Página Principal > ABRAMEDE 2018 > Asma grave: quando intubar e como preparar o paciente? [ABRAMEDE 2018]
asma

Asma grave: quando intubar e como preparar o paciente? [ABRAMEDE 2018]

Tempo de leitura: 2 minutos.

Ao intubar um paciente com asma, já espera-se que ele apresente uma piora. Em geral, o asmático tem uma hiperreatividade brônquica e é hipersecretivo, então a presença de um tubo orotraqueal causa mais broncoconstrição e piora o quadro respiratório. Os cuidados durante a intubação podem ajudar muito os desfechos desses estados clínicos. Esse foi um dos temas da palestra “Asma Grave”, com moderação de Filadelfia Passos Rodrigues Martins:

Quando o médico deve proceder com a intubação orotraqueal (IOT)?

Para saber o momento correto, deve-se usar a regrinha mnemônica: o ABC da intubação orotraqueal no asmático.

A) alteração do estado mental.
B) breathing: refere-se às manifestações de que a respiração não está bem, ou seja, hipóxia e hipocapnia (marcadores de gravidade importantes no curso da asma).
C) curso desfavorável: pacientes que estão deteriorando, assumindo um curso desfavorável. Determinar esse curso desfavorável é o mais difícil.

Nessa avaliação do paciente é fundamental o uso de um aparelho de Peak flow, que hoje tem um preço acessível e fornece bastante informação ao profissional. O aparelho mede o pico de fluxo respiratório do paciente e as medidas sucessivas oferecem um bom parâmetro de como está a respiração do mesmo.

Ventilação não invasiva (VNI)

A ventilação não invasiva continua sendo um tema controverso. Na prática diária, seu uso é comum e eficaz, diminuindo a acidose e hipercapnia, mas um alerta: a VNI não deve retardar a IOT. Se o paciente está evoluindo mal, não deve-se retardar sua intubação, que é o que realmente resolverá o problema.

Recomendações para intubação do asmático

A melhor técnica para IOT é a de sequência rápida: pré-oxigenação, uso de sedativo e bloqueio neuromuscular. Quando falamos de sequência rápida no asmático, o melhor sedativo é, sem dúvidas, a cetamina, um potente broncodilatador, que ajuda na reversão do quadro asmático. Como bloqueador neuromuscular, a recomendação atual é pelo rocurônio.

Outro aspecto importante durante a pré-intubação: a VNI é um recurso interessante para pré-oxigenar o paciente e a pré-oxigenação sem VNI não é tão efetiva. Lembrar de utilizar continuamente o broncodilatador.

DICA IMPORTANTE: pensando em IOT no asmático, a escolha do tamanho do tubo é muito importante. Nesses casos, nunca use um tubo menor que o 8 (com exceção de pacientes pediátricos).

MAIS DO CONGRESSO ABRAMEDE 2018

Lombalgia:

Sepse:

Trauma:

Cetoacidose diabética:

Síndrome coronariana aguda:

Asma grave:

A PEBMED ESTÁ NO ABRAMEDE 2018

Entre os dias 25 e 28 de setembro, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) promove em Fortaleza (CE) a 6ª edição do maior Congresso de Medicina de Emergência Adulto e Pediátrico da América Latina. O evento conta com workshops, cursos e palestras com os maiores especialistas da área. A PEBMED está em Fortaleza e vamos publicar aqui no Portal com exclusividade as principais novidades do evento.

Autor:

Eduardo Cardoso de Moura

Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Residência em Clínica Médica pela UFRJ ⦁ Diretor de Conteúdo e Co-fundador da PEBMED

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.