Amamentação prolongada pode reduzir chances de câncer hematológico em crianças 

Estudo avaliou se amamentação exclusiva prolongada está associada à diminuição do risco de LLA infantil e outros tipos de câncer

Sabemos o quão relevante é a promoção do aleitamento materno exclusivo (AME) até os seis meses de idade para a prevenção de inúmeras doenças na infância. No entanto, será que a amamentação prolongada está também associada à diminuição do risco de câncer infantil, incluindo a leucemia linfoblástica aguda (LLA)? Estudos de caso-controle sugerem que sim, que a amamentação protege contra o câncer infantil, particularmente LLA (o câncer mais comum em crianças). Dessa forma, investigar se a maior duração do AME está associada à diminuição do risco de LLA infantil e outros tipos de câncer infantil foi o objetivo de um recente artigo publicado no JAMA Network Open.  

Amamentação prolongada

Metodologia 

Realizada na Dinamarca, a pesquisa consistiu em um estudo de coorte populacional, que usou dados administrativos do Danish National Child Health Register para analisar a duração do AME. Foram incluídas todas as crianças nascidas na Dinamarca entre janeiro de 2005 e dezembro de 2018, com informações disponíveis sobre o período de AME (para avaliar sua duração na infância).  

O desfecho primário consistiu nas associações entre a duração do AME e o risco de câncer infantil em geral e por subtipos. As crianças foram acompanhadas desde o primeiro ano de vida até o diagnóstico de câncer, perda de seguimento, emigração, óbito, 15 anos de idade ou 31 de dezembro de 2020. A análise dos dados foi realizada entre março e outubro de 2023. 

Resultados 

Durante o período de acompanhamento, totalizando 1.679.635 pessoas-anos, 0,1% das crianças receberam o diagnóstico de câncer, com uma idade média ao diagnóstico de 4,24 anos. Houve a participação de 194 meninos (58,4%) e 138 meninas (41,6%). Dos casos de câncer infantil, 37,3% foram de natureza hematológica, 13,3% foram tumores do sistema nervoso central (SNC), 24,1% foram tumores sólidos e 25,3% foram outras neoplasias malignas não especificadas. Entre os casos de câncer hematológico, a LLA foi o tipo mais comum, representando 65,3% dos casos, sendo que 91,4% destes correspondiam à LLA precursora de células B.  

Leia também: Anvisa aprova nova terapia avançada para câncer hematológico

No geral, 38,3% das crianças diagnosticadas com câncer foram amamentadas exclusivamente por menos de três meses. A prática de AME por três meses ou mais foi associada a uma redução no risco de cânceres hematológicos em crianças, em comparação com períodos mais curtos de AME (hazard ratio [HR] ajustado [aHR] = 0,66; intervalo de confiança de 95% [IC 95%] 0,46-0,95). Especificamente, essa associação foi principalmente atribuída a uma diminuição no risco de LLA precursora de células B (aHR = 0,62; IC 95%, 0,39-0,99). Não foram observadas variações significativas nos riscos de tumor do SNC (aHR = 0,96; IC 95%, 0,51-1,88), tumores sólidos (aHR = 0,87; IC 95%, 0,55-1,41) ou neuroblastoma (aHR = 0,98; 95% CI, 0,32-3,06) com base na duração do AME. 

Conclusão 

Os pesquisadores observaram que amamentar exclusivamente por mais tempo (por exemplo, por pelo menos três meses) estava relacionado a um menor risco de LLA precursora de células B na infância. Essa descoberta está alinhada com pesquisas recentes que sugerem um papel importante da maturação precoce do microbioma intestinal no desenvolvimento desse diagnóstico na infância. Portanto, para orientar futuras estratégias preventivas, é necessário investigar mais a fundo os mecanismos biológicos subjacentes a essa associação. 

Comentário sobre amamentação prolongada

O estudo nos mostra que um maior tempo de AME pode ser um fator potencial na prevenção da LLA precursora de células B na infância. Esses resultados são consistentes com a crescente compreensão dos efeitos benéficos da amamentação na saúde infantil, incluindo o desenvolvimento do microbioma intestinal. A implicação de uma maturação precoce do microbioma intestinal na patogênese da LLA precursora de células B destaca a importância dos primeiros meses de vida na programação do sistema imunológico e na saúde em longo prazo da criança.  

No entanto, é importante notar que o estudo tem suas limitações, como a dependência de registros de saúde para dados e a possibilidade de outros fatores não medidos influenciarem os resultados. Portanto, são necessárias mais pesquisas para confirmar essa associação e entender melhor os mecanismos biológicos subjacentes, mas esses achados já fornecem uma base importante para futuras investigações e podem ajudar a informar políticas de saúde pública relacionadas à promoção do AME.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo