Cardiologia

Alerta para doença cardiovascular nas mulheres antes e após a menopausa

Tempo de leitura: 2 min.

A prevalência de morte por doença cardiovascular nas mulheres é 16 vezes maior que a de câncer de mama, e a cada ano que passa, temos um aumento do número de mulheres jovens com síndrome coronariana aguda. Como as mulheres apresentam um quadro clínico atípico, o diagnóstico e a terapêutica oportuna ficam prejudicadas, aumentando o risco de morte dessas pacientes. O ginecologista é o clínico geral das mulheres, e tem o dever de avaliar esse risco e orientar mudanças de hábitos de vida para prevenir um desfecho desfavorável, além de solicitar avaliação do cardiologista quando necessário, para que juntos possam melhorar a saúde dessas pacientes. 

Evidências sobre riscos da doença cardiovascular

Em 2020, a revista Elsevier publicou uma série de artigos sobre coração e hormônios, um deles foi um alerta para o risco cardiovascular de mulheres antes e após a menopausa. Com o passar dos anos, as mulheres têm assumido cada vez mais funções, prejudicando sua qualidade de vida e adquirindo hábitos prejudiciais para sua saúde, como tabagismo, alimentação inadequada, sedentarismo e poucas horas de sono.

O autor faz um alerta para fatores hormonais que podem aumentar o risco de síndrome coronariana aguda, como: contracepção hormonal, endometriose, síndrome dos ovários policísticos, diabetes gestacional, aborto, pré-eclâmpsia, menarca precoce, insuficiência ovariana precoce, idade da menopausa, histerectomia com anexectomia. Grande parte das pacientes no consultório de ginecologia apresentam esses fatores de risco e não são orientadas quanto à prevenção de doença cardiovascular adequadamente.

Considerações

Nos últimos anos, tem sido discutido a necessidade de prestar uma assistência integral para nossos pacientes. Cada ano que passa, vejo na prática clínica diária e nos artigos científicos que busco a importância da integralidade na saúde. Enxergar o paciente como um todo é essencial para diminuir morbimortalidade e melhorar a qualidade de vida de nossos pacientes. Uma consulta de rotina ginecológica não é somente para “colher preventivo” e sim para fazer prevenção de doenças que aquela mulher possa desenvolver.

Leia também: Endometriose e síndrome do ovário policístico

Autora:

Referência bibliográfica: 

  • Christina Chrysohoou, et al. Cardiovascular disease in women: Executive summary of the expert panel statement of women in cardiology of the hellenic cardiological society. Hellenic Journal of Cardiology.
    Volume 61, Issue 6. 2020. Pages 362-377. ISSN 1109-9666. doi: https://doi.org/10.1016/j.hjc.2020.09.015.
Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

CDC atualiza recomendações sobre isolamento e quarentena na Covid-19. O que dizem os estudos?

O CDC atualizou suas recomendações sobre o isolamento e quarentena na Covid-19, o que vem…

1 hora atrás

Contestando mitos: Cuidados paliativos podem aumentar a sobrevida

Os cuidados paliativos consistem numa abordagem que objetiva aliviar o sofrimento de portadores de doenças…

1 hora atrás

A cirurgia bariátrica diminui o risco de câncer?

Estudo avaliou se submetidos à cirurgia bariátrica possuem uma diminuição da incidência de câncer comparada…

2 horas atrás

Oseltamivir: o que você precisa saber para a prática clínica

O surto de Influenza vivenciado em todo o país durante o começo do ano de…

3 horas atrás

Efeitos do exercício físico sobre a hipertensão arterial resistente

É consenso que a prática rotineira de exercício físico é de grande benefício para o…

4 horas atrás

Anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 podem estar presentes no leite humano até 6 meses após a vacinação

Estudo sugere que anticorpos específicos para SARS-CoV-2 podem estar disponíveis no leite materno por até…

5 horas atrás