Endocrinologia

ADA 2021: teste HbA1c point-of-care pode ser utilizado para diagnóstico de diabetes?

Tempo de leitura: 3 min.

No congresso da American Diabetes Association (ADA 2021), o maior do mundo em diabetes, uma apresentação conjunta da ADA e American Association for Clinical Chemistry (AACC) discutiu se a dosagem da hemoglobina glicada (HbA1c) point-of-care (POC; ou no ponto de atendimento) deveria ou não ser usada para o diagnóstico do diabetes.

Um teste no ponto de atendimento é todo teste diagnóstico realizado no momento e local em que o paciente está sendo atendido. Esses testes costumam ser rápidos e simples, e geralmente são realizados através de dispositivos portáteis.

HbA1c no ponto de atendimento

Dispositivos de point-of-care (POC) HbA1c

Organizações clínicas ao redor do mundo recomendam a dosagem da HbA1c, realizada em laboratório, tanto para monitorar o controle glicêmico em pacientes com diagnóstico de diabetes, como para o diagnóstico de diabetes e pré-diabetes.

Antes de entrar na discussão de prós e contras, a Dra. Randie Little, coordenadora do Programa Nacional de Padronização de Glico-hemoglobina (NGSP), fez alguns esclarecimentos técnicos.

Os métodos disponíveis para a dosagem de HbA1c no ponto de atendimento são: afinidade por borato, imunoensaio e enzimático.

As recomendações da ADA de 2021 para avaliação de HbA1c no ponto de atendimento incluem:

  1. Monitoramento: pode providenciar mudanças de tratamento oportunas durante os encontros entre pacientes e provedores.
  2. Diagnóstico: apenas os ensaios aprovados pela FDA para uso no diagnóstico de diabetes deveriam ser usados para essa proposta, e apenas no ambiente clínico para o qual eles foram aprovados.

A questão é que as pesquisas que originaram as recomendações contaram com avaliação da performance dos métodos de dosagem sob condições controladas com operadores treinados, porém infelizmente existem pouquíssimos dados de proeficiência para a maioria dos testes.

Em seguida o Dr Jay Schubrook expôs os prós, enquanto o Dr David Sacks posicionou-se contra a realização de testes de HbA1c no ponto de atendimento para o diagnóstico de diabetes.

As vantagens apresentadas pelo pesquisador se resumiriam a:

  • Oportunidade para educação sobre a doença.
  • Gratificação imediata: sem necessidade de ir a laboratórios; evita atraso entre o resultado do laboratório e o momento da consulta; evita a necessidade de visita de retorno apenas para resultado de exames. O pesquisador lembra que uma chamada telefônica pode não ser adequada para comunicar um novo diagnóstico de diabetes mellitus.
  • O custo do teste é mais alto do que a dosagem laboratorial, mas quando se evita uma nova visita para avaliação do resultado do exame, o atendimento torna-se mais barato.
  • Qualquer pessoa pode fazer, em variados locais como consultório médico ou de dentista, em farmácias ou atendimentos de enfermagem.

Porém:

  • Não são realizadas avaliações de performance dos testes;
  • 50% dos aplicadores não seguem as instruções do fabricante;
  • Os locais de aplicação dos testes não sofrem inspeções regulares, diferente dos laboratórios, que são vistoriados a cada dois anos nos EUA;
  • Não há estudos publicados corroborando a performance do teste para o diagnóstico de diabetes.

Muitos aparelhos não fornecem acurácia e precisão, o que tem sido documentado em múltiplos estudos. Da mesma forma, tem sido demonstrada diferença significativa entre os resultados dos exames no ponto de atendimento com relação às dosagens laboratoriais.

E ainda:

Instrumentos usados em laboratório são capazes de identificar variantes da hemoglobina, ao contrário dos dispositivos usados para testes no ponto de atendimento. Ainda assim alguns dispositivos são aprovados pela FDA. A maioria dos médicos acredita que se o teste é aprovado pela FDA ele é acurado. Resultados errôneos com esses dispositivos serão assumidos como acurados pelos pacientes, enfermeiros e médicos.

Conclusões

O Dr David concluiu sua apresentação afirmando que testes de HbA1c no ponto de atendimento não devem ser usados para o diagnóstico de diabetes.

Mais do congresso:

Autora:

Compartilhar
Publicado por
Daniele Zaninelli

Posts recentes

Relembrando o que é o hipoparatireoidismo

O hipoparatireoidismo é uma condição relativamente rara, causada na maioria das vezes pelo dano cirúrgico…

2 horas atrás

Pandemia impactou no aumento de peso e controle da glicemia dos portadores de diabetes tipo 2

A pandemia de Covid-19 teve um impacto bastante negativo no aumento de peso e controle…

3 horas atrás

Anemia Falciforme: você pode ser um portador deste traço

A anemia falciforme atinge um grande número de brasileiros, dessa forma, os diretos do portador…

4 horas atrás

Escabiose: orientações para o sucesso do tratamento

É importante o paciente com escabiose seguir algumas orientações para tratar a dermatose. Saiba quais…

19 horas atrás

Outubro rosa: Câncer de vulva: update 2021

As neoplasias de vulva respondem apenas por 4% das neoplasias ginecológicas. Saiba mais.

19 horas atrás

Palpação convencional x ultrassom para procedimentos neuroaxiais

Procedimentos neuroaxiais, como punção lombar diagnóstica, são realizados através da palpação de pontos de referência…

20 horas atrás