Infectologia

As mãos dos pacientes como fontes de bactérias multirresistentes

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

E continuam sendo publicadas as novidades sobre potenciais meios de manutenção ou elevação das taxas de contaminação por bactérias multirresistentes em ambiente hospitalar. Dessa vez esses germes foram encontrados em níveis significativos na superfície das mãos dos próprios pacientes.

Em Michigan, EUA, Mody e colaboradores (2019) avaliaram pacientes admitidos dentro de 24 horas em dois hospitais quanto a presença de bactérias multirresistentes nas narinas, na superfície da mão dominante, e em superfícies ambientais de maior frequência de toque dos pacientes com as mãos. As amostras foram coletados nos dias 0, 3, 7 e semanalmente até a alta.

Nesse estudo observacional na forma de um coorte prospectivo, um total de 399 pacientes admitidos no setor de medicina geral foi incluído no período entre fevereiro e julho de 2017, 56 (14%) pacientes estavam colonizados com bactérias multirresistentes na admissão, e 40 (10%) apresentavam esses patógenos colonizando as mãos. Vinte e nove porcento dos quartos apresentavam positividade para tais germes.

Leia também: Infecções por enterobactérias resistentes a carbapenêmicos: estratégias atuais

Um achado importante indicou que 14 pacientes (6%) adquiriram esses patógenos multirresistentes e apresentaram positividade nas amostras obtidas das mãos durante a internação, definindo uma taxa de aquisição de 24,6/1000 pacientes-dia, e dos quartos com uma taxa de 58,6/1000 pacientes-dia. Através da análise de clonalidade pela técnica de eletroforese em campo alternado (Pulsed-field gel electrophoresis, PFGE), observou-se que as cepas isoladas das mãos e do ambiente ao redor do paciente apresentavam ata correlação genotípica.

Dentre os pacientes colonizados, 57% (32/56) apresentaram Staphylococcus aureus resistente a meticilina, 36% (20/56) possuíam bacilos gram negativos multirresistentes (Acinetobacter spp. e Pseudomonas aeruginosa) e 14% (8/56) albergavam enterococos resistentes à vancomicina.

Tais resultados foram divulgados recentemente no Clinical Infectious Diseaes (2019) pelo grupo de pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Michigan, e confirmam a necessidade da implementação de protocolos de lavagem de mãos também para os pacientes já na admissão, no intuito de prevenir a disseminação da multirresistência no ambiente hospitalar.

É médico e quer escrever para o Portal PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Istenes N, Bingham J, Hazelett S, Fleming E, Kirk J. Patients’ potential role in the transmission of health care-associated infections: prevalence of contamination with bacterial pathogens and patient attitudes toward hand hygiene. Am J Infect Control 2013; 41:793–8.
  • Mody L, Washer LL, Kaye KS, Gibson K, Saint S, Reyes K, Cassone M, Mantey J, Cao J, Altamimi S, Perri M, Sax H, Chopra V, Zervos M. 2019. Multidrug-resistant Organisms in Hospitals: What Is on Patient Hands and in Their Rooms? Clin Infect Dis. 2019 Apr 13. pii: ciz092.
  • Landers T, Abusalem S, Coty MB, Bingham J. Patient-centered hand hygiene: the next step in infection prevention. Am J Infect Control 2012; 40:S11–7.
Compartilhar
Publicado por
Rafael Duarte

Posts recentes

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

10 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

11 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

12 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

13 horas atrás

Dor no ombro após cirurgia de vesícula: foi a posição?

A dor no ombro é uma queixa bastante frequente após a cirurgia laparoscópica. Foi estudada…

14 horas atrás

Micofenolato de mofetila no manejo inicial da púrpura trombocitopênica imune

Púrpura trombocitopênica imune é uma condição autoimune que autoanticorpos antiplaquetários promovem a destruição das plaquetas…

15 horas atrás