Pneumologia

Avanços no tratamento da fibrose cística

Tempo de leitura: 3 min.

A fibrose cística é uma doença monogênica autossômica recessiva causada por mutações no gene CFTR (Cystic Fibrosis Transmembrane Conductance Regulator), que produzem uma proteína também chamada CFTR e modulam a saída de cloro e entrada de sódio no interior das células, sobretudo nos pulmões. A base do tratamento sempre envolveu o manejo das consequências da doença, como medidas de higiene brônquica e tratamento das exacerbações. Mais recentemente, o surgimento de novas drogas que atuam diretamente na síntese da proteína CFTR vem promovendo uma revolução no tratamento. 

Leia também: Atualização em fibrose pulmonar idiopática

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Medicamentos atuais

Os tratamentos utilizados até o momento como reposição de enzimas pancreáticas, inalações com dornase alfa e solução salina hipertônica para clearance mucociliar, antibióticos inalatórios e azitromicina já contribuem para uma sobrevida média acima de 40 anos para os pacientes com fibrose cística, porém ainda longe de mudar o curso evolutivo da doença. Já existem cerca de 2 mil mutações descritas, sendo cerca de 400 delas potencialmente patogênicas, agrupadas conforme características semelhantes em grupos que variam de I (maior gravidade) a VI (menor gravidade). Os moduladores do CFTR atuam em três mecanismos principais: potenciadores, corretores e corretores de produção. Os potenciadores aumentam a função dos canais de CFTR na membrana celular, sendo o principal representante o Ivacaftor. Os corretores melhoram o processamento e entrega do CFTR na superfície celular, e incluem o Lumacaftor, Tezacaftor e Elexacaftor. Já os corretores de produção são agentes que promovem a leitura através de códigos de interrupção prematura do RNA mensageiro, mas ainda não existem drogas que atuam exatamente neste mecanismo.

As drogas disponíveis atualmente abrangem cerca de 90% das mutações em fibrose cística e podem ser utilizadas por quase todos os pacientes. Estudos recentes mostram ganho de função pulmonar, redução de exacerbações, aumento do tempo até a primeira exacerbação, redução importante da impactação mucoide e da presença de secreção nas bronquiectasias, além de melhora da qualidade de vida e redução de sintomas. No seguimento a longo prazo, houve resposta sustentada das medicações pelo período de uso, com piora do quadro após a suspensão. Outro fator interessante é a normalização da quantidade de cloro no suor nos pacientes tratados, mostrando o efeito fisiológico da droga. A dosagem de cloro no suor é atualmente utilizada como diagnóstico da doença e níveis acima de 60 mmol/L são considerados alterados. 

Saiba mais: Fibrose pulmonar secundária à Covid-19

No SUS, o Ivacaftor já foi aprovado pela CONITEC e aguarda liberação para uso. Há cerca de 70 pacientes no Brasil elegíveis para uso. A terapia tripla (Tezacaftor + Elexacaftor + Ivacaftor) que abrange a maioria dos pacientes ainda é pouco acessível na prática. Estima-se que no seguimento a longo prazo e a maior utilização dessas drogas muitos pacientes não chegarão a desenvolver fibrose cística, o que promoverá uma revolução na história natural da doença.

Mensagens Práticas

  • A Fibrose Cística é uma doença diagnosticada pelo teste do pezinho com potencial de tratamento, não apenas baseado no tratamento de suas consequências;
  • Esses pacientes precisam ser encaminhados a centros de referência para sequenciamento genético e possíveis tratamentos com moduladores de CFTR;
  • Os moduladores de CFTR abrangem quase todos os pacientes com fibrose cística e podem impedir o desenvolvimento da doença se iniciados precocemente.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Ramsey BW, Davies J, McElvaney NG, Tullis E, Bell SC, Dřevínek P, Griese M, McKone EF, Wainwright CE, Konstan MW, Moss R, Ratjen F, Sermet-Gaudelus I, Rowe SM, Dong Q, Rodriguez S, Yen K, Ordoñez C, Elborn JS; VX08-770-102 Study Group. A CFTR potentiator in patients with cystic fibrosis and the G551D mutation. N Engl J Med. 2011 Nov 3;365(18):1663-72. doi: 10.1056/NEJMoa1105185
  • Middleton PG, Mall MA, Dřevínek P, Lands LC, McKone EF, Polineni D, Ramsey BW, Taylor-Cousar JL, Tullis E, Vermeulen F, Marigowda G, McKee CM, Moskowitz SM, Nair N, Savage J, Simard C, Tian S, Waltz D, Xuan F, Rowe SM, Jain R; VX17-445-102 Study Group. Elexacaftor-Tezacaftor-Ivacaftor for Cystic Fibrosis with a Single Phe508del Allele. N Engl J Med. 2019 Nov 7;381(19):1809-1819. doi: 10.1056/NEJMoa1908639
Compartilhar
Publicado por
Guilherme das Posses Bridi

Posts recentes

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

15 horas atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

19 horas atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

1 dia atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

1 dia atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

1 dia atrás

Destaque das diretrizes no manejo do tabagismo

O tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Atualmente são cerca de…

2 dias atrás