Clínica Médica

Aracnoidite espinhal: o que é?

Tempo de leitura: 3 min.

A aracnoide é uma membrana transparente, avascular, que se situa entre a dura-máter, externamente, e a pia-máter, internamente. O espaço entre a aracnoide e a dura-máter é denominado espaço subdural (um espaço virtual), enquanto o espaço entre a aracnoide e a pia-máter (membrana que envolve a medula espinhal) é chamado de espaço subaracnoide, preenchido por líquido cefalorraquidiano (LCR). A ausência de vascularização e o fluxo constante de LCR dificultam o processo de cicatrização desta membrana.

Leia também: Whitebook: vamos falar de hemorragia subaracnóide (HSA)?

A aracnoidite espinhal é uma doença caracterizada por processo inflamatório intenso e formação de cicatrizes na membrana aracnoide da medula espinhal, levando a aderência das raízes nervosas a si mesmas ou ao saco dural, com desenvolvimento de déficits neurológicos importantes e dores incapacitantes. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

As principais causas são: 

  • infecções: sífilis, meningite, tuberculose;
  • cirurgias de coluna;
  • traumas;
  • hemorragias intra-tecais;
  • substâncias injetadas no espaço subaracnóideo — como meios de contraste (o risco é consideravelmente reduzido com meios de contraste hidrossolúveis e não-iônicos), agentes anestésicos e corticoides.

O processo inflamatório que ocorre na aracnoidite adesiva é dividido em 3 fases. Na primeira fase, as raízes nervosas apresentam-se edemaciadas e hiperemiadas, preenchendo por completo o espaço subaracnóideo. Ocorre proliferação de fibroblastos e deposição de fibrina recobrindo as raízes nervosas e as meninges, provocando aderência entre elas. Na fase seguinte as raízes retomam seu tamanho normal, mas a proliferação fibroblástica perpetua-se, agora com deposição de colágeno, aumentando a aderência. A última fase traduz-se por uma grave atrofia nervosa e preponderância de tecido colágeno cicatricial, que envolve as raízes e as torna aderentes à parede do saco dural. Em alguns casos, a reação inflamatória é tão exuberante que o tecido cicatricial ocupa por completo o espaço subaracnóideo.

Diagnóstico da aracnoidite espinhal

O diagnóstico é considerado na presença de sintomas neurológicos como paresia, parestesia, dor, disfunção vesical e intestinal, cefaleia, diplopia, associado a exame de imagem. O diagnóstico radiológico é feito por tomografia computadorizada com contraste intravenoso ou ressonância nuclear magnética (o uso de imagens axiais ponderadas por T1 é o método mais eficiente). Os diagnósticos diferenciais frequentemente associados são tumores da medula espinhal, síndrome da cauda equina, aracnoidite ossificante e siringomielia.

Saiba mais: Dia Mundial da Tuberculose: tuberculose no SNC

Infelizmente, não há cura para a aracnoidite espinhal, tornando o tratamento difícil tanto para o médico quanto para o paciente. O alívio completo da dor e dos sintomas neurológicos permanecem impossíveis na maioria dos casos. Os métodos de tratamento incluem o controle da dor com analgésicos, anti-inflamatórios, opioides, estimulação direta da medula espinhal através de dispositivo com dois eletrodos colocados por via subcutânea, e em casos graves, a remoção cirúrgica do tecido cicatricial. A intervenção cirúrgica é considerada o último recurso especialmente porque a prevenção de novas cicatrizes é imprescindível para esses pacientes em estágio mais avançado, geralmente com a cicatriz retornando após um curto período de tempo.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Wright MH, Denney LC. A comprehensive review of spinal arachnoiditis. Orthop Nurs. 2003 May-Jun;22(3):215-9; quiz 220-1. doi: 10.1097/00006416-200305000-00010
  • Ribeiro C, Reis FC. Aracnoidite adesiva lombar [Adhesive lumbar arachnoiditis]. Acta Med Port. 1998 Jan;11(1):59-65. Portuguese. PMID: 9542180
Compartilhar
Publicado por
Bruno Vilaça

Posts recentes

Hematoma subdural: caso clínico na emergência [podcast]

Neste episódio, o Dr. Felipe Nóbrega vai falar sobre o hematoma subdural no contexto de…

6 horas atrás

Acometimento neurológico em crianças com síndrome hemolítico-urêmica típica: dados de uma revisão retrospectiva

A síndrome hemolítico-urêmica (SHU) é um quadro grave, sendo a principal causa de insuficiência renal…

6 horas atrás

Anestesia e hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma das doenças endócrinas mais comuns e caracterizado pela baixa atividade da…

7 horas atrás

Cinco dicas para falar sobre fertilidade com seus pacientes

De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres…

8 horas atrás

CHEST 2021: Abordagem da fístula aérea persistente em pacientes com pneumotórax

Pacientes com pneumotórax são cada vez mais comuns dentro da UTI, especialmente no contexto da…

9 horas atrás

CHEST 2021: Tratamento cirúrgico no DPOC: quando e como indicar?

A DPOC acomete milhões de pessoas em todo o mundo e é a terceira maior…

10 horas atrás