Clínica Médica

Alergia alfa-gal e anafilaxia tardia a carne vermelha: que síndrome é essa?

Tempo de leitura: 5 min.

A síndrome alfa galactose ou síndrome alfa-gal (SAG), é uma entidade patológica pouco conhecida pela sociedade médica, apesar de acometer um número crescente de pacientes em todo o mundo. Clinicamente, caracteriza-se por alergia, urticária, angioedema, sintomas do trato gastrointestinal devido a anafilaxia tardia, após ingestão de carne vermelha de mamíferos não primatas, ou seja, carne de bovinos, suínos e ovinos.  

A correlação etiológica está relacionada à mordida do carrapato estrela (Amblyomma americanum e A. sculptun no Brasil) e também de outros carrapatos (Ixodes ricinusna na Europa). A picada do aracnídeo desencadeia uma resposta imunológica ligada ao anticorpo Imunoglobulina E (IgE) especifico para o oligossacarídeo galactose-α-1,3-galactose (alfa-gal) que está presente em glicoproteínas da carne vermelha e seus derivados, ou seja, é a primeira sensibilização alérgica alimentar relacionada ao contato da saliva do ectoparasita à pele do ser humano.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Relação entre o carrapato estrela e a síndrome alfa-gal

Ainda é empírica esta relação, entretanto sabe-se que população que evita ou não possui contato com carrapatos têm menor quantidade sanguínea de IgE específica para o desencadeamento da síndrome. Por outro lado, em pacientes que recebem novas picadas do carrapato, observa-se a manutenção ou aumento das titularidades do anticorpo específico para a síndrome. Em  acompanhamento de um grupo controle de pacientes, observou-se a queda de anticorpos em 5 anos, e a reintrodução de carne não gerou sintomas. Também estão relacionados como fatores desencadeantes da síndrome alfa-gal picadas de abelhas, vespas, vacinas contendo gelatina e pelos de animais de estimação.  

Carnes cozidas e com menores índices de lípides têm menores níveis de alfa-gal devido a desnaturação e diminuição do teor de gordura, entretanto vísceras de animais de carne vermelha são importantes ano aumento nos níveis séricos no sangue do oligossacarídeo, especialmente o rim de porco. Salienta-se que os derivados da carne vermelha, muitas vezes, não são relacionados pelos pacientes como malefícios para sua saúde, e os mesmos também possuem importância no desencadeamento das reações alérgicas, exemplos são cubos de tempero, banha de porco, gelatinas, embutidos salsichas e até mesmo algumas vacinas. Cofatores como etilismo, quantidade de carne ingerida e atividade física, além de outras particularidades relacionados à titularidades ainda estão sendo estudados.

A alergia alimentar proporcionada pela síndrome alfa-gal é um desafio diagnóstico, por ser uma reação alérgica que demora de 2 a 6 horas para demonstrar efeito sintomático.  A forma não tradicional de manifestação desse tipo de alergia alimentar dificulta a correlação temporal/diagnóstica pelo profissional de saúde. Além disso, é importante destacar que o paciente, geralmente, não correlaciona a ingestão de carne ao quadro clínico e continua ingerindo o alimento. Ademais o indivíduo acometido, geralmente passa muitos anos ingerindo a carne vermelha para finalmente desenvolver a síndrome em questão, portanto são muitos fatores a serem pesquisados.

O quadro clínico clássico da alergia alimentar varia de sintomas mais leves como prurido e urticária, até mesmo mais graves, como angioedema e anafilaxia. O paciente pode ainda, manifestar queixas específicas do sistema gastrointestinal, como diarreia, cólicas abdominais, azia, náuseas e vômitos sem nenhuma repercussão cardiovascular, respiratória ou cutânea. Pacientes que já possuem atopia, tendem a manifestar quadros respiratórios devido a alergia alimentar. Sabe-se que a intercessão e sobreposição dos sintomas é uma realidade na síndrome alfa-gal.

Resumo da sensibilização a alfa-gal levando a sintomas clínicos de alergia a carne vermelha

Fonte: Adaptado de Arruda LK; Melo JL Alergia a alfa-gal e anafilaxia tardia a carne vermelha: esta síndrome existe no Brasil? Braz J Allergy Immunol. 2015;3(6):227-32

O diagnóstico infelizmente ainda não é feito de rotina em nosso meio. Deve estar relacionado à história clínica de alergia a carne de início na vida adulta (em sua grande maioria, mas já existem relatos na população pediátrica) após muitos anos ingerindo carne vermelha nas refeições, sintomatologia reacional alérgica, reação local exacerbada à mordida do carrapato que se comportou diferentemente de outros episódios e um teste de sangue que identifique a presença de IgE especifico para o oligossacarídeo galactose-α-1,3-galactose.

O manejo terapêutico está relacionado a medicamentos suportivos para a crise, ou profiláticos quando se está em um local onde a fonte do alimentício não é conhecida (restaurantes, comidas de rua). São opções profiláticas, os antihistamínicos orais de longa ação e o cromoglicato oral (age na estabilização de mastócitos). Para controle de crises agudas e reatividade contínua são indicados corticoides orais por  5 a 7 dias.  A prescrição de   Omalizumabe e Metformina (age na alteração do ambiente das citocinas e reprogramação do antígeno) é citada na literatura.

Orientações detalhadas devem ser dadas ao indivíduo que é diagnosticado com SAG na prevenção de crises de alergia alimentar:  evitar carnes vermelhas, e seus derivados, com  destaque para laticínios ricos em gorduras e manteiga. Não comer em restaurantes em que não se sabe a origem dos ingredientes que foram utilizados no preparo da refeição (ex: óleo de fritura, molhos e caldos). Avaliação de cada caso é importante, pois um paciente pode tolerar bem os derivados e consequentemente não é necessário evitar totalmente a exposição, apenas manejar a diminuição do hábito pode ser uma opção. A interconsulta junto a equipe nutricional é importante, para que seja estabelecido fontes de alimentação alternativas sem déficits de nutrientes.

Leia também: Revisão de alimentos causadores de anafilaxia mais comuns por região

Considerações sobre a síndrome alfa-gal

Pode-se concluir que, a síndrome alfa-gal  precisa ser melhor divulgada entre os médicos, para facilitar o diagnóstico clínico. Evitar o fator alergênico pode ser um desafio, visto que esses alimentos e seus derivados  estão inseridos em diversos produtos farmacológicos, estéticos e alimentícios. 

Autores:

  • Adelia Carmen Silva de Jesus. Especialista em Gastroenterologia e Membro Titular da Federação Brasileira de Gastroenterologia. Título de especialista em Endoscopia Digestiva pela Sociedade Brasileira de Endoscopia.
  • Darly Gomes Soares Delfino e Marcelo dos Santos Mourão. Discentes de Medicina da Faculdade de Minas (FAMINAS BH).

Referências bibliográficas:

  1. Commins SP. Diagnosis e Management of Alpha Gal syndrome: lessons from 2,500 patients. US National Library of Medicine, National Institute of Health, Expert Review of Clinical Immunology. 2020. Vol 16 (7). doi10.1080/1744666X.2020.1782745
  2. Kiewiet, MBG; Apostolovic, D; Starkhammar, M; Grundström, J. Clinical and Serological Characterization of the a-Gal Syndrome Importance of Atopy for Symptom Severity in a European Cohort. The Journal of Allergy and Clinical Immunology: In Practice. 2020. Vol 8 (6). doi10.1016/j.jaip.2020.02.016
  3. Young, I; Prematunge, C; Pussegoda, K; Corrin, T; Waddell, L. Tick exposures and alpha-gal syndrome: A systematic review of the evidence. Ticks and Tick-borne Diseases. 2021.
  4. Rutkowski, K; Wagner, A; Sowa, P; Pancewicz, S; Moniuszko-Malinowska, A; Alpha-gal syndrome: An emerging cause of food and drug allergy. Clinical and Experimental Allergy. 2020.
  5. Fuente, J; Pacheco, I; Villar, M; Cabezas‐Cruz, A. The alpha-Gal syndrome: new insights into the tick-host conflict and cooperation. Parasites & Vectors. 2019. 12:154.
Compartilhar
Publicado por
Vera Lucia Angelo Andrade

Posts recentes

Hematoma subdural: caso clínico na emergência [podcast]

Neste episódio, o Dr. Felipe Nóbrega vai falar sobre o hematoma subdural no contexto de…

6 horas atrás

Acometimento neurológico em crianças com síndrome hemolítico-urêmica típica: dados de uma revisão retrospectiva

A síndrome hemolítico-urêmica (SHU) é um quadro grave, sendo a principal causa de insuficiência renal…

6 horas atrás

Anestesia e hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma das doenças endócrinas mais comuns e caracterizado pela baixa atividade da…

7 horas atrás

Cinco dicas para falar sobre fertilidade com seus pacientes

De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres…

8 horas atrás

CHEST 2021: Abordagem da fístula aérea persistente em pacientes com pneumotórax

Pacientes com pneumotórax são cada vez mais comuns dentro da UTI, especialmente no contexto da…

9 horas atrás

CHEST 2021: Tratamento cirúrgico no DPOC: quando e como indicar?

A DPOC acomete milhões de pessoas em todo o mundo e é a terceira maior…

10 horas atrás