Saúde Pública

Ansiedade é o transtorno mais comum entre os brasileiros durante a pandemia

Tempo de leitura: 3 min.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, a ansiedade é o transtorno mais presente durante a pandemia de Covid-19. Além da ansiedade, encontrada em 86,5% dos respondentes, foi constatada uma presença moderada de transtorno do estresse pós-traumático (45,5%). A proporção de depressão grave foi um pouco mais baixa, 16%.

O Ministério divulgou os resultados preliminares ontem, dia 29. A pesquisa foi feita por meio de um questionário online, que ficou disponível de 23 de abril a 15 de maio deste ano. O objetivo era analisar o impacto da pandemia e isolamento social na saúde mental do brasileiro.

A primeira amostra do estudo envolveu 17.491 pessoas com idade média de 38,2 anos (variação de 18 e 92 anos), das quais 98,1% não tinham sido diagnosticadas com Covid-19. Entre eles, 20,2% eram profissionais de saúde.

Do total, a maioria era do sexo feminino (71,9%), de raça/cor autorreferida branca (61,3%), casados (44,3%), residentes em bairros populares (46,8%) e com renda mensal variando entre R$1.049,00 e R$2.096,00 (24,3%).

Segundo os dados divulgados, 25% deles concluíram ensino superior e trabalharam para uma pessoa ou empresa privada (25,5%), e 18% eram desempregados. Entre os que trabalhavam, 31% continuavam trabalhando presencialmente e 93% adotaram o distanciamento social.

Saúde mental na pandemia de Covid-19

Na avaliação de transtornos mentais, 12.676 indivíduos preencheram a escala de avaliação de ansiedade já instalada e 11.444 responderam sobre sintomas de ansiedade. As escalas com sintomas de depressão e transtorno do estresse pós-traumático foram preenchidos por 11.150 e 9.015 pessoas.

O questionário tinha uma primeira parte, sobre questões sociodemográficas, e uma segunda sobre saúde mental, utilizando escalas de rastreio. Pessoas que deixaram o contato na pesquisa também estão sendo monitoradas sobre a evolução de seus transtornos mentais.

Essa foi a primeira fase do estudo, que ainda está avaliando o uso de álcool e drogas em sua segunda etapa, com questionário divulgado no mês de agosto, e terá também uma terceira fase. Os dados gerais serão divulgados em dezembro.

Ansiedade em profissionais de saúde

Desde o início da pandemia, foi observado que a ansiedade está só presente na população em geral e, principalmente, nos profissionais de saúde atuantes na linha de frente. Um artigo publicado em abril no JAMA, que falamos aqui no Portal, procurou avaliar os principais motivos de apreensão dos profissionais nas primeiras semanas de pandemia.

Os resultados apontaram oito possíveis fontes de ansiedade:

  • Acesso aos equipamentos de proteção individual (EPI);
  • Ser exposto à doença e retransmiti-la a seus familiares;
  • Medo de não ter acesso aos testes diagnósticos caso apresentem sintomas e de infectar os colegas do trabalho;
  • Insegurança sobre o que acontecerá a eles ou seus familiares caso desenvolvam a doença;
  • Preocuparem-se sobre os cuidados dos seus filhos e familiares quando a sua carga horária de trabalho aumentar;
  • Preocupação sobre as necessidades de suas famílias e de seu abastecimento enquanto estiverem sob maior demanda de trabalho;
  • Questionamentos se conseguirão desempenhar bem suas atividades, caso sejam transferidos para outro setor ou outra área (ex: equipe que não está acostumada com terapia intensiva ser transferida para um CTI);
  • Restrição de acesso à informação e comunicação.

Ouça também: Como evitar ter burnout atuando na linha de frente da pandemia de Covid-19? [podcast]

Burnout e Covid-19

No Brasil, a PEBMED realizou uma pesquisa com profissionais da área de saúde e concluiu que a prevalência do burnout é de 83% nos médicos que estão na linha de frente, e 71% naqueles que não estão atuando no combate ao novo coronavírus.

Ao todo, a prevalência da síndrome foi de 78% entre os respondentes, sendo 79% entre médicos, 74% entre enfermeiros e 64% entre técnicos de enfermagem. Para avaliar o esgotamento profissional, foi utilizada a escala Oldenburg Burnout Inventory (OLBI), que define o burnout como a interseção entre exaustão e desengajamento.

O estudo transversal foi realizado com autoavaliação dos profissionais por meio de um questionário online. Dos 3.613 participantes, 2.932 eram médicos, 457 enfermeiros e 224 técnicos de enfermagem.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Clara Barreto

Posts recentes

CDC atualiza recomendações sobre isolamento e quarentena na Covid-19. O que dizem os estudos?

O CDC atualizou suas recomendações sobre o isolamento e quarentena na Covid-19, o que vem…

14 minutos atrás

Contestando mitos: Cuidados paliativos podem aumentar a sobrevida

Os cuidados paliativos consistem numa abordagem que objetiva aliviar o sofrimento de portadores de doenças…

14 minutos atrás

A cirurgia bariátrica diminui o risco de câncer?

Estudo avaliou se submetidos à cirurgia bariátrica possuem uma diminuição da incidência de câncer comparada…

1 hora atrás

Oseltamivir: o que você precisa saber para a prática clínica

O surto de Influenza vivenciado em todo o país durante o começo do ano de…

2 horas atrás

Efeitos do exercício físico sobre a hipertensão arterial resistente

É consenso que a prática rotineira de exercício físico é de grande benefício para o…

3 horas atrás

Anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 podem estar presentes no leite humano até 6 meses após a vacinação

Estudo sugere que anticorpos específicos para SARS-CoV-2 podem estar disponíveis no leite materno por até…

4 horas atrás