Colunistas

As novidades para tratamento dos principais tumores geniturinários da ASCO

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Entre os dias 8 e 10 de fevereiro deste ano, a Sociedade Americana de Oncologia Cínica (ASCO) realizou o seu simpósio anual focado em tumores geniturinários. Neste ano, houve mudanças importantes na conduta e tratamento dos tumores da próstata, rim e urotélio.

Dois estudos analisaram um cenário ainda pouco explorado, mas bastante comum nos casos de câncer da próstata: a doença M0 resistente à castração, ou seja, com elevação do PSA pós-tratamento local, mas sem metástases evidenciadas aos exames de imagem convencionais, e já resistentes à terapia de privação androgênica. Os estudos PROSPER (1) e SPARTAN (2) analisaram, respectivamente, o benefício da Enzalutamida e da Apalutamida, dois bloqueadores androgênicos de nova geração versus o placebo neste cenário, mostrando um benefício muito semelhante, com um aumento na sobrevida livre de metástases em dois anos de 71% para o estudo PROSPER e 72% para o estudo SPARTAN. Os dados para sobrevida global ainda não estão maduros o suficiente, mas também mostram tendência de benefícios para ambos os tratamentos.

Screening do câncer de próstata: a luta continua

O estudo IMmotion 151 (3), apresentado pelo lendário Robert Motzer, mostrou que o tratamento em primeira linha do carcinoma de células renais metastático combinando os anticorpos anti-VGFR Bevacizumabe e anti-PDL1 Atezolizumabe aumenta a sobrevida livre de progressão versus o tratamento padrão com sunitinibe em todos os subgrupos, com especial destaque para os pacientes com tumores positivos para o PD-L1, no qual o benefício foi a diminuição no risco de progressão em 36%.

Por último, mas certamente muito importante, temos o primeiro estudo prospectivo, fase III, randomizado, que avaliou o benefício do tratamento peroperatório para os pacientes com carcinoma urotelial de trato alto. Trata-se do estudo POUT (4), que evidenciou o benefício de quatro ciclos de quimioterapia adjuvante com cisplatina ou carboplatina combinadas a gencitabina, com uma diminuição na sobrevida livre de progressão de 51%, tornando-se assim o novo padrão de tratamento para estes casos.

Enfim, 2018 começa com muitas novidades para o tratamento dos tumores geniturinários. Esperamos que muitas outras venham, trazendo maiores benefícios para os nossos pacientes.

Tenha sempre condutas atualizadas na sua mão! Baixe gratuitamente o Whitebook.

Referências:

  1. J Clin Oncol 36, 2018 (suppl 6S; abstr 3)
  2. J Clin Oncol 36, 2018 (suppl 6S; abstr 161)
  3. J Clin Oncol 36, 2018 (suppl 6S; abstr 578)
  4. J Clin Oncol 36, 2018 (suppl 6S; abstr 407)
Compartilhar
Publicado por
Diogo Rodrigues

Posts recentes

WONCA 2022: veja a cobertura completa do congresso internacional de medicina de família

A conferência europeia da Organização Mundial de Médicos de Família (WONCA 2022) acontece em Londres…

10 minutos atrás

Síndrome de Ramsay Hunt: o que preciso saber?

Em 1907, James Ramsay Hunt descreveu diversos casos médicos que hoje configuram a Síndrome de…

33 minutos atrás

É possível a redução e suspensão dos anti-TNF em pacientes com espondiloartrites e artrite psoriásica?

O uso de anti-TNF está relacionado ao aumento no risco de infecções e reações, além…

2 horas atrás

WONCA 2022: 7 valores centrais sobre o que é exercer medicina de família

O segundo dia do WONCA 2022 teve um marco histórico para a construção da identidade…

3 horas atrás

WONCA 2022: Uso da inteligência artificial na APS pode solucionar o problema do acesso?

Foi apresentado no WONCA 2022 uma alternativa para o uso da inteligência artificial para a…

3 horas atrás

Junho vermelho: tire suas dúvidas e seja doador de sangue

A campanha junho vermelho foi criada pela OMS com o objetivo incentivar e sensibilizar a…

4 horas atrás