ACSCC 2022: Quando indicar cirurgia para tratamento de diverticulite?

Mesa-redonda do congresso discute melhores abordagens para cirurgias de tratamento da diverticulite aguda.

O congresso de cirurgia da ACS 2022, que acontece em San Diego, Califórnia, começa sempre trazendo discussões práticas de temas recorrentes. Um tema controverso abordado no primeiro dia do evento foi o tratamento cirúrgico da diverticulite. 

Uma mesa redonda para aprofundar sobre o assunto de forma prática intitulada “Diverticulite 2022, o que é novo, o que é antigo e o que precisamos saber?” tratou das possíveis abordagens.  

Quando o caso é cirúrgico 

A diverticulite é, na maioria das vezes, de tratamento clínico. Porém, o procedimento operatório é necessário quando a condição se complica. A professora Elisabeth McLemore discutiu exatamente a linha entre operar e aguardar. Fez uma excelente analogia com o espectro de luz: de igual modo, a mesma doença pode ter uma grande variedade de apresentações clínicas. De um lado teríamos um caso claramente cirúrgico e de urgência e, no outro, apresentações leves que não requerem tratamento específico.  

Para orientar um pouco sobre quando decidir por cirurgia, a mesa levantou as complicações e recorrências após sigmodeictomias realizadas de forma eletiva. A taxa de recorrência após abscesso pericólico pode ser maior quando a doença inicial foi mais agressiva. Pode variar de 10% a 74% e, portanto, os casos devem ser extremamente individualizados. A decisão de indicar uma sigmoidectomia após um episódio de diverticulite aguda complicada deve ser dividida com os próprios pacientes. 

Diverticulite no lado direito 

Estamos acostumados a tratar diverticulite do cólon sigmóide, mas e quando é no lado direito? O professor Mohammad Ali Abbas explicou o que devemos fazer nestes casos. No Ocidente, a frequência de diverticulite do lado direito gira em torno de 5%. Já no Oriente, pode chegar a 20%. No entanto, não há grandes estudos sobre o tema. Mesmo assim, os que estudam esses casos demonstraram que o tratamento de diverticulite do lado direito pode ser realizado de forma idêntica ao lado esquerdo. O tratamento não operatório é o mais indicado, visto que a taxa de recorrência é baixa.  

Qual procedimento escolher? 

Uma vez que decidimos que o paciente deve ser operado, começa o segundo dilema, de qual procedimento deve ser realizado, visto que as opções são múltiplas: estomas, anastomoses, apenas lavar. Durante a aula de Marco Tomassi, o especialista defendeu a cirurgia de lavagem e drenagem. No entanto, alguns estudos sobre o tema foram interrompidos devido à alta taxa de complicação desse método, sendo preferida a ressecção laparoscópica, sua atual técnica preferida. 

Quanto à anastomose primária ou procedimento de Hartmann, não há diferença de complicações na primeira cirurgia. O uso de anastomose associada a ileostomia de proteção apresenta uma excelente relação risco-benefício e taxa de reconstrução de trânsito, visto que nos Estados Unidos a taxa de reversão do Hartmann é baixa.  

Além disso, a forma de operar o paciente também é motivo de controvérsia. Temos as cirurgias aberta, laparoscópica e robótica. Praticamente foi unânime que a cirurgia aberta não tem mais espaço para ser aplicada de forma inicial. Durante a mesa, a Dra. Rahila Essani ainda enfatizou que o tempo de internação é maior.  

Mensagem prática 

O uso de cirurgia minimamente invasiva é a melhor opção nesses casos. No entanto, a taxa de conversão para laparotomia pode ser alta, especialmente em pacientes com IMC elevado. O uso da cirurgia robótica também pode ser utilizado, porém raramente disponível para a realização de emergência, além dos custos serem altos e ser necessário treinamento específico. Mesmo com fístula colovesical, o procedimento continua sendo exequível de forma minimamente invasiva. Após rafiar a bexiga, faz-se teste com azul de metileno e se retira a sonda ao término da cirurgia. A alta hospitalar pode ser realizada a paritr de seis horas após o procedimento, mesmo com anastomose primária. 

 Estar atualizado é fundamental no tratamento de diverticulites, uma vez que tratamentos tidos como aceitos hoje podem se tornar impeditivos, como nos casos de lavagens laparoscópicas. 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Hall J, Hardiman K, Lee S, et al. The American Society of Colon and Rectal Surgeons Clinical Practice Guidelines for the Treatment of Left-Sided Colonic Diverticulitis. Dis Colon Rectum. 2020;63(6):728-747. doi:10.1097/DCR.0000000000001679 

Especialidades