ACSCC 2021: Os mais importantes ensaios clínicos em cirurgia

Foram selecionados no ACSCC 2021 ensaios clínicos em diferentes áreas da cirurgia que apresentem algum resultado significativo e relevante.

A comissão científica do American College of Surgeons (ACS) Clinical Congress (ACSCC 2021), pelo quinto ano consecutivo, abre espaço para ensaios clínicos randomizados que apresentem algum resultado significativo e relevante, seja apresentado no congresso. Assim, foram selecionados seis ensaios em diferentes áreas da cirurgia e apresentados nesta mesa. A seguir foram selecionados alguns tópicos desta sessão.

cirurgia

Cisto pilonidal

O primeiro estudo foi resultado de um trabalho holandês que comparou o tratamento do cisto pilonidal, entre a cirurgia radical, considerado o tratamento com melhores resultados a longo prazo, com a fenolização do sinus. Já conhecido que a fenolização apresenta melhores resultados a curto prazo, porém a longo prazo ainda existiam dados imprecisos e portanto foi o objetivo do estudo. O tempo de observação foi de pelo menos dois anos após o procedimento, com objetivo de detectar recorrência e qualidade de vida. Não houve diferença na taxa de recorrência nem na qualidade de vida entre os grupos no longo prazo. Por apresentarem resultados semelhantes, os autores sugerem que o tratamento com fenolização deve ser a primeira opção de tratamento, por ser menos mórbida e o paciente tolerar melhor.

Íleo pós-operatório

O íleo pós-operatório corresponde a uma morbidade que significativamente aumenta o tempo de internação, podendo desencadear situação de ameaça à vida como broncoaspiração. Não há um exame de imagem que possa predizer se um paciente irá desenvolver algum grau de gastroparesia. O estudo da Universidade de Filadélfia avaliou se o uso de ultrassonografia na beira do leito pode auxiliar este manejo em pacientes submetidos a cirurgia colorretal.

O uso do POCUS, já é validado para avaliação gástrica, e os pacientes eram submetidos  ao exame imediatamente após a intubação e no D1 pós-operatório. Os pacientes poderiam ser enquadrados em estômago cheio ou vazio de acordo com o resultado do exame no D1. Apenas o médico que realizou o exame possuía acesso ao resultado desta ultrassonografia, e portanto a condução de todos os envolvidos, seguiu o protocolo ERAS normalmente. Ao analisar o resultado, aqueles que foram classificados com estômago cheio, apresentaram maior tempo para recuperar as funções intestinais  e uma tendência a maior internação hospitalar. Ainda é um estudo preliminar, mas pode representar um complemento ao exame físico em pacientes no pós-operatório.

Cateterismo

O uso de cateter vesical durante a correção de hérnia inguinal por vídeo é opcional e fica a critério do cirurgião.  Alguns estudos sugeriram que o cateterismo pode diminuir a taxa de retenção urinária. O estudo multicêntrico, randomizou pacientes submetidos a correção laparoscópica de hérnia entre com cateterismo e sem cateterismo. Antes do procedimento todos os pacientes eram orientados a urinar para o esvaziamento completo da bexiga. Não houve diferença no quesito retenção urinária entre os grupos, no entanto ocorreram algumas lesões relacionadas ao cateterismo. Os autores concluíram que não se deve utilizar o cateter vesical de rotina em pacientes submetidos a correção cirúrgica de hérnia inguinal por vídeo, desde que eles esvaziam a bexiga antes do procedimento.

Hérnias ventrais

As hérnias ventrais são extremamente comuns assim como as cirurgias para correção das mesmas. Quanto maiores são as hérnias e a complexidade envolvida na sua correção, maiores são as discussões de qual a melhor abordagem de tratamento. Uma das questões que ainda não se tem uma resposta conclusiva é qual seria a melhor tela para ser utilizada. O trabalho selecionado avaliou o uso de telas sintéticas  e telas biológicas em pacientes submetidos a reconstruções complexas da parede abdominal. Importante salientar que em 243 envolvidos no estudo, ocorreram 7 (2,9%) de óbitos em até 30 dias da cirurgia, o que reflete a complexidade desta patologia. Os autores, demonstraram que a tela biológica apresentou resultados promissores comparadas as telas sintéticas, no entanto a observação ainda é preliminar sem um resultado conclusivo.

Para levar para casa

Questões bastante práticas foram abordadas nesta sala, como o tratamento do cisto pilonidal e até o cateterismo para hérnia inguinal. No entanto, se mostrou bastante promissor o uso do POCUS no manejo de pacientes em pós-operatório imediato.

Veja mais do ACSCC 2021:

Referências bibliográficas:

  • Pronk AA, Smakman N, Furnee EJB. Short-term outcomes of radical excision vs. phenolisation of the sinus tract in primary sacrococcygeal pilonidal sinus disease: a randomized-controlled trial. Tech Coloproctol. 2019 Jul;23(7):665-673. doi: 10.1007/s10151-019-02030-w. Epub 2019 Jul 5. PMID: 31278458.
  • Wilson S, et al. Implementation of a Frailty Assessment and Targeted Care Interventions and Its Association with Reduced Postoperative Complications in Elderly Surgical Patients. J Am Coll Surg. 2021 Aug 23:S1072-7515(21)01925-6. doi: 10.1016/j.jamcollsurg.2021.08.677. Epub ahead of print. PMID: 34438081.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.

Especialidades