ADA 2021: SURPASS-2 – comparando a tirzepatida com a semaglutida e mais

O programa SURPASS foi a cereja do bolo do congresso da ADA 2021, com resultados animadores para a tirzepatida. Confira!

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Este ano, o congresso da American Diabetes Association (ADA 2021) teve diversas revisões interessantes e apresentação de alguns estudos que serão comentados por um longo período de tempo. Na noite do sábado (26), nos deparamos com a apresentação dos resultados do AMPLITUDE-M (epfeglenatida) e também do SURPASS-1, estudo que avaliou a tirzepatida em comparação ao placebo e impacto no controle do diabetes tipo 2 (DM2), com resultados realmente impressionantes. Falamos desses artigos em outras publicações, não deixe de conferir!

Contudo, a cereja do bolo foi deixada para os últimos dias do congresso com os dois trials provavelmente de maior impacto apresentados e que inclusive tiveram publicação simultânea ao congresso no New England Journal of Medicine (NEJM). Falaremos sobre os dois aqui, começando pelo programa SURPASS, com destaque para o SURPASS-2.

Tirzepatida

A tirzepatida (TZP) é um novo antidiabético de ação dual por atuar como agonista dos receptores de GLP-1 (glucagon-like peptide) e GIP (glucose-dependent insulinotropic polypeptide). Sua base molecular é composta por uma estrutura semelhante ao GIP, porém modificada para ter afinidade também pelo receptor do GLP-1, onde atua como agonista.

O Dr. Daniel Drucker (University of Toronto) trouxe uma introdução ao tema ao abordar as ideias por trás da TZP. O primeiro ponto é que ao se desenhar uma nova medicação para tratamento do DM2 é preciso preservar a melhor característica dos aGLP-1: a redução em eventos cardiovasculares (MACEs).

Reprodução: Kristensen SL, et al. Lancet diab and endocr 2019 doi: 10.1016/S2213-8587(19)30249-9

A ideia em se utilizar um agonista dual é manter os ganhos trazidos pelos aGLP-1 e adicionar um parceiro que possa contribuir ainda mais no controle do DM2 e do peso. Diversos estudos pré-clínicos vinham (e vêm) sendo realizados nesse sentido, e uma molécula se destacou: o GIP.

Sabemos que este possui uma ação incretínica nas células beta pancreáticas porém há evidências conflituosas e modestas sobre a ação do GIP de forma isolada no controle homeostático do apetite e portanto em perda de peso. Porém, estudos em roedores demonstraram que os duais atuam muito bem em conjunto, levando a perda de peso importante e melhora na resistência insulínica. O mecanismo desse sinergismo ainda não está claro.

Após esse início de bancada, estudos fase 2 foram elaborados, com boa resposta aos duais em humanos, inclusive havendo já nessa fase impacto em redução da hemoglobina glicada (HbA1c) em comparação à dulaglutida, outro agonista de GLP-1. O que nos traz ao momento atual: os resultados dos estudos de fase 3 da tirzepatida.

Calma, estamos chegando lá! Para os ansiosos pelos resultados (assim como eu), o Dr. Drucker trouxe já nesta introdução dados sobre o impacto na HbA1c e na perda de peso, que de fato são dados muito impressionantes, levando a reduções de glicada na ordem de até – 2,5% e atingindo perda de peso maior que 15% em até 40% dos pacientes.

SURPASS-2

O SURPASS-2 foi um estudo ousado, pois, nas gírias populares, “chamou pro fight” o que temos de melhor para o tratamento de pacientes com DM2, a semaglutida (que já se provou superior por exemplo à dulaglutida no controle glicêmico e em perda de peso) na maior dose aprovada atualmente para tratamento em DM2 (1 mg semanal).

Foi um RCT open label, controlado, multicêntrico e multinacional. Foram selecionados exclusivamente pacientes DM2, com HbA1c entre 7,0 e 10,5%, IMC maior que 25 kg/m², em uso de metformina 1.500 mg/d ou mais por dia ao menos por três meses. Foram excluídos pacientes com AP de pancreatite aguda, TFG < 45 mL/min/1.73 m².

Os pacientes foram divididos em quatro grupos: semaglutida 1 mg/semana; tirzepatida 5 mg/s, 10 e 15 mg/semana. As doses de tirzepatida foram aumentadas em 2,5 mg a cada quatro semanas, sendo que o grupo 15 mg atingiu tal dose apenas na 20ª semana do estudo. A semaglutida também foi titulada para 1 mg/semana ao longo de oito semanas. O seguimento foi por 40 semanas.

Como não tem bobo nesse mundo, o objetivo primário foi demonstrar a não inferioridade das doses de 10 e 15 mg à semaglutida 1 mg em médias de HbA1c após 40 semanas; os secundários (controlados para erro tipo 1) foram demonstrar a não inferioridade de 5 mg vs semaglutida em média de HbA1c, demonstrar superioridade de qualquer dose em redução de glicada, perda de peso e proporção de pacientes que atingem glicada < 7% e < 5,7%.

Os 1.879 participantes foram randomizados em proporção 1:1:1:1, sendo que entre 94,2 e 96% dos participantes completaram o estudo. Excelente. Vale destacar apenas que dentre os motivos para descontinuação do tratamento, houveram quatro mortes nos grupos 5 mg e 10 mg, três no grupo 15 mg e um no grupo semaglutida (p = 0.567). O apresentador destaca que metade dessas mortes foram devido a Covid-19 e a maioria das demais se tratavam de pacientes de altíssimo risco cardiovascular. Pulga atrás da orelha?

A média de idade dos participantes era de 56 anos, aproximadamente nove anos de duração de diabetes, glicada de 8,3% e IMC de 34 kg/m².

Resultados

Reprodução: Frias JP, et al. New England Journal of Medicine 2021. doi: 10.1056/NEJMoa2107519
Reprodução: Frias JP, et al. New England Journal of Medicine 2021. doi: 10.1056/NEJMoa2107519

Todos os grupos tiveram resultados impressionantes. Ao final de 40 semanas, o grupo semaglutida 1 mg/d teve uma redução na HbA1c de – 1,86%. Nos grupos 5, 10 e 15 mg de TZP, -2,09%, – 2,37% e -2,46%, respectivamente, todos com p <0,001 e detalhe, com a curva abrindo a favor da tirzepatida já na quarta semana de tratamento. Empolgante!

Além disso, uma proporção maior de pacientes atingiu glicadas menores que 7% e que 5,7% nos grupos tirzepatida vs. semaglutida, bem como melhores glicemias de jejum. Acompanhe nos gráficos do artigo original.

Houve uma redução de peso de -6,2 kg (6,7%) no grupo semaglutida e nos grupos 5, 10 e 15 mg, -7,8 kg (8,5%), -10,3 kg (11%) e – 12,4 kg (13,1%), respectivamente, também com diferença estatisticamente significativa. 36% perderam mais que 15% do peso no grupo TZP 15 mg.

Como esperado, houve um aumento nos eventos de náuseas, vômitos e diarreia, sobretudo nas doses de 10 e 15 mg/s, comparado aos outros grupos, com a maioria dos eventos no início do quadro e de grau leve/moderado. Importante: apenas um evento de hipoglicemia grave no grupo TZP 5 mg e nenhum evento nos demais.

Em resumo, a TZP parece ser superior à semaglutida 1 mg em qualquer dose, com efeito dose dependente tanto em termos de controle do DM2 como em perda de peso. Destaque para a proporção de pacientes que normalizam a glicada (< 5,7%): 29 a 51% (comparado a 20% do grupo semaglutida). Resta entender um pouco mais sobre o perfil de segurança cardiovascular (a previsão inicial da Lilly, empresa que detém os direitos da TZP, é que os resultados do CVOT saiam apenas em 2025…)

Outros estudos SURPASS

Ainda foram apresentados outros dois estudos, o SURPASS-3 e o 5, estes com menor destaque. Vamos aos highlights.

SURPASS-3

Um RCT, open label, que comparou a TZP (também nas doses de 5, 10 e 5 mg) vs. insulina degludeca como terapia add on à metformina +/- inibidor de SGLT-2 (apesar de que só 15% da população estudada utilizava esta classe). Os critérios de inclusão eram parecidos com os do SURPASS-2.

O objetivo primário era avaliar a redução da HbA1c em 52 semanas e os secundários eram avaliação de perda de peso, perfil de efeitos colaterais, percentual de pacientes que atingiam o controle da glicada e redução na glicemia de jejum

A degludeca era titulada para glicemia de jejum < 90 mg/dL. A dose média utilizada na semana 52 foi de 48.8U/dia (0,5 U/kg), uma dose alta e bem maior que nos estudos prévios que compararam um agonista de GLP-1 a uma insulina basal, como o SUSTAIN-4, AWARD-2 e LEAD-5.

Foram randomizados 1.444 pacientes, com retenção do estudo de cerca de 90%. Aqui, houve duas mortes no grupo TZP 10 mg e nenhum óbito em todos os outros grupos. Ufa.

A média de idade era de 57 anos, IMC 33 kg/m² e HbA1c de 8,2%, além de glicemia de jejum média de 170 mg/dL.

Resultado: tirzepatida foi superior a degludeca em todos os grupos em redução de glicada (degludeca: -1,34% vs. 5mg: -1,93%; 10mg: -2,2% e 15 mg: -2,37%, com p < 0,001 em todos os grupos) e como esperado, também em perda de peso e na proporção de pacientes atingindo glicada < 7% e < 5,7%.

Outro ponto interessante deste estudo é que a queda da glicemia de jejum foi parecida entre os grupos (aprox. 50 mg/dl), porém ao se avaliar o perfil de glicemia capilar (SMBG) de 7 pontos, houve um controle glicêmico melhor ao longo do dia, sobretudo em períodos pós-prandiais, como esperado pela fisiopatologia do DM2 e mecanismo de ação das drogas.

Houve aumento de reações adversas gastrointestinais, porém não houve aumento de hipoglicemias graves.

SURPASS-5

Comparou a tirzepatida vs. placebo como terapia add-on a pacientes já mal controlados, em uso de insulina glargina +/- metformina em pacientes DM2. O intuito era avaliar eficácia e segurança no uso de um dual em associação à insulina.

Resultado (bem óbvio já a essa altura): tirzepatida muito superior ao controle. Porém, o grande valor aqui talvez seja de fato demonstrar segurança nesta associação em relação a risco de hipoglicemias e demais eventos adversos, objetivo que foi cumprido (não houve diferença na proporção de hipoglicemias e episódios graves nos grupos TZP e placebo).

Agora, resta esperar o estudo de segurança cardiovascular e os estudos do programa SOURMONT (desenhado para avaliação da TZP na obesidade). Caso esta droga se prove segura, será (mais um) divisor de águas no tratamento do DM2 e da obesidade.

Respira fundo que em breve comentaremos o AMPLITUDE-O!

Mais do congresso:

Referências bibliográficas:

  • Frías JP, et al. Tirzepatide versus Semaglutide Once Weekly in Patients with Type 2 Diabetes. The New England Journal of Medicine. June 25, 2021. DOI: 10.1056/NEJMoa2107519
  • Kristensen SL, et al. Cardiovascular, mortality, and kidney outcomes with GLP-1 receptor agonists in patients with type 2 diabetes: a systematic review and meta-analysis of cardiovascular outcome trials. Lancet Diabetes Endocrinol. 2019 Oct;7(10):776-785. doi: 10.1016/S2213-8587(19)30249-9. Epub 2019 Aug 14. Erratum in: Lancet Diabetes Endocrinol. 2020 Mar;8(3):e2. PMID: 31422062.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão