ATLS 10: conheça novidades na abordagem do trauma pélvico

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Pacientes com hipotensão e fraturas pélvicas apresentam alto índice de mortalidade, sendo a tomada de decisão rápida e segura para obter melhores desfechos. Seguindo nossa série de postagens sobre o ATLS 10, iremos agora comentar sobre o manejo deste tipo de trauma e as novidades da nova edição.

O manejo inicial do choque hipovolêmico associado com uma grande ruptura pélvica requer controle rápido da hemorragia e ressuscitação volêmica. O controle da hemorragia é alcançado por meio da estabilização mecânica do anel pélvico e contrapressão externa.

Caso o paciente seja avaliado em um local com poucos recursos para tratamento definitivo do trauma pélvico, deve-se estabilizar a pelve antes da transferência. Há dispositivos específicos para a estabilização, na ausência destes, pode-se utilizar um lençol. Devem-se monitorar cuidadosamente os pacientes com ligantes pélvicos com relação à ulcerações de pele.

O cuidado ideal de pacientes com anormalidades hemodinâmicas relacionado à fratura pélvica exige uma equipe de cirurgiões traumatologistas, cirurgiões ortopédicos e radiologistas intervencionistas ou cirurgiões vasculares.

Leia mais: ATLS 10: confira novidades sobre choque e reposição volêmica

A embolização angiográfica é freqüentemente empregada na tentativa de cessar a hemorragia arterial relacionada às fraturas pélvicas. Tamponamento pré-peritoneal é um método alternativo para controlar hemorragia pélvica quando a angioembolização é retardada ou indisponível. Este procedimento consiste em realização de uma incisão vertical infra-umbilical com cerca de 10 cm e colocação de três compressas grandes ao longo do bordo superior da pequena bacia, bilateralmente.

O tratamento definitivo do trauma pélvico varia, mas o ATLS 10 trouxe um algoritmo de abordagem atualizado (na edição anterior, o tamponamento pélvico pré-peritoneal não era considerado do no algoritmo especificamente):

Abordagem inicial do trauma pélvico

trauma pelvico
Adaptado de ATLS 10

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar