Infectologia

Anvisa aprova registros de remdesivir e da vacina de Oxford

Tempo de leitura: 2 min.

A Anvisa aprovou hoje, 12 de março, os registros da vacina da AstraZeneca/Oxford contra a Covid-19 e do remdesivir, primeiro medicamento para tratamento da doença no Brasil.

Remdesivir

Produzido pela biofarmacêutica Gilead Sciences, o antiviral impede a progressão de Covid-19, diminuindo a necessidade de ventilação mecânica e acelera o tempo de recuperação.

Para a Dra. Rita Manzano Sarti, diretora médica sênior da Gilead Brasil, “muitas vidas poderão ser salvas num momento de pico da pandemia, desafogando o sistema de saúde e dando oportunidade para mais pacientes serem tratados adequadamente”.

Estudos globais, como o NIAID (Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos) apresentaram três evidências:

  • Pacientes hospitalizados se recuperaram cinco dias mais rápido, em média, e pacientes com doença grave, sete dias mais rápido. Pacientes graves representaram 85% da população do estudo.
  • O remdesivir reduziu a probabilidade de pacientes que estavam recebendo oxigênio em baixo fluxo progredirem para estágios mais graves de Covid-19.
  • No maior grupo de pacientes do estudo, aqueles que necessitavam de pouco oxigênio, houve uma redução significativa na mortalidade, de 9,9% para 2,6%.

O remdesivir está aprovado ou autorizado para uso temporário nos EUA, Austrália, Canadá, UE, Hong Kong, Índia, Israel, Japão, Cingapura, Coreia do Sul, Taiwan e Emirados Árabes Unidos. Ao todo, são mais de cinquenta países que podem utilizar o medicamento.

Saiba mais sobre coronavirus, acesse nossa Revista!

AstraZeneca/Oxford

Também na data de 12 de março, a Anvisa aprova o registro definitivo da AstraZeneca/Oxford, segunda vacina, primeira produzida no Brasil. A primeira, da Pfizer, não tem previsão de data de distribuição ainda. A vacina de Oxford, como ficou conhecida, vem sendo utilizada nas campanhas de vacinação nacional em conjunto com a Coronovac, produzida pelo Instituto Butantan e teve sua autorização para uso emergencial concedida em 17 de janeiro e solicitou autorização definitiva no

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

A associação covid-19 e diabetes mellitus gestacional aumenta o risco de desfechos desfavoráveis

Diabetes mellitus gestacional é uma das intercorrências clínicas mais comuns na gravidez. Dados estimam uma…

17 minutos atrás

Identificada em São Paulo subvariante inédita da covid-19

Uma subvariante da covid-19 ainda não catalogada em outras partes do mundo foi encontrada no…

1 hora atrás

Guia Prático: Construção da Carreira [Mês da Enfermagem]

Este guia foi construído com o objetivo de auxiliar o profissional enfermeiro em sua jornada…

2 horas atrás

Cannabis na prática clínica: além da epilepsia

O interesse científico em torno do uso na cannabis na prática clínica aumentou nos últimos…

3 horas atrás

Nefrologia: 3 vídeos que podem te ajudar na rotina médica

Como fazer reposição correta de potássio? Diálise previne nefropatia por contraste? Tire essas e outras…

16 horas atrás

Atualização sobre diagnóstico e manejo da colecistite aguda

Um dos diagnósticos mais frequentes de abdome agudo inflamatório nas emergências cirúrgicas é a colecistite…

17 horas atrás