Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Anemia e aumento da morbimortalidade no pós-operatório em cirurgias não cardíacas
Estudo verifica a relação entre anemia e o aumento da morbimortalidade pós-operatória em cirurgias não cardíacas

Anemia e aumento da morbimortalidade no pós-operatório em cirurgias não cardíacas

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

A anemia é uma condição clínica presente em 8% da população podendo variar em até 40% dependendo da região demográfica. É considerada anemia quando as taxas de hemoglobina estão abaixo de determinados valores que diferem de acordo com o sexo e raça de cada paciente. Generalizando, taxas de hemoglobina menores que 10 g/dL podem ser consideradas como quadro clínico de anemia. A anemia possui diversos fatores etiológicos como genéticos ou nutricionais. Este artigo visa relatar estudos relacionados a anemia e taxa de complicações como necessidade de transfusão sanguínea no pós-operatório e óbito em pacientes acima de 18 anos com anemia que foram submetidos a cirurgias não cardíacas de pequeno e médio porte.

Leia também: Deficiência de ferro sem anemia: é possível?

Métodos do estudo sobre anemia no pós-operatório

O estudo em questão analisou pacientes acima de 18 anos com graus variados de anemia que foram submetidos a cirurgias no Hospital Geral de Singapura no período de 2012 a 2016. Foram excluídos do estudo pacientes submetidos a cirurgias cardíacas, grandes queimados, neurocirurgia e transplantes, pois essas categorias cirúrgicas foram consideradas de alta taxa de mortalidade e necessidade de transfusão sanguínea, além de procedimentos sob anestesia local.

Alguns fatores clínicos foram avaliados no grupo em questão como dados demográficos, comorbidades como acidente vascular cerebral prévio, diabetes, cardiopatias em geral, dados inerentes ao procedimento e a anestesia e necessidade de transfusão sanguínea no período pré-operatório. A anemia foi classificada seguindo os critérios da OMS de gravidade: anemia leve em homens com hemoglobina entre 11-12,9 g/dL e em mulheres 11-11,9 g/dL; anemia moderada com hemoglobina variando entre 8-10,9 g/dL em ambos os sexos; e anemia severa com hemoglobina abaixo de 8 g/dL. Todos os pacientes que entraram no estudo tiveram um follow-up por 30 dias após o procedimento e dados como estadia no CTI, necessidade de transfusão sanguínea e taxas de mortalidade foram avaliados.

Da totalidade dos pacientes estudados, 87,4% apresentavam anemia leve a moderada e 12,6% dos pacientes apresentavam quadro de anemia severa. E os que apresentavam anemia mais severa eram pacientes mais idosos e mulheres. Todos os pacientes selecionados foram submetidos a procedimentos não cardíacos. Foram analisados a necessidade de transfusão pós-operatória, encaminhamento ao CTI e taxa de mortalidade no período de 30 dias de pós-operatório seguindo diferentes estudos analíticos de comparação.

Saiba mais: Reposição de ferro no adulto: usos na anemia e em outras doenças

Achados

Nesse estudo evidenciou-se que os pacientes que possuíam um grau moderado a severo de anemia estavam mais suscetíveis a possibilidade de transfusão sanguínea no pós-operatório do que os pacientes com anemia leve. Porém, não houve diferença significativa de pós-operatório em unidade fechada entre ambos os grupos. Também mostrou que os pacientes que se submetiam a transfusão sanguínea no pós-operatório tiveram taxa de mortalidade maior em 30 dias. Esses achados permaneceram consistentes entre as diferentes análises estatísticas envolvidas no estudo. Concluiu-se que a anemia não tratada no período pré-operatório pode ser responsável pelo aumento das taxas de transfusão sanguínea pós-operatória e consequente aumento de complicações e da morbimortalidade nos pacientes submetidos a cirurgias não cardíacas.

Conclusão

Apesar de haver alguns estudos controversos em relação a probabilidade de aparecimento de complicações tardias em pacientes anêmicos submetidos a procedimentos cirúrgicos, onde demonstram que o risco apenas ocorre em pacientes de extremos de idade, o estudo em questão mostrou que independente de raça ou idade, existe sim uma probabilidade significante de complicações tardias em relação a anemia e transfusão sanguínea pós-operatória independente de complicações relacionadas a própria cirurgia; caso essa anemia não seja tratada no período pré-operatório.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Luo X, et al. Anemia and perioperative mortality in non-cardiac surgery patients: a secondary analysis based on a single-center retrospective study. BMC Anesthesiology, 2020;20(112).
  • Lv Z, et al. Preoperative Anemia and Postoperative Mortality in Patients with Aortic Stenosis Treated with Transcatheter Aortic Valve Implantation (TAVI): A Systematic Review and Meta-Analysis. Med Sci Monit, 2019;25:7251–7
  • Tohme S, et al. Preoperative anemia and postoperative outcomes after hepatectomy. HPB (Oxford). 2016;18(3):255–61.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.