Anestesiologia

Anestesia fora do centro cirúrgico: cuidados

Tempo de leitura: 3 min.

Atualmente com o avanço tecnológico de exames de imagens diagnósticos ou terapêuticos, houve o aumento da necessidade do envolvimento do profissional de anestesia durante a realização dos mesmos para maiores cuidados com o paciente e menor incidência de complicações.

Leia também: Covid-19: Como funcionam os carrinhos de anestesia?

Complicações

Esses exames são na maioria das vezes realizados fora do centro cirúrgico e consequentemente em ambientes com deficiência de estrutura para a realização de um ato anestésico 100% seguro. Podemos citar algumas complicações relacionadas como reações alérgicas e anafiláticas por causa do uso de contraste, depressão respiratória, arritmias, hipotermia, instabilidades hemodinâmicas e complicações inerentes ao próprio procedimento. Por conta disso, algumas diretrizes e protocolos foram estabelecidos para que o anestesista posso trabalhar nas condições ideais.

Pacientes alvos

A maior parte dos pacientes que necessitam de anestesia para a realização desses exames são pacientes pediátricos, psiquiátricos, ansiosos, claustrofóbicos, ou que apresentam alguma patologia cujo tratamento deva ser realizado por via radiológica. Dentre esses exames temos a tomografia computadorizada (TC), ressonância nuclear magnética (RNM), neuroradiologia intervencionista, procedimentos hemodinâmicos e eletroconvulsoterapia. Alguns pacientes que apresentam condições como obesidade mórbida, apneia obstrutiva do sono, anomalias faciais e orotraqueais, ortopneia e posição ventral devem ter atenção redobrada as vias aéreas.

Em relação aos exames acima citados, todos eles devem seguir um protocolo de segurança em relação a aparelhagem e ambiente*. A anestesia pode variar desde uma sedação simples como uma anestesia geral com intubação traqueal, dependendo do exame e tipo de paciente. Independente do tipo de anestesia, certos cuidados devem ser sempre tomados e uma equipe treinada deve estar disponibilizada.

*JEJUM obrigatório para todos os procedimentos. A quebra de jejum é contraindicação absoluta para realização dos mesmos.

Cuidados que sempre devem ser tomados

  1. Monitorização básica obrigatória com cardioscópio, oxímetro e pressão arterial não invasiva. Capnografia em casos selecionados. Em casos de RNM, os aparelhos de monitorização devem ser livres de ferro ou colocados fora da sala de exame. E os pacientes não podem estar portando nenhum objeto de metal, como próteses, órteses ou clips.
  2. Deve-se testar todos os equipamentos antes da realização da anestesia.
  3. Material de ressuscitação (desfibrilador) assim como drogas de emergência a mão e de fácil acesso. Laringoscópio com tubos de tamanhos adequados é indispensável além de material de vias aéreas difíceis, se possível.
  4. Sempre promover o aquecimento do paciente a fim de evitar hipotermia causada pela temperatura baixa das salas de procedimento.
  5. Sempre assegurar uma fonte de oxigênio confiável com capacidade para todo o período de tempo do procedimento, além de um aparelho de aspiração à vácuo.
  6. Em caso de utilização de anestésico inalatório usar um sistema de absorvedor para evitar a contaminação do ambiente.
  7. Ter sempre disponível um sistema bolsa-válvula-máscara caso haja necessidade de ventilação sob máscara com pressão positiva com capacidade de fornecer FiO2 mínima de 90%.
  8. Iluminação adequada do ambiente e fácil e rápido acesso ao paciente, principalmente às vias aéreas e acessos venosos caso haja uma necessidade de intervenção de emergência.
  9. Acesso visual direto e constante ao paciente durante todo o procedimento, mesmo que seja por câmeras, espelhos ou janelas de proteção.
  10. O anestesista pode solicitar a interrupção do exame a qualquer momento.
  11. O anestesista deve administrar medicações que promovam uma anestesia satisfatória, que possibilite a realização do exame de uma maneira eficaz e que tenha um despertar tranquilo e rápido, pois a maioria dos exames são realizados de forma ambulatorial.
  12. Pacientes de grupo de risco para reações ao contraste como pacientes atópicos, com história prévia e asmáticos, extremos de idade, cardiopatas, nefropatas ou com alterações metabólicas devem ser vistos com mais cautela. Reações moderadas, são normalmente autolimitadas e bem responsivas a tratamentos de suporte e sintomáticos.

Saiba mais: Anestesia: quais os momentos que mais requerem a atenção do especialista?

Todos os procedimentos que requerem anestesia e são realizados fora do centro cirúrgico representam um desafio a mais para segurança do ato. Portanto, os protocolos de segurança devem ser sempre estabelecidos e seguidos.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Gabriela Queiroz
Tags: anestesia

Posts recentes

Terapia Nutricional Oral, Enteral e Parenteral: confira os principais pontos da nova Diretriz BRASPEN

Recentemente foi publicada mais uma atualização das Diretrizes Brasileiras de Terapia Nutricional (DITEN): a nova…

41 minutos atrás

Duas doses da CoronaVac neutralizam ação da variante Ômicron? 

Um estudo tentou responder se duas doses da CoronaVac seriam capazes de neutralizar a variante…

2 horas atrás

Procedimentos Ortopédicos: condutas para a cirurgia

Ei, temos novidade no Whitebook! O aplicativo passou a ter conteúdos de Procedimentos Ortopédicos. Já…

16 horas atrás

Anvisa pede atualizações a farmacêuticas sobre uso de anticorpos monoclonais contra Covid-19

A Anvisa pediu atualizações de farmacêuticas sobre o uso de anticorpos monoclonais para o tratamento…

18 horas atrás

Avaliação do cálcio coronário ou escores de risco para predição de eventos cardiovasculares e indicação de estatina?

O cálcio nas coronárias se correlaciona com a carga aterosclerótica e é altamente preditiva de…

20 horas atrás

Quais os resultados de cirurgia de revisão de reconstrução do ligamento cruzado anterior em praticantes de futebol?

Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA) são comuns na prática de futebol, muitas das vezes…

21 horas atrás