Enfermagem

Assistência de enfermagem em acidentes ofídicos

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Os acidentes ofídicos têm importância na atenção básica em virtude de sua frequência e gravidade no Brasil. A padronização atualizada de condutas de diagnóstico e tratamento dos acidentados é imprescindível. As equipes de saúde, com frequência considerável, não recebem informações desta natureza durante os cursos de graduação ou no decorrer da atividade profissional.

A faixa etária mais acometida pelo ofidismo é entre 15-29 anos, que corresponde ao grupo etário onde se concentra a força de trabalho. Além disso, a prevalência no sexo masculino é de 70%. Os membros inferiores os locais mais atingidos pelas picadas, seguido pelos membros superiores, com índices de 70% e 15%, respectivamente.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Tipos de acidentes ofídicos

No que tange aos tipos de acidentes ofídicos, os mais comuns em território nacional são:

  • Acidente Botrópico (70%)
  • Acidente Crotálico (6%)
  • Acidente Laquético (1%)
  • Acidente por Micrurus (menos de 1%).

O índice nacional de óbitos dos acidentes ofídicos é de, aproximadamente, 0,5%, onde o maior ocorre em acidentes crotálicos com quase 2% de índice de letalidade.

A identificação do animal causador do acidente é de grande importância. Isso possibilita a dispensa imediata da maioria dos usuários picados por serpentes não peçonhentas e viabiliza o reconhecimento das espécies de importância médica em âmbito regional. Além disso, é uma medida auxiliar na indicação mais precisa do soro a ser administrado.

A fosseta loreal é importante para uma rápida identificação das serpentes, que causam 99% dos acidentes no Brasil e em outros países da América Latina. A fosseta loreal localiza-se entre o olho e a narina das serpentes, e é um órgão sensorial termorreceptor. Outra característica das serpentes peçonhentas é a presença de dentes inoculadores bem desenvolvidos e móveis situados na porção anterior do maxilar. Além disso, o tipo de cauda também pode ser crucial para identificação. 


In manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos, 2ª ed, 2001.

LEIA TAMBÉM: Você sabe tratar uma picada por aranha marrom?

Os cuidados de Enfermagem relacionados aos acidentes ofídicos na Atenção Básica incluem:

  • Manter membro picado elevado e estendido;
  • Avaliar sinais vitais;
  • Estratégias de controle da dor;
  • Controle de infecção higienizando o local da picada;
  • Precauções contra sangramentos;
  • Notificar casos de acidentes ofídicos na ficha para notificação de acidente por animais peçonhentos (SINAN);
  • Investigar através do caso que chegar à unidade, se a família e vizinhos também estão em risco de acidentes ofídicos;
  • Investigar outros casos na região;
  • Promover atividades de educação em saúde para a população, principalmente se ocorre muitos casos de acidentes ofídicos na região;
  • Encaminhar casos de maior complexidade para unidades de referência.

Como medida de primeiros socorros, é importante lavar o local da picada apenas com água ou com água e sabão. E, também, manter o paciente deitado, hidratado e procurar o serviço médico mais próximo. Se possível, levar o animal para identificação.

Medidas como o torniquete, sucção do local picado, incisão e aplicação de substâncias não são recomendadas. Elas podem aumentar a concentração do veneno no local, além de poder causar contaminação do membro onde ocorreu o acidente, possibilitando um processo infeccioso.

Baixe o aplicativo Nursebook e acesse os principais diagnósticos e cuidados de Enfermagem!

Autor: 

Referências:

  • Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília : Ministério da Saúde, 2017; 3(1).
  • Leis LV, Chebabo A. Diretrizes Diagnósticas de Acidentes com Animais Peçonhentos. Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.
  • Andrade A, et al. Animais de Laboratório: criação e experimentação[online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002:388.
Compartilhar
Publicado por
Rafael Polakiewicz

Posts recentes

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

7 horas atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

11 horas atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

1 dia atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

1 dia atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

1 dia atrás

Destaque das diretrizes no manejo do tabagismo

O tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Atualmente são cerca de…

1 dia atrás