Neurologia

Albumina sérica como biomarcador para o prognóstico da síndrome de Guillain-Barré

A síndrome de Guillain-Barré é uma doença de caráter autoimune que acomete primordialmente a mielina da porção proximal dos nervos periféricos de forma aguda ou subaguda. É a maior causa de paralisia flácida generalizada no mundo, com incidência anual de 1–4 casos por 100.000 habitantes.

A imunoglobulina intravenosa (IgIV) tem sido o tratamento de escolha na maioria dos países, apesar de seu mecanismo de ação pouco compreendido.

Existe uma necessidade de biomarcadores para monitorar a eficácia do tratamento e antecipar o resultado em pacientes com síndrome de Guillain-Barré. Neste contexto, Fokkink e colaboradores realizaram um estudo para avaliar se os níveis séricos de albumina podem servir como marcador prognóstico em pacientes com síndrome de Guillain-Barré tratados com IgIV.

As concentrações séricas de albumina foram determinadas antes e após o tratamento com IgIV (2 g/kg) e relacionadas com desfechos clínicos: fraqueza muscular, insuficiência respiratória e capacidade de deambulação.

Os níveis séricos de albumina foram determinados em 174 pacientes com a síndrome (idade média [DP]: 49,6 [20,1] anos, 99 homens [56,9%]). Antes do tratamento, a mediana do nível de albumina sérica foi de 4,2 g/dL (intervalo interquartil, 3,8-4,5 g/dL), com hipoalbuminemia (albumina, <3,5 g/dL) em 20 (12,8%) pacientes.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Duas semanas após o início do tratamento com IgIV, a mediana do nível de albumina sérica diminuiu para 3,7 g/dL (intervalo interquartil, 3,2-4,1 g/dL) (p<0,001) e o número de pacientes com hipoalbuminemia aumentou para 60 (34,5%) (p<0,001).

Hipoalbuminemia foi associada com uma maior chance de insuficiência respiratória antes (p=0,001) ou após (p<0,001) o tratamento com IgIV, incapacidade de deambulação (p<0,001) e fraqueza muscular grave na semana 4 (p<0,001) e em 6 meses (p<0,001).

Os autores concluíram que os pacientes com síndrome de Guillain-Barré podem desenvolver hipoalbuminemia após o tratamento com IgIV, que está relacionado com um curso clínico mais grave e piores desfechos. Estudos prospectivos devem verificar estes resultados para confirmar o benefício da albumina sérica como biomarcador para o prognóstico da síndrome de Guillain-Barré na prática clínica.

Veja também: ‘Procedimentos cirúrgicos podem aumentar o risco para a síndrome de Guillain-Barré’

Autor:

Referências:

  • Fonseca TCP. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: SíndromeSíndrome de guillain-barré. 2002;2–5.
  • Fokkink W-JR, Walgaard C, Kuitwaard K, Tio-Gillen AP, van Doorn PA, Jacobs BC. Association of Albumin Levels With Outcome in Intravenous Immunoglobulin–Treated Guillain-Barré Syndrome. JAMA Neurol [Internet]. 2016;1–8. Available from: https://archneur.jamanetwork.com/article.aspx?doi=10.1001/jamaneurol.2016.4480
Compartilhar
Publicado por
Juliana Festa

Posts recentes

Existe relação entre os parâmetros do plaquetograma e a mortalidade por Covid-19?

Estudo foi realizado para avaliar uma possível relação entre mortalidade intra-hospitalar por Covid-19 e valores…

15 horas atrás

Whitebook: MCCP – Método clínico centrado na pessoa

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do  Whitebook Clinical Decision vamos falar um pouco…

19 horas atrás

Proposta de nomenclatura universal para insuficiência cardíaca (IC)

As definições da insuficiência cardíaca (IC) são extremamente heterogêneas, isso dificulta definir a doença para…

1 dia atrás

Miopatias em pacientes adultos com hipotireoidismo

Pacientes com hipotireoidismo mais grave ou não tratados têm maior probabilidade de desenvolver doença muscular…

2 dias atrás

Você ainda se lembra das manifestações oftalmológicas da Zika congênita? 

Em artigo publicado em maio de 2021, Ventura at al. relataram as manifestações oftalmológicas da…

2 dias atrás

Covid-19: gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina Astrazeneca

Algumas gestantes apresentaram desfechos desfavoráveis por eventos tromboembólicos após a vacinação com a vacina Astrazeneca/Oxford.

2 dias atrás