Saúde Pública

Anvisa aprova simplificação da importação de produtos à base de cannabis

Tempo de leitura: 2 min.

Foi aprovada pela diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) uma proposta para simplificar o procedimento para importação de produto à base de canabidiol visando atender aos pacientes que adquirem os medicamentos já disponíveis no mercado internacional.

No mês passado, foi liberada a venda de produtos à base de cannabis para o uso medicinal em farmácias brasileiras. Ainda em 2019, o cultivo de maconha para fins medicinais no país foi rejeitado. Com a decisão que veta o cultivo, os fabricantes que desejarem entrar no mercado precisarão importar o extrato da planta.

Alterações na importação da cannabis medicinal

Atualmente, a espera para a análise do pedido de autorização de importação é de 75 dias. No entanto, o impacto prático da nova norma neste prazo ainda não foi definido.

A nova resolução vai começar a valer a partir da publicação no Diário Oficial da União (DOU), o que ainda não tem data prevista para acontecer.

Confira as principais mudanças:

  • Término da exigência do paciente informar a quantidade do medicamento a ser importado. O monitoramento passa a ser realizado na alfândega;
  • Ampliação da validade de autorização de importação para dois anos;
  • Extinção da lista de produtos analisados pela Anvisa para evitar o favorecimento indevido de empresas e produtos;
  • A importação pode ser realizada pelo responsável legal do paciente ou por um procurador legalmente constituído;
  • Fim do envio postal de documentação. A partir de agora o pedido de autorização será realizado exclusivamente pelo Portal Único do Cidadão.

Leia mais: Cannabis medicinal para dor: quais as evidências científicas

Processo

Apesar da simplificação, todo o trâmite continua a exigir documentos e a comprovação da necessidade efetiva do medicamento.

É necessário realizar o cadastro do Portal Único do Cidadão, que exige a receita emitida por profissional legalmente habilitado, contendo o nome do paciente e do produto, posologia, data, assinatura e número do registro ou profissional prescritor.

Uma das possibilidades ainda previstas no processo é que a importação do produto poderá ser intermediada por uma entidade hospitalar ou unidade governamental ligada à área de saúde.

Prescrição médica para os derivados de cannabis

A indicação e a forma de utilização dos produtos de cannabis agora são de responsabilidade do médico, que deverá informar aos seus pacientes e/ou representantes legais sobre o uso desses produtos.

O paciente ou o seu representante legal deve assinar um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), que detalha os dados específicos desses produtos.

As regras para a prescrição do produto variam de acordo com a concentração de tetra-hidrocanabinol (THC). Nas formulações com concentração de THC menor que 0,2%, o produto deverá ser prescrito através de receituário tipo B, com numeração fornecida pela Vigilância Sanitária local e a renovação de receita em até 60 dias.

Laudo médico e indicações das substâncias

A nova resolução retira a obrigatoriedade do laudo médico, que informaria, por exemplo, o detalhamento da doença do paciente. A apresentação da receita será suficiente.

Substâncias extraídas da maconha podem ser utilizadas para tratamento de doenças como epilepsia, Parkinson, esclerose múltipla, esquizofrenia, síndrome de Tourette, asma, glaucoma e dores crônicas.

Os efeitos destes produtos seriam semelhantes aos dos antidepressivos, analgésicos, sedativos, estimulantes de apetite e anticonvulsivos.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Alzheimer: mirtazapina é eficaz no tratamento de comportamentos agitados?

Um estudo avaliou a efetividade da mirtazapina em comparação ao placebo no tratamento da agitação…

39 minutos atrás

Varíola do macaco: Anvisa recomenda uso de máscaras e Ministério monitora situação no Brasil

A Anvisa divulgou uma nota para esclarecer as recomendações realizadas para retardar a entrada do…

2 horas atrás

Endometriose e adenomiose: há relação com distúrbios causados pelo consumo de produtos químicos?

Embora estudos mostrem relação da endometriose e adenomiose com uma alteração inflamatória na paciente, pouco…

3 horas atrás

Síndrome de Takotsubo, apenas coração partido?

A síndrome de Takotsubo se caracteriza por uma insuficiência cardíaca aguda e transitória com padrões…

4 horas atrás

Desconforto orofaríngeo após anestesia geral: o que há de novo para sua prevenção?

O desconforto orofaríngeo é um evento adverso muito comum após realização de anestesia geral com…

5 horas atrás

Menopausa modula o metaboloma circulante: dados de um estudo de coorte prospectivo

Estudos sugerem que a evolução prejudicial sobre a saúde coronariana se dá pelo aumento de…

6 horas atrás