Pneumologia

ATS 2022: Atualizações do GINA 2022

Tempo de leitura: 2 min.

Entre os destaques do ATS 2022 nas doenças obstrutivas, muitas conferências debateram as principais mudanças no novo consenso da Iniciativa Global para a Asma 2022 (GINA). As principais mudanças ocorrem no manejo de pacientes com asma grave.

Atualizações 

O Tezepelumab, um anti-TSLP, conhecido como alarminas, que apresenta boa eficácia e segurança, já foi incluído no novo consenso, e pode ser utilizado para pacientes com resposta T2 ou não T2, sobretudo no paciente com asma grave. Além disso, a preocupação com biomarcadores como eosinófilos e o FeNO (fração exalada do óxido nítrico) não parece ser tão importante no manejo da droga. Assim como o tezepelumab, o dupilumab, um anti-IL4 e anti-IL13, foi aprovado para crianças na faixa etária a partir de seis anos pelas agências de regulação americanas.

O uso de corticoides inalatórios ainda permanece como a principal forma de tratamento e deve estar presente desde a etapa 1, mesmo sob demanda, até a etapa 5. O GINA ainda coloca a expansão com melhoria e acesso do tratamento em pacientes de baixa e média renda, reforçando que o beta agonista isolado como o salbutamol pode ser utilizado em associação com algum corticoide inalatório, não apenas a combinação formoterol-budesonida.

Ainda sobre a combinação budesonida-formoterol, é interessante lembrar que ela não é aprovada para a idade escolar entre seis a onze anos. Nessa faixa etária o ideal permanece sendo o uso de beclometasona e salbutamol para asma leve. Na faixa etária pediátrica também não há indicação de uso apenas de salbutamol, ou seja, broncodilatadores de ação curta (SABA) isoladamente. O tratamento sempre deve envolver o uso de corticoide inalatório. Quanto maior o uso do SABA, mesmo na asma leve, maior o risco de exacerbações.

Para o futuro, em 2023, há uma expectativa para discussão e revisão dos conceitos de asma leve, imunoterapia, e uma revisão do tratamento da asma grave em crianças. Estudos de vida real serão capazes de dizer o verdadeiro efeito dos imunobiológicos no tratamento desses pacientes, sejam crianças ou adultos.

Mensagens práticas

  • Os avanços no tratamento da asma grave avançam sobretudo na imunoterapia;
  • Tratamentos como Tezepelumab já podem usados para asma com reação T2 ou não-T2;
  • No Brasil, o Tezepelumab ainda não está disponível para uso;
Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi

Posts recentes

Quando pensar em traumatismo por abuso em crianças? (caso clínico)

Como reconhecer um caso de traumatismo por abuso em crianças? No clinical drops, você recebe…

13 horas atrás

WONCA 2022: Congresso abre discussões sobre importância da Medicina da Família em tempos atuais

Acompanhe a cobertura completa do congresso internacional de medicina de família (WONCA 2022) aqui no…

17 horas atrás

O impacto de dez comorbidades na mortalidade por SDRA

Estima-se que a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) representa 10,4% do total de internações…

17 horas atrás

CDC aprova o uso da vacina Moderna contra covid-19 para crianças de 6 a 17 anos

O CDC aprovou, por unanimidade, o uso da vacina contra covid-19 da Moderna para crianças…

18 horas atrás

Qual o melhor tratamento para a artrite reumatoide? Estudo de vida real compara DMARDs biológicos e sintéticos alvo específicos

Estudo que comparou a efetividade de quatro diferentes bDMARDs e tsDMARDs no tratamento da artrite…

21 horas atrás

Caso raro: em cirurgia inédita no Brasil, médica queima tumor de bebê dentro do útero materno

Em cirurgia inédita no Brasil, um bebê de 29 semanas de gestação passou por um…

22 horas atrás