Gastroenterologia

Aprovado no Brasil dispositivo Esophyx para pacientes com refluxo crônico

Tempo de leitura: 2 min.

Um novo tratamento para o refluxo gastroesofágico (DRGE) foi aprovado no Brasil, trata-se do Esophyx, dispositivo implantado entre o esôfago e o estômago através de um procedimento endoscópico chamado Transoral Incisionless Funduplication (TIF). O dispositivo já é amplamente utilizado nos Estados Unidos e na Europa.

Estudos clínicos conduzidos pela Endogastric Solutions, fabricante do dispositivo, apontam que 75% dos pacientes ficaram livres da medicação e 82% tiveram a esofagite completamente cicatrizada.

“Normalmente, o paciente faz o procedimento pela manhã e já à noite está liberado para retornar para casa. É uma intervenção segura, os riscos de complicações são bem menores do que a cirurgia convencional, sendo um tratamento com resultados efetivos”, afirma o gastroenterologista, cirurgião e professor afiliado de Cirurgia da Faculdade ABC de Medicina, Manoel Galvão Neto.

Leia também: Existem evidências do benefício do tratamento para refluxo em lactentes com crises de choro?

O coordenador do Serviço e da Residência Médica de Endoscopia da Faculdade de Medicina do ABC São Paulo, Eduardo Grecco também destaca como principal vantagem do novo método os baixíssimos índices de complicações, por se tratar de um procedimento endoscópico não cirúrgico.

“Os pacientes terão menos invasibilidade, menor nível de complicação, resultados efetivos, menos tempo de afastamento do trabalho e de casa”, ressalta Grecco.

Implantação

A implantação do Esophyx  em pacientes com refluxo pode ser realizada por médicos endoscopistas e por cirurgiões que também tenham treinamento endoscópico.

“Como a técnica é nova para a comunidade médica brasileira, já estamos nos mobilizando para formar turmas para receber treinamento com médicos americanos com experiência no procedimento”, conta Neto.

O novo tratamento pode ser uma alternativa até mesmo aos pacientes que conseguem resultados com o uso contínuo de medicamentos.

“Temos muitos pacientes que não toleram o uso de algumas medicações, sem falar dos efeitos colaterais do seu uso a longo prazo. Não podemos crucificar os inibidores de bombas de protões (PPIs), afinal são medicações importantes que revolucionaram muitas afecções de esôfago e estômago. Porém, sabemos que o uso prolongado desse tipo de remédio pode sim trazer efeitos ruins para o organismo”, sugere Grecco.

Saiba mais: 10 tópicos que os gastroenterologistas deveriam saber antes de indicar a cirurgia antirrefluxo

Livrar-se da dependência do uso contínuo de medicações para refluxo é outro forte indicativo para a realização do novo procedimento de TIF com Esophyx, mas a prescrição do tratamento adequado para o paciente deverá acontecer somente após a realização do exame PHmetria esofágica.

Sobre a doença

Segundo dados da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), o refluxo gastroesofágico (DRGE) atinge 30% da população adulta do Brasil.

Quando não tratado, o problema compromete em muito a qualidade de vida da pessoa. Afeta o sono, agrava doenças pulmonares como pneumonias, bronquites e asma, ocasiona úlcera do esôfago, causando alteração das células da porção final do esôfago, o que pode levar a uma patologia chamada esôfago de Barrett, que pode evoluir para um câncer de esôfago. Outras complicações da enfermidade também são inflamação das cordas vocais, engasgos frequentes e noturnos e dificuldades para engolir, entre outras.

Ainda segundo a FBG, do total de pacientes que sofrem de refluxo no país, 40% não tem resultados efetivos apenas com o tratamento medicamentoso e precisam apelar para um tratamento cirúrgico.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Suplementação de ômega-3 no primeiro trimestre e associação com o crescimento fetal

As principais fontes dietéticas de ômega-3, particularmente ácido docosaexaenoico e ácido eicosapentaenoico, são os frutos…

50 minutos atrás

Cafeína e prucalopride após colectomia podem reduzir tempo de retorno da função intestinal?

Dois ensaios clínicos publicados recentemente analisaram o uso de substâncias que podem diminuir o tempo…

2 horas atrás

Associação de hipotermia intraoperatória e maior mortalidade em pacientes com fraturas de quadril

A hipotermia perioperatória, definida como temperatura

4 horas atrás

Anvisa prorroga importação de radiofármacos para evitar desabastecimento no país

Foi aprovado por unanimidade o referendo que prorroga, em caráter temporário e excepcional, a importação…

5 horas atrás

Poliomielite: novos casos são diagnosticados em 2022

Entre os dias 8 de agosto e 9 de setembro de 2022, o Ministério da…

6 horas atrás

Efeitos da nutrição na microbiota durante a gravidez e a lactação [vídeo]

A nutrição materna é um fator-chave na modulação da microbiota intestinal infantil, podendo, inclusive, diminuir…

7 horas atrás