Página Principal > Cardiologia > Apixabana em pacientes em terapia substitutiva renal: é seguro?
medicamento

Apixabana em pacientes em terapia substitutiva renal: é seguro?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Apesar de ainda não ter sido aprovado para uso em pacientes em estágio 5 de disfunção renal (clearance de creatinina < 15 ml/min) e de haver ajuste de dose para disfunção renal, desde o ano passado já saíram na literatura pequenos estudos envolvendo a farmacodinâmica/farmacocinética da apixabana em pacientes renais crônicos (IRC) em hemodiálise (HD) ou diálise peritoneal (DP). Nesses pacientes, quando há indicação de anticoagulação, a opção utilizada tende a ser a varfarina, que está associada a risco de sangramento considerável. Seria a apixabana uma alternativa segura e eficaz?

Foi publicado recentemente no Circulation um estudo de coorte retrospectiva envolvendo beneficiários do Medicare entre 2010 e 2015 incluídos no registro de doença renal norte-americano, ou seja, com DRC em HD/DP e com fibrilação atrial/flutter atrial (FA não-valvar) e indicação de anticoagulação, totalizando 25.523 pacientes. O estudo comparou os pacientes em uso de apixabana (2.351 pacientes) com varfarina (23.172 pacientes) quanto aos eventos tromboembólicos e sangramentos.

*OBS: os pacientes usuários de varfarina que, durante período mencionado acima, tiveram sua medicação trocada por apixabana, foram analisados apenas no grupo apixabana a partir da data da prescrição desta.

Os seguintes desfechos foram analisados: AVE isquêmico/ embolia sistêmica, sangramento maior, sangramento gastrointestinal, sangramento intracraniano e morte. As coortes foram equiparadas através de escore prognóstico envolvendo múltiplas variáveis, sendo então um paciente em uso apixabana comparado com três pacientes em uso de varfarina com escores prognósticos equivalentes.

LEIA MAIS: Complexo protrombínico ativado em usuários de apixabana – uma série de casos

APIXABANA EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS

Resultados:

– Média de idade 68 anos. Apenas 5% em diálise peritoneal.
– Cerca de 33,2% dos pacientes já tinha tido AVE e 9,9% já tinha tido sangramento maior.
– O escore CHA2DS2VASc médio foi próximo de 5.
– As taxas de AVEi/embolia sistêmica foram: 12,4 Vs. 11,8 pacientes-ano para apixabana e varfarina, respectivamente.
– As taxas de sangramento maior foram: 19,7 Vs. 22,9 pacientes-ano para apixabana e varfarina, respectivamente.
– Não houve diferenças significativas nas taxas de sangramento gastrointestinal e intracraniano entre os dois grupos.
– Houve uma leve tendência a menor risco de mortalidade com apixabana: HR 0.85 (95% IC 0.71-1.01; P=0.06);
*OBS2: quanto às doses de apixabana: 44% usou 5 mg 2x/dia e 56% usou 2,5 mg 2x/dia.
– No subgrupo que usou dose “cheia” de apixabana, os riscos para AVE/embolia, sangramento maior e morte foram menores quando comparados ao grupo da varfarina.
– AVEi/embolia: HR 0.64 (95% IC 0.42-0.97; P=0.04).
– Sangramento maior: HR 0.71 (95% IC 0.53-0.95; P=0.02).
– Morte: HR 0.63 (95% IC 0.46-0.85; P=0.003).
– No subgrupo que usou 2,5 mg 2x/dia, só houve risco reduzido para sangramento maior.

Conclusão

Esse estudo sugere que a apixabana pode ser uma alternativa viável à varfarina para pacientes com IRC em terapia substitutiva renal (TRS) mesmo em dose cheia. A porcentagem baixa de pacientes em DP dificulta a associação desses dados para este subtipo de paciente. No entanto, vale ressaltar que houve muita perda de seguimento no estudo (por má adesão principalmente) e que a taxa em absoluto de sangramento intracraniano foi cerca de dez vezes o encontrado no estudo que fundamentou a aprovação da apixabana. Ou seja, doente em TRS em uso de anticoagulantes é sempre de alto risco para sangramentos. Por fim, não foram avaliados peso e adequação da dose de apixabana para os diferentes pacientes e nem se a dose terapêutica da varfarina estava correta (pelo valor do INR). São necessários estudos prospectivos randomizados para melhor avaliação da eficácia da apixabana nessa população-alvo desse estudo.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Cristiano Carvalho de Oliveira

Formado em Medicina pela UFRJ em 2009/2 ⦁ Residência de Clínica Médica no HUCFF (UFRJ 2010 -2012) ⦁ Residência de Cardiologia no HUCFF (UFRJ 2012 – 2014) ⦁ Trabalho na Emergência do H. Pró-cardíaco ⦁ Ergometrista na CardioClin.

Referências:

  • Siontis, MD et al: Outcomes Associated with Apixaban Use in End-Stage Kidney Disease. Patients with Atrial Fibrillation in the United States; Circulation 2018 Jun 28. DOI: 10.1161/CIRCULATIONAHA.118.035418

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.