mostraram que o desfecho da cirurgia de urgência da hérnia diafragmática de emergência é pior que quando operada eletivamente. Uma das primeiras manobras a ser realizada nestes pacientes é a passagem de um cateter naso-gástrico que pode ser difícil devido a volvo gástrico, porém pode ser auxiliado com a endoscopia, a qual também pode avaliar a viabilidade gástrica nos casos que se opte por um tratamento não operatório. Quando indicada a cirurgia a mesma deve ser realizada o mais breve possível, e de preferência por laparoscopia, no entanto o cirurgião deve estar preparado para abrir o abdome e/ou o tórax. A cirurgia de urgência possui os mesmos passos que a cirurgia eletiva, no entanto o objetivo primário é o alívio da isquemia, o que pode influenciar a sua decisão de não executar o reparo completo do defeito, visto que pode prolongar em muito o tempo operatório em um pacientes que pode estar debilitado. 

E a controvérsia sobre a abordagem não operatória da apendicite continua em voga. Será que o tratamento não operatório é suficiente?

A apendicite aguda possui uma vasta gama de apresentações nas diferentes idades. O tratamento operatório já provou a sua eficácia, mas porque discutir um tratamento não operatório? Alguns pacientes não imunodeprimidos, especialmente aqueles que não desejam ser operados, podem ter a opção de realizar o tratamento com antibiótico isolado. O retorno ao trabalho é mais precoce no grupo de antibiótico, no entanto 9% dos pacientes tratados com antibiótico retornam a emergência em três meses enquanto nos submetidos a cirurgia a taxa é de 4% nos três meses após a cirurgia.

Estamos acompanhando o ACSCC 2021. Fique de olho no Portal PEBMED!

Veja mais do ACSCC 2021:

Autor:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.