Pneumologia

Atualização sobre DPOC: o que dizem as principais diretrizes

Tempo de leitura: 3 min.

A DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica) é uma doença extremamente heterogênea e complexa, com muitos indivíduos apresentando fenótipos diferentes e características semelhantes. Muito além da função pulmonar, fatores como baixa capacidade de exercício, exacerbações e hospitalizações são fatores preditores de prognóstico e mortalidade e é importante conhecê-los para a individualização do tratamento.

Saiba mais: SUS terá novo tratamento para doença pulmonar obstrutiva crônica

Diretrizes e estudos

Segundo as novas diretrizes do GOLD 2021, o tratamento precisa ser individualizado levando-se em conta risco de exacerbações e a intensidade de sintomas. A terapia broncodilatadora ainda permanece como o cerne do tratamento, sendo a terapia tripla indicada em casos selecionados. Estudos recentes com análises post-hoc demonstraram redução de mortalidade por todas as causas em pacientes utilizando a terapia tripla em relação a terapia dupla, sobretudo em pacientes com história concomitante de asma, eosinófilos acima de 300 e duas ou mais exacerbações moderadas no último ano. Além disso, aqueles com carga tabágica muito elevada e tabagistas ativos têm pior resposta à terapia broncodilatadora, especialmente em relação ao uso de corticoides inalatórios. 

O uso de opioides para controle de dispneia nessa população ainda precisa ser melhor estudado, já sendo bastante utilizados em fases avançadas da doença. Drogas como corticoide oral de manutenção não devem ser utilizadas e a oxigenoterapia domiciliar com o mínimo de 15h/dia deve ser indicada para aqueles hipoxêmicos. Pode-se avaliar uso de oxigênio durante atividades físicas, não havendo benefício em oxigenoterapia noturna exclusivamente. Pacientes retentores com quadros crônicos podem ter benefício de uso de ventilação não invasiva domiciliar em dois níveis de pressão.

A reabilitação pulmonar é indicada para todos os pacientes e estudos mais recentes encontraram melhora na capacidade física com a utilização de cateter nasal de alto fluxo e máscaras com reservatório durante a reabilitação em pacientes com DPOC grave e hipoxemia. Em relação à vacinação, além das vacinas contra influenza e pneumocócica já conhecidas, vale a pena lembrar que esses indivíduos devem ser vacinados contra a Covid-19 e também contra a coqueluche. Quanto à prevenção da doença, a queima de biomassa ainda é um fator importante no Brasil, sobretudo a exposição à fumaça intradomiciliar.

Recentemente, o uso de cigarros eletrônicos chamou a atenção para o surgimento do EVALI (Injúria Pulmonar relacionada ao uso de cigarros eletrônicos) e os dados ainda são controversos, porém há uma tendência ao aumento de risco para surgimento de DPOC. Com isso, não há recomendação de substituição de cigarros convencionais pelos eletrônicos. 

Foi acrescentado no GOLD 2021 fatores que aumentam o risco para desenvolvimento de câncer de pulmão, sendo eles: idade acima de 55 anos, carga tabágica acima de 30 maços/ano, presença de enfisema na tomografia, redução da relação VEF1/CVF, IMC < 25 kg/m2 e história familiar de câncer de pulmão.

Em relação à Covid-19, há a indicação de testagem de todos os pacientes que apresentam deterioração dos sintomas e o tratamento segue as mesmas recomendações para pacientes sem DPOC.

Leia também: Efeitos adversos associados ao uso de cigarro eletrônico por gestantes

Mensagens práticas

  • A cessação de tabagismo, vacinação e reabilitação são fundamentais para complementar o tratamento farmacológico;
  • Corticóide inalatório parece ter mais benefício para aqueles com eosinófilos mais altos e exacerbadores;
  • A terapia tripla não é indicada para todos os pacientes com DPOC. Precisamos individualizar caso a caso.

Autor:

Referências:

  • 2021 Global Strategy for Prevention, Diagnosis and Management of COPD;
  • Vitacca M, et al; Associazione Italiana Riabilitatori Insufficienza Respiratoria and Associazione Italiana Pneumologi Ospedalieri rehabilitation group. High-Flow Oxygen Therapy During Exercise Training in Patients With Chronic Obstructive Pulmonary Disease and Chronic Hypoxemia: A Multicenter Randomized Controlled Trial. Phys Ther. 2020 Aug 12;100(8):1249-1259. doi: 10.1093/ptj/pzaa076. PMID: 32329780.
  • Ergan B, et al. European Respiratory Society guidelines on long-term home non-invasive ventilation for management of COPD. Eur Respir J. 2019 Sep 28;54(3):1901003. doi: 10.1183/13993003.01003-2019. PMID: 31467119.
  • Jacobs SS, et al. Home Oxygen Therapy for Adults with Chronic Lung Disease. An Official American Thoracic Society Clinical Practice Guideline. Am J Respir Crit Care Med. 2020 Nov 15;202(10):e121-e141. doi: 10.1164/rccm.202009-3608ST. Erratum in: Am J Respir Crit Care Med. 2021 Apr 15;203(8):1045-1046. PMID: 33185464; PMCID: PMC7667898.
Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi

Posts recentes

Mão-pé-boca: doença do verão

No verão, o número de casos de crianças com a doença mão-pé-boca aumenta. O blog…

13 horas atrás

Sobrecarga médica no cenário atual da Covid-19

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, confira sobre o cenário atual da Covid-19…

14 horas atrás

Medicina Baseada em Evidências: como não afundar no oceano de informações?

A 7 edição da Revista PEBMED será sobre Medicina Baseada em Evidências. Aqui, mapeamos os caminhos…

15 horas atrás

Encefalopatia hepática encoberta: o que é?

A encefalopatia hepática é uma alteração metabólica e reversível de déficit cognitivo ou alteração de…

16 horas atrás

Análise sobre doenças respiratórias em crianças após o relaxamento do isolamento social

Um estudo avaliou o surto de doenças respiratórias em crianças que seguiram às medidas de…

17 horas atrás

Fechamento do apêndice atrial: alternativa eficiente para pacientes com FA e alto risco de sangramento

A oclusão do apêndice atrial, seja percutânea, seja cirúrgica, mostrou sucesso semelhante as drogas anticoagulantes.

18 horas atrás