Antissepsia vaginal com gluconato de clorexidina ou iodopovidona na cirurgia uroginecológica?

A antissepsia vaginal pré-operatória pode ser feita com iodopovidona ou gluconato de clorexidina, mas qual é o mais eficaz? Conheça estudo!

Nos Estados Unidos existe a liberação da Food And Drugs Administration (FDA) apenas da iodopovidona para a antissepsia vaginal. Contudo, diversas outras substâncias são utilizadas em cirurgias ao redor do mundo, inclusive sob orientação de guidelines.

O estudo que trago teve como objetivo comparar a eficácia da clorexidina e do iodo como soluções antissépticas vaginais pré-cirúrgicas, na prevenção das infecções mais comuns associadas à cirurgia ginecológica: as infecções do trato urinário.

Leia também: Soluções antissépticas vaginais pré-cirúrgicas: gluconato de clorexidina ou iodopovidona?

médicos realizando cirurgias não cardíacas em uso de ácido tranexâmico

Método

Os autores realizaram um estudo randomizado controlado de não inferioridade entre mulheres submetidas à cirurgia uroginecológica. O desfecho primário foi infecção sintomática do trato urinário dentro de duas semanas após a cirurgia. Já os desfechos secundários incluíram infecção do trato urinário comprovada por cultura em duas e seis semanas após a cirurgia, infecções sintomáticas do trato urinário em seis semanas após a cirurgia, qualquer infecção do sítio cirúrgico em duas semanas e irritação vaginal relatada pela paciente.

Eles obtiveram 58 participantes por braço para demonstrar não inferioridade de clorexidina versus iodo (margem de risco relativo de <1,5 para o limite superior de intervalo de confiança de 95%) entre os grupos para o resultado primário.

Um total de 119 participantes (61 no grupo clorexidina e 58 no grupo iodo) completaram o desfecho primário e foram incluídos nas análises. Não houve diferença nas características demográficas dos grupos, no histórico médico, nas operações realizadas ou nos fatores perioperatórios. A clorexidina não foi inferior ao iodo em relação ao desfecho primário, infecção sintomática do trato urinário em duas semanas após a cirurgia (10% versus 17%; risco relativo, 0,6; intervalo de confiança de 95% [-∞, 1,3]).

Além disso, a clorexidina não foi inferior ao iodo para os desfechos de infecção secundária do trato urinário. Os grupos foram semelhantes em termos de infecção do sítio cirúrgico (total 3/119 [2,5%]) e presença de qualquer irritação vaginal (4/54 [7,4%], para ambos os grupos). Dessa forma, a clorexidina não foi inferior ao iodo para antissepsia vaginal antes da cirurgia uroginecológica em relação à infecção do trato urinário.

Mensagem final

Dadas as taxas semelhantes de infecção do trato urinário pós-operatória demonstradas por Rockefeller et al. e a ausência de diferença na irritação vaginal, a clorexidina parece ser uma opção segura e razoável para antissepsia vaginal antes de procedimentos cirúrgicos. Porém, estudos adicionais são necessários para examinar melhor a infecção do sítio cirúrgico. Vale ressaltar que, no Brasil, a clorexidina é uma opção mais barata que o iodo, assim, torna-se uma ótima opção para antissepsia vaginal.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Rockefeller NF, Petersen TR, Komesu YM, et al. Chlorhexidine gluconate vs povidone-iodine vaginal antisepsis for urogynecologic surgery: a randomized controlled noninferiority trial. Am J Obstet Gynecol 2022;227:66.e1-9.