Saúde Pública

Atualização das Listas de Medicamentos Essenciais da OMS prioriza acesso a tratamentos para diabetes e câncer

Tempo de leitura: 3 min.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma nova edição de suas Listas Modelos de Medicamentos Essenciais e Pediátricos Essenciais, que incluem novos tratamentos para diversos tipos de câncer, análogos de insulina e medicamentos orais para diabetes, para inibir a vontade de fumar, além de antimicrobianos para tratar infecções bacterianas e fúngicas graves.

No total, são 20 novos fármacos para adultos e 17 para crianças e especificam novos usos para 28 itens já listados.

As listas, atualizadas a cada dois anos, visam abordar as prioridades mundiais de saúde, identificando os remédios que proporcionam os maiores benefícios e que deveriam estar disponíveis e acessíveis mundialmente.

Leia também: Valores de bolsas de residência terão reajuste de 23,29% a partir de 2022

No entanto, os altos preços dos novos medicamentos patenteados quanto dos mais antigos, como a insulina, continuam mantendo alguns fármacos essenciais fora do alcance de muitas pessoas, principalmente nos países mais pobres, como a Índia.

Diabetes

Entre as novidades da lista estão as insulinas de ação prolongada degludec, detemir e glargina e seus biossimilares, que foram incluídas com a finalidade de aumentar o acesso ao tratamento, ampliando as escolhas para os pacientes com diabetes. A agência ressaltou que a qualidade de vida dos pacientes melhora com uma maior flexibilidade na dosagem dos análogos da insulina.

Para a diabetes tipo 2, a lista contém os chamados inibidores do cotransportador de glicose de sódio 2, SGLT2. Desse grupo, a empagliflozina, canagliflozina e dapagliflozina serão usados como terapia de segunda linha em adultos. Estes medicamentos, quando administrados por via oral, demonstraram oferecer diversos benefícios, incluindo um menor risco de óbito, insuficiência renal e eventos cardiovasculares.

A OMS observou que a produção de insulina está concentrada em um pequeno número de fábricas e três fabricantes controlam a maior parte do mercado global, com a falta de concorrência resultando em preços altos proibitivos para muitas pessoas e sistemas de saúde.

“Muitas pessoas que precisam de insulina enfrentam dificuldades financeiras para acessá-la ou ficam sem ela e perdem a vida. Incluir análogos de insulina na Lista de Medicamentos Essenciais, juntamente com esforços para garantir acesso acessível a todos os produtos de insulina e expandir o uso de biossimilares, é um passo vital para garantir que todos que precisam deste produto salva-vidas possam acessá-lo”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Câncer

Em relação ao câncer, a agência destacou que a enfermidade está entre as que mais enfermam ou matam pessoas no mundo. Em 2020 causou 10 milhões de óbitos. Cerca de 70% ocorreram em países de baixa e média rendas.

Quatro novos medicamentos para tratamento de câncer foram adicionados às listas de modelos: enzalutamida, como alternativa à abiraterona, para câncer de próstata; everolimus, para astrocitoma de células gigantes subependimárias (SEGA), um tipo de tumor cerebral em crianças; ibrutinibe, um medicamento direcionado para leucemia linfocítica crônica; e rasburicase, para a síndrome de lise tumoral, uma complicação séria de alguns tratamentos de câncer.

A OMS apontou avanços recentes com medicamentos para abordar características moleculares específicas do tumor em diferentes tipos de câncer, alguns dos quais com resultados muito melhores do que a quimioterapia tradicional.

Outras inclusões

Para o caso de doenças infecciosas, infecções bacterianas comuns, hepatite C, HIV e tuberculose os novos elementos visam melhorar a resposta a necessidades de dosagem e administração de crianças e adultos.

Dois medicamentos não baseados em nicotina foram incluídos: a bupropiona e a vareniclina que se juntam à terapia de reposição apresentada na nova listagem da agência.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referência bibliográfica:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Status de neurodesenvolvimento aos seis meses de idade em crianças com e sem exposição ao SARS-CoV-2

Um estudo avaliou a exposição fetal intrauterina ao SARS-CoV-2 e o neurodesenvolvimento de lactentes aos…

4 horas atrás

Anvisa confirma terceiro caso de Candida auris no Brasil

A Anvisa confirmou o terceiro caso de Candida auris no Brasil, desta vez em um…

1 dia atrás

Abramed alerta para ameaça de desabastecimento de insumos para testes de Covid-19

A Abramed orientou sobre a utilização criteriosa de testes para evitar risco de redução de…

2 dias atrás

Preditor de falha do tratamento conservador na apendicite aguda

Recentemente foram publicados estudos que tinham como objetivo verificar o tratamento isolado com antibioticoterapia para…

2 dias atrás

Análise bibliográfica destaca os 100 artigos mais influentes em doença cardíaca congênita em 20 anos

Uma recente análise bibliográfica publicada mapeou duas décadas de pesquisa em doença cardíaca congênita (DCC).

2 dias atrás

Neutralização plasmática pela variante ômicron na covid-19

Durante esses quase três anos de pandemia, o vírus inicial sofreu diversas mutações, sendo a…

2 dias atrás