Álcool e tabagismo podem influenciar a terapia de reposição hormonal?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A terapia de reposição hormonal (TRH) em mulheres pós-menopausa é influenciada por diversos fatores, dentre eles os hábitos de vida – sendo o tabagismo e uso de álcool os principais a instigar os níveis séricos de estradiol.

Durante a reunião anual de 2019 (NAMS), um estudo realizado por Intira Sriprasert (MD) da Escola de Medicina Keck da Universidade do Sul da Califórnia (em Los Angeles) avaliou o a dose e o nível sérico de estradiol em mulheres saudáveis em vigência de terapia hormonal.

Sriprasert analisou dados de dois estudos randomizados, controlados e duplo-cegos, sendo um multicêntrico (REPLENISH) e o o outro de um centro único (ELITE), visando encontrar a relação entre a dose do estradiol e o seu nível sérico, bem como eficácia, efeitos adversos e adesão. A conclusão por eles encontrada foi que em mulheres em TRH a dose de estradiol e os níveis séricos estavam independentemente associados as alterações metabólicas, todavia os níveis séricos estavam associados a progressão da aterosclerose.

Leia também: Saiba como iniciar e quando parar a terapia hormonal no climatério

O estudo REPENISH analisou 5.881 consultas de 1.173 mulheres com útero entre 40 e 65 anos, sendo a média de 54 anos com e tempo médio desde o início da menopausa 5,2 anos. Essas participantes foram separadas em 4 grupos para receberem TRH diferentes dosagens de 17β-estradiol com progesterona (respectivamente): (1) 1 mg + 100 mg, (2) 0,5 mg + 100 mg, (3) 0,5 mg + 50 mg e (4) 0,25 mg + 50 mg, e um outro grupo de pacientes que recebiam placebo – quando adesão inferior a 80% as mesmas foram excluídas.

As variantes correlacionadas foram: idade, tempo (anos) desde a menopausa, peso, índice de massa corporal (IMC), creatinina, aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT), tabagismo, álcool e uso de medicamentos (anti-hipertensivos, anticonvulsivantes, hipoglicemiantes antidislipidêmicos).

O resultado encontrado foi que há um aumento significativamente estatístico (p =0,002) no nível sérico de estradiol nas mulheres as quais faziam TRH e não fumavam, porém faziam uso de álcool; Já nas mulheres as quais fumavam e não usavam álcool esses níveis foram significativamente mais baixos (p = 0,01).

Já no estudo ELITE, foram avaliadas 256 mulheres, sendo 118 mulheres (com idade média de 55 anos e tempo médio de menopausa de 3,6 anos) e 138 com menopausa tardia (com idade média de idade de 64 anos e tempo médio de menopausa de 16 anos). Sendo divididos dois grupos onde um recebeu 17 mg-estradiol 1 mg por dia e metade placebo, nos resultados foram encontrados aumentos significativamente estatísticos nos níveis de estradiol sérico com IMC (p < 0,0001) e álcool dose dependente (p= 0,0001), já com o tabagismo os níveis foram significantemente menores (p=0,0005), não houveram diferenças significativas entre mulheres com menopausa precoce ou tardia.

Mais da autora: Parto vaginal está associado a menor incidência de doenças alérgicas

Desse modo, segundo o autor do estudo, para alcançar níveis desejáveis de estradiol sérico associado a prevenção da aterosclerose, fatores como álcool e tabagismo devem ser considerados em mulheres em uso de estradiol oral, uma vez que interferem nos resultados por afetarem a função hepática. Todavia, devemos ressaltar que alguns vieses estavam presentes nos estudos, a exemplo das populações analisadas, porém o resultado é importantes para durante a escolha da dose e da TRH visando uma melhor resultado do tratamento.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Alcohol, Smoking Alter Estradiol Levels in Hormone Therapy – Medscape – Nov 25, 2019.
Relacionados