AVC relacionado ao câncer ou como uma entidade isolada?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Segundo a Word Health Organization (WHO), doenças não transmissíveis, como doenças cardiovasculares e câncer, estão entre as dez principais causas de morte no mundo.

A doença cerebrovascular ocorre geralmente em pacientes com câncer, e esta associação tem sido relatado na literatura.

Relação entre AVC e câncer

O acidente vascular encefálico (AVC) causa incapacidade grave para pacientes com câncer, enquanto o câncer aumenta o risco de AVC. Em média, até 10% dos pacientes com AVC isquêmico, apresentam câncer como comorbidade.

Estudos mostraram que o risco de AVC isquêmico aumentou durante os primeiros meses (até 1 ano) após o diagnóstico de câncer. O risco aumentado de eventos tromboembólicos arteriais começa 5 meses antes do diagnóstico e atinge o pico 1 mês antes do diagnóstico.

Os mecanismos fisiopatológicos desta associação (câncer-AVC) não é totalmente conhecido, mas incluem coagulopatias, bem como disfunção endotelial e anormalidades de fluxo nos vasos sanguíneos comprometidos. O câncer também pode levar a endocardite não bacteriana, anemia, compressão mecânica de vasos, embolia tumoral e trombose venosa cerebral.

Estima-se que um em cada sete a oito pacientes com AVC isquêmico tenha câncer conhecido ou oculto, e que em 40% deles, a coagulopatia relacionada ao câncer é o mecanismo do AVC.

Complicações

Importante ressaltar que o câncer em atividade pode contribuir para a deterioração neurológica precoce, maior mortalidade hospitalar pós-AVC, risco substancial a curto prazo de recorrência de AVC e outros eventos tromboembólicos.

Eles compartilham fatores de risco (como tabagismo e obesidade) e o tratamento do câncer pode aumentar o risco de AVC (por exemplo, aterosclerose acelerada após a radioterapia), além disso pode acelerar os mecanismos convencionais de AVC (aterosclerose, doença de pequenos vasos e trombo cardíaco).

Leia também: Doença de Parkinson e Covid-19: o que se sabe até agora?

Os cânceres relacionados ao tabagismo estão particularmente associados ao aumento do risco de AVC, mas outras neoplasias, como linfoma e câncer primário do sistema nervoso central, também podem estar associados.          Em pacientes com AVC de causa desconhecida, você deve estar particularmente ciente dos cânceres de pulmão, pâncreas, mama, estômago e cólon, pois é mais provável que estejam associados ao AVC.

Em relação ao subtipo etiológico, o criptogênico, especialmente em pacientes idosos, talvez com um padrão embólico (a neuroimagem pode mostrar múltiplas lesões em vários territórios arteriais), deve levantar a suspeita de câncer oculto como uma possível etiologia subjacente.

O que fazer?

Ao tratar pacientes com AVC isquêmico relacionado ao câncer, a pergunta mais frequente diz respeito à terapia antitrombótica ideal. Embora a anticoagulação, especialmente as heparinas de baixo peso molecular e, mais recentemente, os novos anticoagulantes orais (NOACs) tenham sido recomendados para prevenção secundária, mesmo assim, apenas alguns estudos abordaram a questão da superioridade, por exemplo, de anticoagulante oral direto em comparação com antiplaquetários e são necessários grandes estudos randomizados prospectivos.

A associação entre câncer em atividade e AVC deve ser lembrada, especialmente no criptogênico com padrão embólico.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Navi BB, Iadecola C. Ischemic stroke in cancer patients: A review of an underappreciated pathology. Ann Neurol 2018;83:873-883.
  • Nam KW, Kim CK, Kim TJ, An SJ, Oh K, Mo H, et al. Predictors of 30-day mortality and the risk of recurrent systemic thromboembolism in cancer patients suffering acute ischemic stroke. PLoS One 2017;12:e0172793.
  • Oh Young BangJong-Won Chung,Mi Ji Lee et al. Cancer-Related Stroke: An Emerging Subtype of Ischemic Stroke with Unique Pathomechanisms. Journal of Stroke 2020;22(1):1-10.Published online: January 31, 2020
Relacionados