Ginecologia e Obstetrícia

Avaliação placentária através do Doppler das artérias umbilicais

Tempo de leitura: 2 min.

A placenta é um órgão muito importante para uma gravidez saudável, porém, é pouco estudada ou debatida entre os médicos. Lembrando que 50% das restrições de crescimento intra-uterino são causadas devido alguma patologia placentária. Por isso, hoje trouxe um artigo publicado em março de 2021 pela revista Elsevier para discutirmos novas possibilidades de avaliação placentária, com o objetivo de melhorarmos a assistência prestada ao binômio gestante e feto. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

O artigo

Os pesquisadores usaram o formato das ondas formadas pelo Doppler das artérias umbilicais para correlacionar clinicamente com resistência vascular placentária, estratificando o risco da gestante de desenvolver uma patologia vascular placentária. Foi desenvolvido uma nova técnica, na qual o Doppler das artérias umbilicais era feito próximo ao feto e próximo a placenta, em ambas as artérias. Depois, as ondas foram jogadas em um gráfico, no qual o autor do artigo chamou de “ondas refletidas”. As pacientes com patologia vascular placentária apresentaram ondas refletidas” mais largas do que as pacientes sem essa patologia, concluindo que esse pode ser um método para predizer patologia vascular placentária.

Um fator limitante do estudo é a técnica empregada, pois é mais demorada para o ultrassonografista. Avaliar as duas artérias umbilicais em dois lugares diferentes não faz parte da rotina e pode demandar mais tempo, podendo prejudicar a qualidade do exame. Além disso, novos estudos precisam ser feitos com um número de gestantes maior para que esse novo método seja usado como rotina na medicina fetal. 

Leia também: Estímulo contínuo ou descontínuo na fase ativa do parto

Considerações sobre a avaliação placentária

Acredito que logo teremos mais novidades sobre esse assunto, afinal, cada vez mais tem se escutado falar sobre o uso do Doppler no terceiro trimestre de gestação para avaliação de vitalidade fetal e predição de restrição de crescimento, oligohidramnio e morte súbita intra-uterina. Portanto, vamos ficar atentos aos novos artigos publicados, para que logo possamos introduzir na nossa rotina o Doppler com esse fim. 

Autora:

Referência bibliográfica:

  •  Cahill S. Lindsay, et al. Wave reflections in the umbilical artery measured by Doppler ultrasound as a novel predictor of placental pathology. The Lancet. Published: May 04,2021. doi: https://doi.org/10.1016/j.ebiom.2021.103326

 

Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

A sustentação de carga ou mobilidade precoce após fraturas de tornozelo aumentam a chance de complicações?

As fraturas de tornozelo são lesões ortopédicas comuns, sendo tratadas, quando há indicação cirúrgica, com…

31 minutos atrás

Qual a melhor opção de troca valvar aórtica em pacientes renais com estenose da valva?

Foi realizada uma análise de subgrupo para avaliar os desfechos da troca valvar cirúrgica e…

2 horas atrás

27 de setembro: Dia Nacional da Doação de Órgãos

O Dia Nacional da Doação de Órgãos visa conscientizar sobre a importância das doações e,…

2 horas atrás

Cirurgia bariátrica passa a ser classificada como eletiva essencial pelo Ministério da Saúde

A cirurgia bariátrica foi classificada como um procedimento eletivo essencial pelo Ministério da Saúde e,…

4 horas atrás

Uso de paracetamol durante a gestação deve ser cauteloso

Estudo analisou as repercussões do uso de paracetamol durante a gravidez e seus potenciais efeitos…

5 horas atrás

Doação de órgãos no Brasil: como estamos caminhando durante a pandemia?

O mês de setembro é conhecido como “setembro verde” por incentivar a doação de órgãos…

6 horas atrás