Anastomose intracorpórea promove recuperação intestinal mais precoce após colectomia laparoscópica

A anastomose auxilia na recuperação intestinal mais rápida após uma colectomia laparoscópica, indica estudo. Veja detalhes neste artigo!

A abordagem cirúrgica é o tratamento de escolha para a maioria das neoplasias de cólon direito, sendo a colectomia laparoscópica uma opção terapêutica progressivamente mais utilizada por seus benefícios. Nessa técnica, após ressecção do segmento colônico afetado, é necessário reestabelecer o trânsito intestinal por meio de anastomose ileocólica, que pode ser realizada de forma intracorpórea ou extracorpórea.

As duas abordagens têm sido realizadas com resultados satisfatórios, porém, não há consenso acerca da opção com melhor desfecho pós-operatório.  

Leia também: Colangiocarcinoma multifocal: quimioterapia de infusão arterial hepática ou ressecção cirúrgica? 

Médicos realizando colectomia direita

Estudo

Para comparar anastomoses intra (AI) e extracorpóreas (AE), um estudo multicêntrico randomizado polonês avaliou 102 pacientes com neoplasia de cólon direito submetidos à hemicolectomia direita laparoscópica, sendo randomicamente divididos em grupo AI e AE (52 e 50 pacientes, respectivamente). O desfecho primário avaliado foi período para recuperação intestinal, mensurado pelo tempo para início de evacuações (TIE). Também foram analisados secundariamente tempo para eliminação de flatos (TEF), assim como duração da cirurgia e complicações.

O grupo AI apresentou menor TEI (32,8h vs 41,7h do grupo AE, p = 0,017). Não houve diferença em relação ao TEF (26,6h vs 30h para AI e AE, respectivamente), duração da cirurgia (ambos com média de 190 minutos), assim como complicações gerais (19% vs 24%, p=0,56).  

Em conclusão, o estudo demonstrou o potencial benefício da realização de AI na recuperação mais precoce do trânsito intestinal, provavelmente decorrente da menor manipulação de alças no transoperatório, o que auxilia na redução de REMIT (Resposta Endócrino Metabólica Imunológica ao Trauma) e consequentemente do íleo adinâmico.  

O que levar para casa

A videolaparoscopia tem se tornado a técnica de escolha, principalmente em abordagens cirúrgicas para tratamento de neoplasia colorretal. Essa abordagem minimamente invasiva relaciona-se à menor taxa de infecção de ferida operatória, menor manipulação de alças, assim como reduzido risco de lesão de estruturas adjacentes.

Tais benefícios se traduzem em melhores desfechos operatórios, principalmente relacionados à recuperação pós-operatória. Nesse contexto, a possibilidade de realizar todos os tempos cirúrgicos principais sem expor alças, inclusive a anastomose ileocólica, pode ser mais uma ferramenta a agregar na recuperação precoce do paciente.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Małczak P, Wysocki M, Pisarska-Adamczyk M, Major P, Pędziwiatr M. Bowel function after laparoscopic right hemicolectomy: a randomized controlled trial comparing intracorporeal anastomosis and extracorporeal anastomosis. Surgical Endoscopy. 2021;36(7):4977-4982. 

Especialidades