Página Principal > Colunistas > AVC isquêmico: escore PREMISE é confiável na previsão do risco de morte?
AVC

AVC isquêmico: escore PREMISE é confiável na previsão do risco de morte?

Tempo de leitura: 2 minutos.

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma das principais causas de debilidade em adultos, e a segunda maior causa de morte em todo mundo. A importância do conhecimento quanto prognósticos desfavoráveis, incluindo a morte, é especialmente aumentada nos dias após o evento agudo. Impacta no manejo e decisões clínicas, como necessidade de prolongar monitorização, até a eventual escolha por retirada de terapias. Além disso, permitiria uma comunicação mais clara entre prestadores de assistência e familiares sobre o possível desfecho do paciente que sofreu o AVC.

Nasce então a ideia de desenvolver uma ferramenta que seja capaz de fornecer dados para esse manejo, a qual será brevemente descrita neste artigo. Os dados vieram da coletânea de informações nacional da rede de cuidados ao AVC da Áustria. O nome em inglês é Predicting Early Mortality from Ischemic Stroke (PREMISE) e conta com dados de mais de 70 mil pacientes. Uma das limitações deste banco de dados é que podem haver casos não incluídos na base de informações por omissão do diagnóstico inicial, por exemplo.

A ferramenta foi desenvolvida sob avaliação de neurologistas subespecialistas em AVC, com definições padronizadas de variáveis e escores. Foram utilizados dados de pacientes com 18 anos de idade ou mais, com registro final de AVC isquêmico agudo entre janeiro de 2006 e dezembro de 2017. Com o propósito de avaliar mortalidade na primeira semana, foram excluídos pacientes com permanência superior a este período para análise primária.

Quem foi avaliado para compor este escore?

– Idade mediana: 74 anos; 47% eram mulheres.

Quais exames foram feitos?

– Todos submetidos a realização de eletrocardiograma + exame de imagem na fase aguda (ressonância magnética ou tomografia computadorizada).
– Em 87% dos pacientes também se realizou estudo de imagem vascular (doppler, angiotomografia ou angioressonância).

Escore para predição de risco de mortalidade precoce no AVC isquêmico

Fatores de Risco para Mortalidade Precoce na Unidade de AVC

Pontos

Idade

60-69 anos

+1

70 anos

+2

Disfunção Pre-existente

Escala de Rankin modificada 1-5

+1

Severidade do AVC

NIHSS 5-11

+2

NIHSS 12-23

+4

NIHSS ≥ 24

+5

Doenças vasculares

Diabetes Mellitus

+1

Doença cardíaca (coronariana, insuficiência cardíaca, cardiomiopatia, ou doença valvar)

+1

Topografia do AVC

AVC de Circulação Posterior

+1

Causa do AVC

Não-lacunar

+1

Escore Total máximo possível

= 12

O escore foi proposto de forma a utilizar apenas variáveis facilmente disponíveis em unidades de atendimento ao AVC na admissão do caso.

Leia mais: Infecções pós AVC: vale a pena prevenir com antibióticos?

A morte precoce é bastante improvável quando o Escore Total é de 0 a 3 pontos (<1%), porém aumenta para 35% quando esse valor é igual ou superior a 10 pontos. Portanto, o escore PREMISE se mostra um novo aliado para o neurologista, sendo confiável e atualizado para a estimativa dos riscos de mortalidade precoce do paciente com AVC isquêmico.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Gattringer T, et al. Predicting Early Mortality of Acute Ischemic Stroke: Score-Based Approach. Stroke. 2019;50:00-00.
  • Ganesh A, Lindsay P, Fang J, Kapral MK, Côté R, Joiner I, et al. Integrated systems of stroke care and reduction in 30-day mor- tality: a retrospective analysis. Neurology. 2016;86:898–904.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.